TECNOLOGIA

Sabadou! Veja os lançamentos da Netflix para assistir no final de semana

Publicados

em


source

Olhar Digital

Netflix
Unsplash/Mollie Sivaram

Veja os lançamentos da semana na Netflix


Semanalmente, a Netflix adiciona novos filmes e séries ao seu catálogo trazendo cada vez mais opções do que assistir para os assinantes. Já em tempos de quarentena, sempre é uma boa ideia dar uma conferida no que há de novo para fazer o tempo passar mais rápido.

Nessa semana, um dos maiores destaques ficou por conta da chegada da terceira temporada de Alto Mar , que mostra os tripulantes de um navio procurando um homem perigoso carregando um vírus mortal. Quem também merece a atenção, mas na parte de animações, é o título Magos: Contos da Arcadia , uma criação de Guilhermo Del Toro que mostra um aprendiz de Merlin fazendo viagens no tempo.

Leia Também:  Mais games para Xbox? Microsoft anuncia compra da Bethesda

Já em relação a filmes, o destaque vai para o título original de comédia Resgate em Malibu: A Próxima Onda , que mostra a equipe dos Linguados sediando a competição do Mestre da Praia em sua cidade. Abaixo, confira a relação completa do que chegou à plataforma de streaming nessa semana.

Séries

  • Immigration Nation (03/08)
  • Mundo Mistério (04/08)
  • Os Mais Procurados do Mundo (05/08)
  • Unbreakable Kimmy Schmidt: Kimmy x Reverendo (05/08)
  • The Rain – 3º temporada (06/08)
  • Alto Mar – 3º temporada (07/08)
  • As Novas Aventuras do Macaco – 2º temporada (07/08)
  • Mandou Bem – México – 2º temporada (07/08)
  • Natureza Discreta (07/08)
  • Sunset – Milha de Ouro (07/08)
  • Vem Cantar! Alemanha (07/08)

Stand-up, shows e reality shows

  • Sam Jay: 3 In The Morning (04/08)

Documentários

  • Anelka – O Incompreendido (05/08)

Filmes

  • Casa Grande (03/08)
  • Resgate em Malibu: A Próxima Onda (04/08)
  • Sin City (05/08)
  • Nasha Natasha (06/08)
  • Berlim, Berlim – Lolle e suas opções (07/08)
  • Dançarina Imperfeita (07/08)
  • Diamonds in the Sky (07/08)
Leia Também:  Covid-19: em uma semana casos caem 30% e mortes 13%

Desenhos, animes e programação infantil

  • Acampamento de Verão do Cory Carson (04/08)
  • Luccas Neto em: O Hotel Mágico (04/08)
  • The Seven Deadly Sins (06/08)
  • Festa de Palavras – Vamos Cantar (07/08)
  • Magos: Contos da Arcadia (07/08)
  • O Ônibus Mágico Decola Novamente – Rumo ao Espaço (07/08)

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Algoritmos racistas: entenda como funciona o problema que atingiu o Twitter

Publicados

em


source
algoritmos
Unsplash/Shawn Fields

Algoritmos racistas privilegiam pessoas brancas

No último final de semana, o Twitter foi acusado de utilizar um algoritmo racista para definir os cortes de imagens na rede social. Em diversos testes realizados pelos usuários, independentemente da quantidade de pessoas negras e brancas em uma imagem, a inteligência artificial da plataforma insiste em criar a miniatura da foto a partir de um rosto branco.

Isso acontece porque o algoritmo define que essa é a parte mais importante da imagem. Apesar do assunto ter ganhado a internet, algoritmos enviesados, como são chamados, não são novidade – e muito menos exclusividade do Twitter

Algoritmos enviesados

Há anos, o assunto é discutido na comunidade tecnológica, mas os avanços parecem lentos. Um dos grandes nomes nessa luta é o da cientista da computação ganense-americana Joy Buolamwini. “O viés algorítmico, assim como o viés humano, resulta em injustiça. No entanto, algoritmos podem espalhar preconceitos em grande escala em um ritmo rápido”, disse ela, em uma palestra em 2016 .

Joy explica que os algoritmos racistas surgem no momento em que eles são criados. Para um sistema de reconhecimento facial, por exemplo, o software utiliza de aprendizado de máquina para determinar o que é um rosto. 

Leia Também:  Hackers iranianos espionaram usuários do WhatsApp e Telegram por anos

Nesses casos, a inteligência artificial aprende com bancos de dados. Quem programa o sistema define uma meta de sucesso que, nesse caso, é a definição de um rosto. Para isso, ele mostra imagens de rostos para o algoritmo, que vai aprendendo o que é e o que não é um rosto.

Essa meta de sucesso, porém, é baseada em um banco de dados. Se nele só tiver fotos de pessoas brancas, essa será a definição de sucesso. Quando o algoritmo se deparar com uma pessoa negra, ele não irá identificar que há um rosto ali.

“Se os conjuntos de treinamento não são realmente tão diversos, qualquer rosto que se desvie muito da norma estabelecida será mais difícil de detectar”, explicou Joy.

O maior problema, nesses casos, é que grande parte dos sistemas de reconhecimento facial utilizam software e/ou bancos de imagens prontos. Estes geralmente são pouco diversos, criando algoritmos cada vez mais preconceituosos.

Não é só uma foto

Esse tipo de erro não acontece apenas em sistemas como o do Twitter . A própria Joy demonstra um sistema de reconhecimento facial que permitia a interação com um espelho que só a reconhecia quando ela estava com uma máscara branca. 

Leia Também:  Pré-venda do PS5: estoque do console já está esgotado

E não para por aí. Em 2017, um vídeo circulou na internet mostrando uma saboneteira automática que só liberava o produto quando detectava uma mão branca. 

Os problemas podem ir ainda além, atingindo situações mais graves. Um carro autônomo com algoritmo enviesado pararia diante de um pedestre negro, por exemplo? Além de questões futuras, o uso de algoritmos já prejudica a população negra atualmente. 

Recentemente, um levantamento da Rede de Observatórios da Segurança mostrou que 90,5% das pessoas presas por reconhecimento facial em câmeras de segurança no Brasil eram negras. 

O estudo analisou prisões realizadas na Bahia, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraíba e Ceará. Nos casos de software usados para fins policiais, a meta de sucesso do algoritmo é baseada na semelhança com pessoas com mandados de prisão em aberto, e pode acabar prejudicando a população negra.

Durante os quatro dias do carnaval de 2019 em Feira de Santana, na Bahia, o monitoramento por câmeras identificou 1,3 milhões de rostos, como informa o The Intercept Brasil. Desses, 903 geraram alertas, o que gerou o cumprimento de 18 mandados e na prisão de 15 pessoas. Isso significa que, dos alertas emitidos, 96% não resultaram em nada – uma quebra de privacidade na vida de muitas pessoas, em sua maioria, negras.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA