TECNOLOGIA

Among Us: ataque hacker atinge 5 milhões de jogadores; veja como se proteger

Publicados

em


source

Olhar Digital

Among us
Reprodução

Veja como se proteger do ataque que atinge o jogo

Com o sucesso de Among Us , hackers miraram o título para aplicar seus golpes. Na última quinta-feira (22), um ataque massivo de spam começou a se espalhar e está afetando a maior parte da comunidade de jogadores.

Mensagens no chat direcionam as vítimas aos canais do YouTube e do Discord de um usuário chamado “Eris Loris”, ameaçando aqueles que não se inscreverem. Uma campanha para a reeleição do Donald Trump também foi enviada.

A InnerSloth, desenvolvedora do jogo , afirmou em uma publicação no Twitter que está consciente do problema e que já planejou uma atualização de emergência para resolver a situação.

Forest Willard, um dos três membros da equipe do jogo, afirmou que ainda na noite da quinta-feira uma atualização foi lançada, mas o problema não foi resolvido. Por conta disso, o estúdio está aconselhando os usuários a jogarem apenas partidas privadas com amigos enquanto trabalha na resolução.

Leia Também:  Quanto custa o iPhone 12 Pro? Para a Apple, pouco mais de R$ 2 mil

Ao portal Kotaku, Loris assumiu a responsabilidade pelo ataque, mas, segundo ele, não tinha nenhuma intenção criminosa em seu ato. “Eu estava curioso para ver o que aconteceria e, pessoalmente, achei engraçado”, destacou. Esta não foi a primeira vez que Among Us foi vítima de hackers , mas foi a que alcançou o maior número de usuários. Loria afirmou que seus spans chegaram a cerca de cinco milhões de jogadores em até 1,5 milhões de partidas.

Uma amostra do seu alcance é que diversos fóruns no Reddit estão falando sobre o assunto. Um desses, intitulado “Ok, quem é Eris Loris?”, possui mais de 700 comentários. Apesar de a maioria ser de críticas e insultos ao autor dos spans, alguns seguem a linha de Loris, levando o ataque para o lado do humor.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Caiu em um golpe digital na Black Friday? Saiba o que fazer

Publicados

em


source
black friday
iStock

Saiba como ter mais segurança na internet

A Black Friday passou, mas suas consequências não, já que o período promocional também é conhecido pela grande quantidade de golpes digitais . Neste ano, antes mesmo da sexta-feira chegar, os ataques cibernéticos já estavam aumentando .

Além de reclamações recorrentes como propaganda enganosa, divergência de valores e atraso em entrega, a Black Friday também é um terreno fértil para a disseminação de crimes digitais , como roubo de dados, golpes financeiros e até sequestro de informações. 

Caí em um golpe na Black Friday, e agora? 

Se você foi vítima de um crime cibernético durante o evento promocional, a primeira coisa a fazer é coletar provas para realizar uma denúncia. Maximiliano de Carvalho Jácomo, coordenador do MBA em segurança cibernética do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação explica quais informações são relevantes na hora de denunciar um crime.

“A vítima deverá comparecer na presença da autoridade policial, munida com o máximo de evidências sobre referente ao crime. Por exemplo, as mensagens eletrônicas recebidas, as fotos, as conversas realizadas via WhatsApp e, em alguns casos, até com o dispositivo computacional, seja este o notebook, computador, smartphone ou tablet”, explica.

Depois de coletar as provas, o indicado é ir até uma delegacia da Polícia Civil especializada em crimes cibernéticos – é possível encontrar uma lista neste link . Se não houver uma perto de você, é possível fazer a denúncia em uma delegacia comum.

Leia Também:  Suspeito de ataque hackear ao TSE no primeiro turno é preso pela polícia federal

Além de denunciar o crime, Maximiliano aconselha que a vítima alerte seus familiares e amigos para que eles não sejam os próximos a caírem nas redes de golpes . “[A vítima] deve relatar todos os fatos e técnicas utilizadas pelo criminoso para enganá-la. Assim, essas pessoas também ficarão atentas e não se tornarão as próximas vítimas”.

Se o crime cibernético for o roubo ou sequestro de dados , é importante estar atento a quais informações foram acessadas. Se você entrou em um site falso e passou uma senha , por exemplo, é importante trocá-la o mais rápido possível.

Hora de uma análise

Depois de resolver os problemas relacionados ao crime cibernetico do qual foi vítima, é muito importante analisar o porquê você caiu no golpe . Entender como funcionam as táticas das fraudes digitais é importante para não voltar a ser vítima, já que esse tipo de situação não é exclusividade da Black Friday.

Para Maximiliano, a principal dica para não cair em um golpe virtual é o  conhecimento e a conscientização . “Quanto mais as conhecimento as pessoas tiverem sobre os riscos, ameaças e perigos do mundo digital automaticamente mais conscientes vão estar e com isso estão menos expostas aos crimes cibernéticos”, afirma o especialista.

“É importante que as pessoas conheçam os tipos de crimes virtuais mais comuns, que conheçam as formas com que os cibercriminosos atuam. Ou seja, conheçam as técnicas, tecnologias e ferramentas utilizadas. É importante dizer que as pessoas precisam ter consciência do que estão fazendo com a tecnologia, o que estão e como estão compartilhando na internet e nas redes sociais. Todos nós precisamos compreender que o mundo digital é igual ao mundo real. Ou seja, possui os mesmos prazeres e perigos”, continua.

Leia Também:  EUA desenvolvem sistema para ler mente de soldados; conheça

O professor afirma que, no Brasil, todos os crimes cibernéticos mais praticados estão relacionados à chamada engenharia social . A técnica usa informações para manipular as pessoas, fazendo-as cair mais facilmente em golpes. Maximiliano destaca como funcionam os quatro principais tipos de crimes digitais aplicados no Brasil:

  • Phishing : considerado um dos crimes cibernéticos mais comuns do mundo, o phishing tem como objetivo fazer a vítima clicar em sites maliciosos . Para isso, os criminosos criam mensagens atrativas (como promoções boas demais) se passando por empresas ou instituições e indicando um link. Quando a pessoa clica, ela pode ou baixar vírus que prejudicam a máquina ou ser direcionada para preencher seus dados, caindo em roubo de informações.
  • Sequestro de dados : outro crime muito comum (e que aconteceu recentemente com o Superior Tribunal de Justiça ) é o sequestro de dados. Nesse caso, os criminosos instalam na máquina da vítima um software que criptografa seus documentos, mantendo eles em posse apenas dos golpistas. Para acessar novamente suas informações, a vítima precisa pagar uma quantia em criptomoedas.
  • Quid pro quo : esse tipo de golpe acontece quando o criminoso oferece algo em troca alguma informação. “Como exemplo temos os crimes relacionados ao Whatsapp no qual o criminoso oferece um cupom de desconto de algum produto ou serviço e em troca solicita a vítima o código de acesso ao whatsapp enviado por SMS, alegando ser o código que valida o cupom de desconto”, exemplifica Maximiliano.
  • Sextorsão : esse tipo de crime também é bastante comum no Brasil e, como o próprio nome já diz, está relacionado com sexo e extorsão. Nesse caso, os criminosos chantageam a vítima ameaçando publicar conteúdos íntimos supostamente dela na internet.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA