TRIBUNAL DE JUSTIÇA MT

Programa Nosso Judiciário retoma visitações ao Tribunal de Justiça com estudantes de Rondonópolis

Publicados

em


A presidente do Poder Judiciário de Mato Grosso, desembargadora Maria Helena Póvoas, recepcionou calorosamente os acadêmicos de Direito de uma faculdade de Rondonópolis (a 212 km ao sul de Cuiabá). A visita faz parte da retomada do programa Nosso Judiciário que estava suspenso devido ao agravamento da pandemia da Covid-19, desde março de 2020.
 
Ao todo, 50 alunos do 2º e 4º semestres puderam conhecer as dependências do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, na tarde desta quarta-feira (24 de novembro) e ao final foram recebidos pela presidente do TJMT.
 
Maria Helena contou sua trajetória até chegar ao Judiciário e lembrou que no passado o Poder era extremamente fechado. “A primeira vez que coloquei os pés nesse Tribunal, na época havia apenas 11 desembargadores, estava como presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Mato Grosso. Felizmente isso mudou e hoje o poder Judiciário está de portas abertas para a sociedade. Sintam-se acolhidos e respeitados como cidadãos e cidadãs”, exaltou a desembargadora.
 
Na conversa a presidente também destacou a dificuldade de romper as barreiras de gênero. “Cheguei aqui pelo quinto constitucional e fui a segunda mulher a vestir a toga de desembargadora. A primeira foi a grande Shelma Lombardi de Kato, que foi minha professora na universidade. Mas precisamos encarar nossos desafios e olhá-los de frente e assim nós mulheres fomos conquistando espaço. Provando a capacidade, afinco, esmero e comprometimento em tudo que nos propormos a fazer”, lembrou.
 
A mensagem tocou o coração da estudante do 4º Semestre, Bárbara Luisa Brandalise Zanetti. “A história de luta contada pela presidente nos inspirou muito. Ela agora ocupa o mais alto posto do Judiciário, mas mostrou que também passou por todos os desafios que nós passamos e passaremos. Enche-nos de esperança e expectativas de também conquistarmos nossos mais ousados sonhos”, revelou Bárbara.
 
Já o acadêmico do 2º Semestre, Rafael Juvênio, elogiou a receptividade do Poder Judiciário. “Foi muito importante conhecer a história do Tribunal aqui na prática, nos corredores, os plenários e por fim a explanação da presidente. Ela nos fez atentar que há vários caminhos para percorrermos. Até mesmo para alçar o voo como desembargador, não é só com a carreira da magistratura que se alcança esse posto. Visto que ela veio do quinto constitucional da OAB e também temos a do Ministério Público”, pontuou o estudante.
 
Por fim, o coordenador do curso de Direito da Fasipe de Rondonópolis, Paulo de Souza Freitas Júnior, destacou que a expectativa para o retorno ao programa Nosso Judiciário era grande. “Nós estávamos ansiosos para voltarmos a visitar o Tribunal de Justiça. Eu acompanhei outras turmas e sabemos o quanto essa experiência é enriquecedora para os nossos acadêmicos. Tanto é que a demanda que estava reprimida e inicialmente prevíamos um número de alunos e no fim tivemos que ampliar por conta do alto interesse em vir”, frisou.
 
Ulisses Lalio
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  PSDB retoma votação das prévias neste sábado
Propaganda

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MT

Magistratura e Sociedade entrevista professor Edson Rondon

Publicados

em


Já está no ar a nova edição do programa Magistratura e Sociedade que, desta vez, traz o professor pós-doutor Edson Benedito Rondon Filho como entrevistado. O convidado, dentre tantos assuntos, falou sobre o papel do fato em razão das fake news, explicando que os fatos sempre prevalecem.
 
“Os fatos que podem ser comprovados e justificados têm um papel fundamental para as instâncias decididoras, sejam elas no Poder Executivo, Legislativo ou Judiciário. O Judiciário tem trabalhado para fazer um restabelecimento. Nós temos marcos normativos e regulatórios da internet como a Lei Geral de Proteção aos Dados que visam justamente trazer equilíbrio a essas relações que ocorrem no cyber espaço.”
 
Rondon Filho explicou também que as informações não verdadeiras são um fenômeno mundial utilizadas “como estratégia para consolidar questões de ideologias no plano político, religião, preconceito potencializado, agressões desmedidas e até sem justificativa à minorias por questões de gênero ou sexual.” Ele acrescentou ainda que elas precisam ser combatidas e que ele tem visto isso no cenário judicial.
 
O convidado possui pós-doutorado junto ao Departamento de Letras Modernas do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Júlio Mesquita Filho (Ibilce/Unesp). É doutor em sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na linha de estudo Violência, Criminalização, Cidadania e Direito com estágio doutoral junto ao ‘Centre de Recherche Sociologique Sur Le Droit et les Institutions Pénales na França.
 
O Magistratura e Sociedade é publicado mensalmente no canal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso no YouTube. Ele é apresentado pelo juiz e professor de filosofia da Escola Superior da Magistratura de Mato Grosso (Esmagis-MT), Gonçalo Antunes de Barros Filho.
 
 
 
 
Keila Maressa
Coordenadoria de Comunicação da TJMT
 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Vereador apresenta projeto que cria Programa de Prevenção a Endometriose na Rede Municipal de Educação
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA