SAÚDE

Por falta de sedativos, pacientes com Covid são amarrados em macas, no Amazonas

Publicados

em


source
Pacientes são amarrados em macas por falta de sedativos
Reprodução

Pacientes são amarrados em macas por falta de sedativos

Com falta de sedativos, pacientes graves de Covid-19 do Hospital Regional Dr. Jofre Matos Cohen, em Parintins, no interior do Amazonas, estão sendo amarrados com gazes nas próprias macas. O caso foi divulgado nesta segunda-feira (22) no “Jornal Nacional”, da TV Globo.

A Secretaria de Saúde do estado nega ter recebido qualquer denúncia sobre a situação, mas o caso será investigado pela Defensoria Pública. 

O JN entrevistou a presidente da Associação Brasileira de Medicina Intensiva (AMIB), Suzana Lobo, que explicou que o procedimento não é errado. Lobo disse, ainda, que intubar pacientes sem sedação seria desumano,

“[Sem sedativos] A primeira coisa que pode acontecer é uma autoextubação, ele [paciente] tira o tubo. Isso pode levar a uma parada cardíaca (…)É desumano a gente imaginar uma pessoa que vai ser mantida numa ventilação mecânica sem estar sob analgesia e uma boa sedação. Ela vai sentir desconforto, ela vai sentir ansiedade, ela vai sentir medo… E tudo isso vai levar a consequências muito graves.” 

Leia Também:  Avião com 2 milhões de doses da vacina de Oxford chega ao Brasil

A prefeitura de Parintins  afirmou à reportagem que trata-se de um caso isolado que se deu por conta de um “surto psicótico” em um doente, e que este foi preso “por sua segurança”.

A Secretaria de Saúde de Parintins negou a falta de sedativos, apesar da alta demanda. No entanto, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-AM) confirmou ter recebido no sábado (20) um pedido por sedativos de Parintins, que, segundo órgão, foi cumprido no mesmo dia. 

Parintins é hoje o terceiro município amazonense mais atingido pela covid-19, com 8.269 casos de Covid-19 e 260 mortes.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Recuperado, 1° paciente com Covid-19 no Brasil quer seguir anônimo um ano depois

Publicados

em


source
Recuperado, 1° paciente com Covid-19 no Brasil quer seguir anônimo um ano depois
Reprodução

Recuperado, 1° paciente com Covid-19 no Brasil quer seguir anônimo um ano depois

Há um ano, em pleno feriadão de carnaval, enquanto muitos pulavam pelas ruas, indiferentes ao coronavírus, os funcionários do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, se deparavam com um paciente que demandava atenção extra.

Ele chegou ao pronto-atendimento por volta das 20h do dia 24 de fevereiro, segunda-feira. Tinha tosse, dor de garganta, febre, coriza. Um resfriado normal? Poderia ser, mas seu relato de viagem recente à Itália, onde a Covid-19 já fazia vítimas, acendeu um alerta na equipe de plantonistas.

“Ele tinha voltado da região da Lombardia três dias antes”, lembra Fernando Gatti, infectologista que recebeu naquela noite uma ligação dos colegas do pronto-socorro e, a partir dali, assumiu o caso.

O protocolo vigente no país até então recomendava testar viajantes que tivessem passado por países da Ásia, recorda o médico, mas o Einstein havia combinado critérios mais amplos. Veio então o pedido ao paciente para que fizesse um teste PCR com coleta de material do fundo do nariz e da garganta. Até ali, um exame pouco usual. O homem em questão, um empresário morador de São Paulo então com 61 anos, porém, prontamente concordou.

“Ele foi um paciente bastante colaborativo, porque poderíamos indicar o exame e ele não concordar com a realização. Mas ele entendeu a importância, foi muito simples convencê-lo”, diz Gatti.

Leia Também:  Além da Covid: as máscaras que os moradores de Londres já usaram no passado

Horas depois, por volta da meia-noite, sairia o primeiro resultado, conta Rúbia Santana, coordenadora do laboratório de biologia molecular do Einstein, onde o exame foi feito. Ela, que não estava no plantão (“não achávamos que isso fosse acontecer naquele momento”), tem vívida a lembrança do susto que tomou ao receber, em casa, o aviso do que se passava no hospital.

“Ficamos espantados e quisemos ter certeza de que não tinha ocorrido nenhum problema durante o processo. Repetimos todo o teste para confirmação”, recorda a bióloga. “Naquela época, tudo era muito manual. Não tínhamos as tecnologias que temos hoje para ajudar no teste, então era tudo mais demorado. Imagina a nossa ansiedade querendo confirmar algo assim tão inédito e tendo que esperar aquele tempo todo!”, lembra-se ela, que viu o laboratório, equipado ao longo do último ano com robôs para ajudar nas demandas da pandemia, passar de 3 mil para 80 mil testes por mês.

Você viu?

Sob pressão

Naquela madrugada de terça de carnaval foram executados novos testes e, pela manhã, a certeza: tratava-se do primeiro paciente com Covid-19 no Brasil.

O Einstein comunicou o fato às vigilâncias sanitárias e encaminhou a amostra para o Instituto Adolfo Lutz, ligado ao governo de São Paulo, pois, naquele período, para inaugurar as estatísticas sobre a pandemia, era necessária a validação de um laboratório de referência do estado. Após a checagem, a revelação foi feita à imprensa no dia 26.

Leia Também:  Estado do Rio recebe 196 mil doses da vacina Oxford/AstraZeneca

Uma informação, no entanto, nunca foi dada. O nome do paciente é segredo, a pedido do próprio. Aliviar o estigma de ser o primeiro caso identificado no país, aliás, foi um dos principais pontos de atenção de Gatti no trato com o doente.

“No começo, mantive contato de forma virtual com ele três vezes por dia. Para ele e a família, tive que fazer também um pouco o papel de psicólogo. Sendo o primeiro caso no Brasil, ele se sentia bastante assediado, não se sentia bem com isso”, diz o infectologista. “Sempre disse a ele que poderia ser qualquer outra pessoa, qualquer outro viajante daquela época. Por ser uma pandemia, a gente sabia que chegaria ao país de alguma forma”.

Depois da assistência pelo celular, com o paciente em isolamento em casa, veio a necessidade de internação em leito semi-intensivo, para tratar uma pneumonia bacteriana, complicação comum após a infecção pelo Sars-CoV-2. A privacidade foi mantida, inclusive no transporte até o hospital, feito em ambulância.

A recuperação foi plena, sem sequelas, diz Gatti, que ainda faz contato esporádico com o ex-paciente. Em conversa recente, perguntou se ele gostaria, finalmente, de se manifestar em público:

“Ele prefere se manter no anonimato mesmo”.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA