TECNOLOGIA

Disney+: veja os lançamentos da semana para assistir no domingo

Publicados

em


source

Olhar Digital

Veja os lançamentos da semana no Disney+
Unsplash/Marques Kaspbrak

Veja os lançamentos da semana no Disney+

Desde que chegou ao Brasil no fim do ano passado, a Disney+ vem ganhando mais usuários graças às produções exclusivas de filmes e séries. Já para se organizar e não perder nada do que entrará no serviço, é sempre bom estar de olho nos lançamentos da Disney+. 

Nessa semana, em séries, o destaque, novamente, vai para o título ‘ WandaVision ’, uma vez que o último episódio trouxe surpresas bem inesperadas – e uma revelação bastante importante para a produção.  

Em relação a filmes, quem merece atenção é ‘ Sou Luna: O Último Show ’, único lançamento de longa metragem desta semana. A produção, que na verdade é o registro de um show, mostra o fim da trajetória de Luna, personagem de um dos grandes sucessos atuais da Disney. A seguir, confira quais foram os lançamentos da Disney+  nessa semana. 

Lançamentos da Disney+: séries, programas e desenhos 

  • Acampados – 4º temporada (26/02) 

Seriado traz os irmãos Emma, Ravi e Zuri precisando aprender a sobreviver a um acampamento no estado do Maine. 

Você viu?

  • Acredite, É Verdade – 3º temporada – Episódio 8 (26/02) 
Leia Também:  Semana terá votação sobre auxílio a bares e debate sobre preços de remédios

Programa traz apresentadores abordando diferentes mitos da natureza e do mundo para provar se eles são ou não verdadeiros. 

  • Agora Muppets – 1º temporada – Episódio 6 (26/02) 

Série com diversos personagens famosos dos Muppets traz um game show, um talk show e até mesmo um programa de culinária de forma bem divertida. 

  • WandaVision – 1º temporada – Episódio 8 (26/02)

Série da Marvel traz os personagens Wanda Maximoff e Visão vivendo no subúrbio tranquilamente até começarem a desconfiar das pessoas ao seu redor. 

  • Virando o Jogo dos Campeões (26/02) 

Na Minnesota dos dias de hoje, o time Pator evoluiu de azarão para um time de hóquei juvenil super competitivo e poderoso. Depois que Evan Morrow, de 12 anos, é cortado do Patos, sem cerimônia, ele e sua mão, Alex, resolvem montar seu próprio time de desajustados para desafiar a implacável cultura da vitória a qualquer custo dos esportes juvenis de hoje. Com a ajuda de Gordon Bombay, eles redescobrem a alegria de jogar apenas pelo amor ao jogo.  

  • Os Eleitos – Episódio 4 (26/02) 

‘Os Eleitos’ relata os esforços americanos para alcançar a soberania das missões espaciais durante a Guerra Fria, travada com a União Soviética. Para isso, foi criado o Projeto Mercury 7, da Nasa, cuja equipe é composta pelos sete melhores pilotos de teste do exército dos Estados Unidos.

  • O Restaurante do Arnoldo – Temporada 1 – Episódio 6 (26/02) 
Leia Também:  Auxílio emergencial: nascidos em março recebem neste domingo; veja calendário

A série estrelada pelo argentino Diego Topa segue as aventuras dos personagens da produção original do Disney Junior Latino América ‘Junior Express’. O chef Arnoldo e de seu assistente Francis abrem seu próprio restaurante na pequena cidade de Baía Bonita e devem lidar com novos e divertidos clientes.

Lançamentos da Disney+: Filmes 

  • Sou Luna: O Último Show (26/02) 

O último show. A última atuação. O último encontro dos fãs. A despedida do elenco de ‘Sou Luna’ ao vivo no mítico estádio Luna Park, em Buenos Aires. A intimidade do backstage e um passeio pela história da série, dos primeiros ensaios e gravações de turnês até a despedida de uma série que deixou sua marca em milhões de fãs.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Redes sociais e streaming: como nosso uso da tecnologia impacta o meio ambiente?

Publicados

em


source
Dispositivos e serviços tecnológicos que usamos diariamente fazem parte de cadeia que afeta o meio ambiente
Unsplash/Andrew Neel

Dispositivos e serviços tecnológicos que usamos diariamente fazem parte de cadeia que afeta o meio ambiente



Assistir a uma série, mandar um e-mail, rodar o feed de notícias de uma rede social : todas essas atividades são capazes de afetar o meio ambiente. Recentemente, a Netflix divulgou quanto de carbono emitimos ao assistir a uma hora de streaming . Já outras empresas, como o Google , afirmam que suas atividades são livres de emissão de carbono.

Mas como realizar atividades cotidianas como essas podem prejudicar o meio ambiente ? Para que um filme chegue até a tela da sua televisão, por exemplo, ele precisa ser produzido, armazenado em um serviço da nuvem, divulgado por pessoas que trabalham em escritórios, e assim por diante. E toda essa cadeia produtiva é capaz de emitir gás carbônico (CO2), um dos principais responsáveis pelo efeito estufa .

Data centers

De acordo com a Netflix, assistir a uma hora de streaming é o mesmo que dirigir um carro a gás natural por 400 metros. Em 2020, 50% da emissão de carbono da empresa aconteceu na produção física de filmes e séries; 45% nas operações corporativas, como os escritórios da empresa; e 5% nos provedores de serviços em nuvem que fazem a plataforma de streaming funcionar.

Fonte: Netflix
iG Tecnologia

Fonte: Netflix

O principal ponto em comum entre todos os serviços tecnológicos que utilizamos, como redes sociais, streaming e plataformas de e-mail, são justamente os serviços em nuvem.

Quando dados são armazenados na nuvem e podem ser acessados de qualquer lugar do planeta, eles estão, na verdade, em enormes centros de processamento de dados, conhecidos como data centers .

Esses espaços costumam gastar muita energia para funcionar e, por isso, são grandes potenciais emissores de gases poluentes. “São todas aquelas máquinas funcionando, o que gera consumo de energia. Você precisa ter bateria, porque eles não podem sair fora do ar, e muitas baterias podem usar diesel, aí a gente já está falando de fonte energética fóssil, e isso ambientalmente é incorreto. Um dos grandes desafios nos data centers é otimizar o uso de ar condicionado”, comenta Tereza Cristina Carvalho, membro do Instituto dos Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE) e professora da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

Leia Também:  Netflix: confira os lançamentos para aproveitar no final de semana

Tereza explica que a localização dos data centers também dizem muito sobre o quão poluentes eles podem ser. Aqui no Brasil, por exemplo, a matriz energética é baseada, sobretudo, em usinas hidrelétricas, consideradas uma fonte limpa de energia. Já em outros países, o fornecimento de energia pode ser não-limpo, ou seja, emitir gases poluentes.

“Cada país tem sua matriz energética. Eu posso estar assistindo um filme que não está no Brasil, que tem uma matriz energética limpa, mas esse filme está na Alemanha, que usa termelétricas. Com o conceito de computação em nuvem, a nuvem pressupõe que o seu computador pode estar em qualquer lugar do mundo”, exemplifica Tereza. A regra também vale para armazenamento de dados de outros serviços tecnológicos, como redes sociais .

“Como o conteúdo de um mesmo vídeo pode estar distribuído em diversos servidores instalados em diferentes locais com matrizes energéticas limpas e não limpas, no final pode haver emissão significativa de CO2, mas isso é totalmente evitável”, continua a especialista.

Você viu?

Zerando a emissão de carbono

Para evitar as consequências ambientais, muitas empresas de tecnologia têm apostado em iniciativas que “zeram” a emissão de carbono na atmosfera. O Google é uma das companhias que já conseguiu zerar a emissão de carbono, ainda em 2007. Isso significa que quando você faz uma bsuca, manda um e-mail no Gmail ou assiste a um vídeo no YouTube , você não está liberando CO2 no meio ambiente.

Em setembro de 2020, o Google anunciou, ainda, que conseguiu remover todo o legado de carbono, eliminando tudo o que havia sido liberado na atmosfera antes de 2007.

Outras empresas, como Twitter e Facebook , buscam alcançar este feito. O Twitter tem o objetivo de ser 100% neutro de carbono no fornecimento de energia em seus data centers até 2022. Já o Facebook alcançou, no ano passado, a meta de zerar as emissões de carbono em suas operações, e pretende atingir o mesmo objetivo incluindo fornecedores e funcionários até 2030. A Netflix , por sua vez, afirma que deve zerar as emissões de gases do efeito estufa até o final de 2022.

Leia Também:  Auxílio emergencial: nascidos em março recebem neste domingo; veja calendário

Na prática, o que tudo isso significa? “Na prática, a empresa plantou uma árvore”, resume Tereza. “Quem compensa o gás carbônico é a natureza. Quando a gente fala que eu quero zerar, eu tenho que fazer um processo de compensação. E um processo de compensação é, de fato, você plantar uma árvore. Por exemplo, eu sou uma empresa multinacional muito rica, mas eu tenho uma fazenda e eu planto muitas árvores. Então, eu mesmo consumo o CO2 e compenso com a plantação de árvores”, explica.

Além de priorizar o uso de energias limpas em data centers, portanto, as gigantes de tecnologia costumam apoiar projetos para fechar essa conta. No caso do Twitter , por exemplo, uma parceria com a ONG Cool Effect financia projetos verdes em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Lixo eletrônico

Lixo eletrônico é problema no Brasil e no mundo
Pixabay/dokumol

Lixo eletrônico é problema no Brasil e no mundo

Com a possibilidade de zerar as emissões de carbono, o principal impacto ambiental no uso de tecnologias continua sendo o descarte incorreto de lixo eletrônico , avalia Tereza.

De acordo com um relatório da Associação Internacional de Resíduos Sólidos, divulgado em julho de 2020, o mundo bateu recorde de produção de lixo eletrônico em 2019. A marca alcançada foi de 53,6 milhões de toneladas, ou mais de sete quilos por habitante do planeta. O Brasil é o sétimo maior produtor de lixo eletrônico do mundo, segundo relatório da Plataforma para Aceleração da Economia Circular (Pace) e da Coalizão das Nações Unidas sobre Lixo Eletrônico.

E a esmagadora maioria desse lixo é descartado incorretamente, o que causa prejuízos enormes ao meio ambiente . “Parece-me que os equipamentos digitais tornam-se um problema, quando se tornam obsoletos e são descartados incorretamente em lixões ou mesmo em aterros sanitários. Temos aqui, de fato, um elemento de geração de gás estufa . Esses resíduos em lixões e aterros sanitários geram gás metano, que é outro componente importante do gás estufa”, explica Tereza.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA