RONDONÓPOLIS

SAÚDE

Passaporte da vacina será exigido no Rio de Janeiro a partir da próxima semana

Publicados

em


source
Registro da vacinação contra a Covid-19
Eduardo Lopes/ Fotos Públicas

Registro da vacinação contra a Covid-19

As multas aplicadas a quem descumprir o decreto do “passaporte da vacina” começam a ser aplicadas já na semana que vem. A informação é do secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz. Em entrevista ao “Bom Dia Rio”, da TV Globo, nesta quinta-feira, Soranz disse que, nesse primeiro momento, a fiscalização vai atuar apenas orientando os cariocas:

“A gente não pode esperar. O ideal é que os estabelecimentos já se programem para começar a exigir a partir de hoje, mas a gente sabe que vai ter período de adaptação. Então, a fiscalização no início vai ser somente para orientação e agente começa a aplicar a multa a partir na próxima semana.”

O secretário ressaltou que tanto usuários quanto estabelecimentos poderão ser multados:

“A prefeitura não vai conseguir estar em todos os locais. Vamos precisar do apoio de toda a sociedade, do motorista de aplicativo, de táxi, donos de estabelecimentos comerciais e da própria sociedade. A multa poderá ser aplicada no estabelecimento e no próprio usuário.”

Leia Também

A Prefeitura do Rio ampliou a cobrança do passaporte vacinal. A lista de estabelecimentos em que é exigida a comprovação da imunização contra a Covid-19 aumentou e, a partir de agora, será preciso apresentar o certificado para acessar shoppings, ir a áreas internas ou com cobertura de restaurantes e bares, se hospedar em hotéis e utilizar serviços de transporte individual — como táxi e aplicativos (confira a lista completa abaixo). A medida já vale a partir desta quinta-feira.

Leia Também:  AstraZeneca diz que reforço de sua vacina ajuda a combater a Ômicron

“O ideal é que o os aplicativos desenvolvam na plataforma já para solicitação o comprovante. Agora o responsável pela fiscalização é o motorista de táxi ou de aplicativo. Ele pode recusar corrida da pessoa que não tiver o comprovante da vacina” destacou o secretário.

Segundo o decreto, nos casos de restaurantes, bares e lanchonetes a pessoa terá que comprovar a vacinação caso deseje ficar em ambientes internos ou que possuem qualquer cobertura. A regra para a hospedagem também vale para plataformas de locação de imóveis por temporada. A lista de novos estabelecimentos que terão de exigir a comprovação vacinal também engloba salões de beleza e estética.

A exigência da comprovação é para todos os maiores de 12 anos, idade mínima permitida na bula da Pfizer para a imunização. Para quem tem 18 anos ou mais já é obrigatório ter completado o esquema vacinal com as duas doses.

Drop here!
Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Plataforma informa disponibilidade de vacina para criança em São Paulo

Publicados

em


A partir de hoje (16) estão disponíveis para os pais as consultas sobre a disponibilidade de doses pediátricas da vacina contra a covid-19 e também a movimentação das unidades de saúde de São Paulo. Basta acessar a plataforma De Olho na fila. Com isso, é possível verificar as informações antes da ida aos postos de saúde, podendo escolher o horário mais conveniente.  

A vacinação das crianças de 5 a 11 anos de idade com comorbidades ou deficiência permanente (física, sensorial ou intelectual) começou às 8h na cidade de São Paulo. A imunização também estará disponível para crianças indígenas aldeadas da mesma faixa etária. O esquema vacinal para as crianças é de duas doses, com intervalo de oito semanas entre uma e outra.

Para receber a dose as crianças devem estar acompanhadas por um responsável maior de 18 anos e apresentar documento de identificação (preferencialmente CPF – Cadastro de Pessoa Física), carteirinha de vacinação, comprovante de condição de risco para os comórbidos (exames, receitas, relatório ou prescrição médica físicos ou digitais, contendo o número do CRM (Conselho Regional de Medicina) do médico e com até dois anos de emissão e comprovante da deficiência para os deficientes permanentes (laudo médico, cartão de gratuidade no transporte público, documentos comprobatórios de atendimento em centros de reabilitação ou unidades especializadas ou documento oficial de identidade com a indicação da deficiência).

Leia Também:  Um ano após iniciar vacinação, Brasil amplia meta de cobertura

Imunização

A capital paulista recebeu na sexta-feira (14), 64.090 doses de vacinas destinadas à imunização de crianças. Elas foram distribuídas para as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs/UBSs Integradas), encarregadas da aplicação dos imunizantes.

Para consultar a lista de endereços das UBSs basta acessar o site.

Entram na lista de comorbidades insuficiência cardíaca; cor-pulmonante e hipertensão pulmonar; cardiopatia hipertensiva; síndrome coronariana; valvopatias; miocardiopatias e pericardiopatias; doença da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosa; arritmias cardíacas; cardiopatias congênitas; próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados; talassemia; síndrome de Down; autismo; diabetes mellitus; pneumopatias crônicas graves; hipertensão arterial; doença cerebrovascular; doença renal crônica; imunossuprimidos (incluindo pacientes oncológicos); anemia falciforme; obesidade mórbida; cirrose hepática e HIV.

Já as deficiências permanentes físicas são a limitação motora que cause grande dificuldade ou incapacidade para andar ou subir escadas; as sensoriais que incluem indivíduos com grande dificuldade ou incapacidade de ouvir mesmo com uso de aparelho auditivo; as visuais que abrangem indivíduos com baixa visão ou cegueira; e a intelectual considera indivíduos com alguma deficiência intelectual permanente que limite as suas atividades habituais.

Leia Também:  Média móvel de casos de Covid-19 tem alta de 743%

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA