TECNOLOGIA

O que são cookies? Entenda por que você deve se proteger dos espiões da internet

Publicados

em


source
Sites pedem pelo uso de cookies; entenda o que são eles
Unsplash/Christin Hume

Sites pedem pelo uso de cookies; entenda o que são eles


“Este site usa cookies para melhorar a sua navegação”. Avisos como esse são bastante comuns de serem encontrados em sites por toda a internet, sobretudo após a entrada em vigor da  Lei Geral de Proteção de Dados ( LGPD ) , que exige o consentimento dos usuários para a coleta e uso de suas informações pessoais .

Apesar de serem bastante úteis para a navegação, os cookies também podem ser usados contra os internautas. Por isso, é importante estar atento a quais sites podem saber das suas informações.

O que são cookies?

Cookies nada mais são do que pequenos arquivos de texto enviados ao navegador pelos sites que você acessa. Neles estão informações sobre a sua visita a determinado site.

A princípio, isso é uma “mão na roda” para quem navega. “Um dos principais benefícios trazidos pelos cookies é fazer com que sites se lembrem de quem o está acessando. Imagine um site de uma loja, você navega neste site e encontra produtos que gostaria de comprar; põe em seu carrinho e, por algum motivo, tem que interromper a navegação. Você volta ao site muitas horas depois. Ao abrir o site novamente, você percebe que seu carrinho de compras está são e salvo, mesmo sem que você tenha usado seu login e senha. Esse é um dos trabalhos dos cookies”, exemplifica Daniel Cunha Barbosa, especialista em segurança da informação da ESET Brasil.

Enquanto os cookies são usados apenas pelos sites nos quais produzimos determinadas informações, como exemplificado, eles realmente facilitam a navegação. O problema começa quando outra empresa tem acesso aos cookies que você enviou para dezenas de sites, ficando sabendo qual item você colocou no carrinho de um, qual texto leu em outro e qual clique deu em um terceiro.

Leia Também:  Facebook avisa usuários param lerem notícia antes de compartilhar

Isso porque além de salvar informações úteis para os usuários, os cookies também podem armazenar dados úteis para empresas de publicidade. Assim, se vários sites permitem que terceiros (como as companhias que vendem anúncios) tenham acesso aos cookies de usuários, essas informações podem ser colecionadas e, então, resultarem em um perfil daquela pessoa. É por isso que recebemos anúncios relacionados ao nosso comportamento online.

Além de empresas publicitárias usarem cookies para traçarem perfis de comportamento, outro risco é se esses pacotes de dados caírem nas mãos de cibercriminosos , alerta Daniel. “Outro ponto que pode ser prejudicial é quando o cookie armazena dados pessoais ou, ainda pior, dados de autenticação de um usuário. Caso cibercriminosos tenham acesso a eles de forma direta ou indireta, muitos danos podem ser causados ao usuário”, afirma.

Você viu?

Li e concordo… será?

O nível de perigo de um  cookie cair em mãos erradas depende do tipo de informação contida nele. E isso varia de site para site. “Por serem definidos pelo site, podem conter os mais diversos tipos de informações, dentre elas dados cadastrais como nome, telefone, e-mail e outros dados preenchidos em formulários, nome de usuário e senha de acesso a um site e diversos outros dados”, exemplifica Daniel.

A única forma de saber quais dados seus estão sendo coletados e para quais fins eles são utilizados (se são compartilhados com empresas terceiras ou não, por exemplo) é lendo os avisos que os sites mostram. De acordo com a LGPD , um site só pode usar os dados pessoais de um cidadão depois do consentimento deste e, por isso, quando há a opção de ler os termos e decidir por permitir, ou não, o uso de  cookies para determinado site, é importante fazê-lo.

“Acredito que os termos de aceitação de cookies devam ser considerados tão importantes quanto os termos de aceitação de quaisquer outros serviços. É necessário se ater ao que os termos dizem e não simplesmente aceitar tudo sem ler”, afirma Daniel, que aconselha os usuários a se atentarem sempre “a que tipo de site se está acessando e identificar se as funcionalidades adicionais que estas configurações oferecem serão realmente necessárias para o que se está buscando”. “Caso identifique que determinada função não será útil a você, desabilite-a”, continua.

Leia Também:  Celulares e TVs da Xiaomi anteciparam 35 terremotos na China

Já aceitei cookies de vários sites. E agora?

Muitos sites não se adequaram à lei e não pedem o consentimento dos usuários, mas apenas avisam que estão usando cookies. Além disso, na correria do cotidiano, muita gente não lê os termos e sai aceitando o uso de cookies em tudo quanto é site. Por isso, uma dica valiosa é excluir cookies e dados de navegação com frequência.

Essa é uma função presente em todos os navegadores e vai limpar todos os cookies já salvos nele. Assim, mesmo os sites que tinham acesso a esses dados acabam por perdê-los. Especialistas alertam que fazer essa “limpeza” periodicamente é essencial para todos os usuários. Veja como realizar essa ação nos principais navegadores:

Como limpar cookies no Google Chrome

  • No computador, abra o Chrome.
  • No canto superior direito, clique em Mais e, depois, em Configurações.
  • Em “Privacidade e segurança”, clique em Cookies e outros dados do site.
  • Clique em Ver todos os cookies e dados de sites e Remover tudo.
  • Confirme clicando em Limpar tudo.

Como limpar cookies no Safari

  • Na barra do topo, clique em Safari e depois em Preferências;
  • Entre em Privacidade;
  • Clique em Gerenciar Dados de Sites;
  • Clique em Remover Tudo;
  • Espere o processo terminar e clique em OK.

Como limpar cookies no Firefox

  • No Firefox, clique no botão de menu no canto superior direito e vá em Preferências;
  • Entre na aba Privacidade e segurança e, depois, vá até Dados do site;
  • Clique em Configurações;
  • Clique em Remover Tudo;
  • Espere o processo terminar.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Compensa comprar celular na China? Veja os prós e contras

Publicados

em


source
Veja se compensa comprar um smartphone na China
Unsplash/Brandable Box

Veja se compensa comprar um smartphone na China


Com o dólar nas alturas e a alta carga tributária brasileira, além da crise global de chips , os celulares têm ficado cada vez mais caros no Brasil . Diante disso, muita gente tem optado por importar smartphones da China .

Mas será que a transação compensa? Para responder a essa pergunta, é preciso entender sobre o funcionamento dos celulares estrangeiros no Brasil, a carga tributária, o tempo de entrega e a assistência técnica depois da compra. Abaixo, confira todos os prós e contras de comprar um celular na China.

É legal comprar celular na China?

Compras internacionais são consideradas importações , e podem ser feitas por qualquer pessoa em sites estrangeiros de confiança. No caso de smartphones , porém, modelos que ainda não foram homologados no país podem ser barrados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Para homologar um smartphone , a Anatel realiza diversos testes de qualidade antes de liberar sua venda no Brasil. A agência recomenda que só sejam comprados celulares verificados por ela e, por isso, na hora de escolher um modelo em um site chinês, é interessante avaliar se o mesmo já é vendido no Brasil.

Celular comprado na China funciona no Brasil?

Outro ponto de atenção são as frequências que o smartphone escolhido possui. Cada país trabalha tecnologias de comunicação em frequências diferentes e, por isso, alguns celulares estrangeiros podem não funcionar aqui ou perder alguns recursos.

“Um celular estrangeiro que possui capacidade para comunicação 4G poderá, por exemplo, ter suas funcionalidades limitadas à tecnologia 3G devido à incompatibilidade com as frequências adotadas no Brasil”, explica a Anatel .

A agência mantém uma tabela que mostra as frequências utilizadas no Brasil. Antes de escolher um celular em um site chinês, confira se essas frequências constam nas especificações do dispositivos. A tabela pode ser encontrada neste link .

Celular chinês fala português?

Antes de escolher um modelo, também vale a pena conferir com o comprador se ele conta com a opção de mudar o idioma para português. Em caso negativo, será necessário instalar uma ROM alternativa que tenha a opção PT-BR depois de receber o smartphone.

Leia Também:  STF julga ação que pode causar prejuízo de R$ 258 bi para a União; entenda

É mais barato comprar um celular na China?

Este é um dos fatores que precisam de maior análise antes de fazer uma compra. Produtos internacionais podem ser taxados na chegada ao Brasil, só sendo liberados mediante pagamento do imposto.

Você viu?

“Toda compra internacional feita em sites internacionais é uma importação, assim como o recebimento de um presente vindo do exterior. Nesses casos, são exigidos alguns procedimentos para a entrega, um deles é o ‘desembaraço aduaneiro'”, afirmam os Correios.

As importações feitas por pessoas físicas não podem exceder o limite de US$ 3 mil, e taxas podem ser cobradas sobre esse valor. É possível que um celular passe direto pela Receita Federal e não sofra nenhuma taxa? Sim. Mas também é possível que ele sofra todas as taxas possíveis e, por isso, é muito importante contar com essa possibilidade antes da compra. 

Se seu produto por taxado, os Correios  enviarão um aviso por meio do código de rastreio. Em seguida, você deverá realizar o pagamento das taxas e impostos no próprio site dos Correios em até 30 dias para liberar o produto para entrega – caso contrário, ele é devolvido ao remetente. Confira quais cobranças seu celular chinês pode enfrentar:

  • Despacho postal: não é frete nem tributo, é um valor fixo de R$ 15 pago aos Correios por seus serviços aduaneiros.
  • Imposto de importação: 60% sobre o valor aduaneiro.
  • ICMS: valor varia de acordo com o estado, e gira em torno de 20% sobre o valor aduaneiro.

Os impostos são cobrados, como mencionado, sobre o valor aduaneiro . Este valor é a soma da mercadoria, frete e seguro de transporte (quando houver). Ou seja, se você comprou um celular de US$ 300 e pagou US$ 20 pelo frente e US$ 10 pelo seguro, por exemplo, os impostos serão cobrados sobre o total, US$ 330.

Aqui, vale a pena conversar com o comprador antes de realizar os cálculos para saber se compensa importar um smartphone . Isso porque, por padrão, a maioria dos sites chineses declara o valor dos celulares bem abaixo do cobrado. Um celular de US$ 300, por exemplo, pode ter nota fiscal de US$ 100, fazendo o imposto também se tornar mais baixo.

Quanto tempo um celular demora para chegar da China?

Isso depende da forma de envio escolhida no momento da compra. Geralmente, o conhecido frete grátis  é o mais demorado, podendo chegar a 40 dias úteis. Neste link do site dos Correios , é possível encontrar todas as opções de frete internacional com prazo e preço.

Leia Também:  Disney+: veja os lançamentos da semana na plataforma de streaming

Celular chinês tem direito a assistência técnica no Brasil?

Se você decidir comprar um smartphone na China e ele vier com algum problema ou quebrar ao longo do tempo, as marcas são obrigadas a darem suporte e garantia a ele no Brasil? Entramos em contato com as principais fabricantes no país, e todas elas disseram que só prestam assistência a produtos adquiridos aqui. A Apple não retornou nosso pedido até o momento desta publicação. Confira as respostas:

  • Xiaomi : A Xiaomi oferece assistência somente para os consumidores brasileiros que fazem as compras via canais oficiais da marca, lojas físicas, e-commerce e nos varejos e marketplaces parceiros, como Casas Bahia, Americanas, Operadora Vivo e Magazine Luiza.
  • Samsung : A garantia e o serviço de assistência técnica oferecidos pela Samsung Brasil contemplam apenas os smartphones fabricados e adquiridos no País, em lojas próprias da marca, revendedores autorizados ou parceiros varejistas oficiais.
  • Motorola : A Motorola oferece garantia e assistência técnica apenas a produtos fabricados e vendidos no Brasil.

Apesar das fabricantes dizerem que não realizam assistência técnica de produtos importados, o Procon-SP garante que isto está previsto no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

De acordo com o órgão, os produtos comprados fora do Brasil que apresentarem problemas devem ser consertados pela fabricante local. “O fabricante do produto deverá consertá-lo, desde que a marca seja mundialmente conhecida, já que o fornecedor nacional beneficia-se da marca, valendo-se da maciça publicidade e credibilidade. O fornecedor brasileiro, que representa a marca internacional, deverá reparar o produto adquirido no exterior, mesmo sem a garantia mundial, no prazo máximo de trinta dias corridos, contados a partir da data da reclamação”, diz o Procon-SP.

O órgão ainda afirma que, de acordo com o CDC, se o conserto não for feito em 30 dias, o consumidor pode escolher e exigir:

  • A substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso;
  • A restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos;
  • O abatimento proporcional no preço.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA