SAÚDE

Fundação do Câncer lança campanha nacional #VacinarSalvaVidas

Publicados

em


A Fundação do Câncer lançou hoje (3) a campanha nacional #VacinarSalvaVidas, com o objetivo de conscientizar e mobilizar os pais sobre a importância da vacinação de crianças e jovens de 9 anos a 14 anos de idade contra o HPV, para prevenir o câncer de colo de útero na fase adulta. A vacina é gratuita no Sistema Único de Saúde (SUS). O esquema vacinal é de três doses, com intervalos de dois a seis meses.

O médico Luiz Augusto Maltoni, diretor executivo da Fundação do Câncer, destacou em entrevista à Agência Brasil que a vacina contra o HPV é preconizada para meninas entre 9 e 14 anos de idade e meninos entre 11 e 14 anos de idade. “Exatamente na idade pré-início da atividade sexual, porque é onde a gente vai ter oportunidade de fazer com que eles desenvolvam imunidade contra o vírus do HPV e, em especial, os subtipos que mais causam o câncer, que são o 16 e o 18. A vacina é eficaz na proteção. Portanto, a gente vai estar protegendo essas crianças, quando adultas, em especial as meninas, de desenvolverem o câncer de colo de útero”. 

Maltoni disse que esse tipo de câncer, no Brasil, é o terceiro principal câncer na mulher, depois do de mama e colorretal. Está excluído aí o câncer de pele, que é o primeiro para homens e mulheres, mas que tem tratamento simples na maioria dos casos.

Infecções

Existem, pelo menos, 13 tipos de HPV que apresentam maior risco ou possibilidade de gerar infecções persistentes, estando associados a lesões precursoras de câncer. Os subtipos do vírus HPV de alto risco oncogênico, o 16 e o 18, estão presentes em 70% dos casos de câncer do colo do útero, informou a Fundação do Câncer. 

Leia Também:  Asilo confirma 24 casos de Covid; idosos foram vacinados e passam bem

O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) estima para este ano o surgimento de 16.590 novos casos de câncer de colo de útero no Brasil. Somente no estado do Rio de Janeiro, são estimados 1.640 novos casos de câncer de colo de útero pelo Ministério da Saúde. 

O médico oncologista Luiz Augusto Maltoni disse que esse tipo de câncer tem grande potencial de causar metástases e pode ser evitado. “Se diagnosticado precocemente, é curável”.

Maltoni disse que há muita gente com câncer de colo de útero na população brasileira, uma doença que se conhece qual é o agente causal e tem possibilidade de ser exterminada. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou o desafio global, no final do ano passado, de retirar da agenda de doença prevalente o câncer de colo de útero. “Existe tratamento, existe como prevenir, então já é hora de a gente atacar isso e ter resolvida essa questão do câncer de colo de útero para a população do Brasil e do mundo”, reforçou Maltoni.

Parceria

A campanha renova a parceria da Fundação com a Ecoponte, concessionária que administra a Ponte Rio-Niterói. Foram instalados painéis nos dois sentidos da ponte para chamar a atenção para a vacinação, informando sobre a faixa etária da população que pode se imunizar na rede pública. 

A campanha em parceria com a Ecoponte ficará no ar nas redes sociais da Fundação do Câncer e em destaque na Ponte Rio-Niterói até julho próximo. A Fundação, entretanto, pretende reforçar a questão do controle do câncer de útero ao longo de todo este ano, alinhada com a OMS, “para que a gente possa ter todas a crianças naquela faixa etária vacinadas no nosso país e as mulheres façam seus exames preventivos e ginecológicos”.

Leia Também:  Terceiro vídeo da campanha morango com selo Brasil Certificado foca na sustentabilidade e na produção consciente

Covid-19

O diretor executivo da Fundação do Câncer alertou também que a pandemia da covid-19 afastou muitas mulheres dos consultórios médicos, o que pode representar um risco para a saúde feminina. As mulheres não devem deixar de fazer seus exames preventivos, porque são importantes para prevenção do câncer ginecológico, indicou. “A gente não pode deixar de lembrar que essas doenças continuam acontecendo e é fundamental que, com todo cuidado necessário, como usar máscara, lavar as mãos, distanciamento, as mulheres não deixem de fazer os seus exames de rotina, seus exames preventivos”.

Maltoni reiterou a necessidade de se evitar uma doença que, de acordo com o mais recente levantamento do Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, causou 6.596 mortes em 2019. “Nosso foco é esclarecer a população e acabar com preconceitos em relação a questões que envolvem exames, como o preventivo e o uso da camisinha, que ajudam a conter o avanço do câncer de colo de útero, que ainda é muito frequente em nosso país e, infelizmente, causador de muitas mortes”, concluiu Maltoni.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Queiroga diz que ministério estuda campanha de testagem contra covid

Publicados

em


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou neste domingo (16) que está em estudo na pasta uma ampla campanha de testagem da população brasileira para o novo coronavírus, causador da covid-19. A declaração foi dada em Botucatu, no interior paulista. O município começou a vacinar hoje toda a população entre 18 e 60 anos contra a covid-19, em uma iniciativa que faz parte de estudo inédito sobre a eficácia do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, em parceria com a AstraZeneca e a Funadação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

Sobre a interrupção na produção de vacinas contra o coronavírus pelo Instituto Butantan pela falta do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), Queiroga ressaltou que a carência da matéria-prima é mundial. “É importante passar uma mensagem positiva para a sociedade brasileira, e não essa cantilena de que está faltando [IFA]. O Brasil precisa de tranquilidade para superarmos juntos essa dificuldade sanitária”, disse.

Ainda sobre a dificuldade na aquisição de vacinas, o ministro lembrou que o Brasil faz parte do acordo Covax Facility, que alocou US$ 150 milhões para garantir a cobertura vacinal de 10% da sua população. “A prova dessa dificuldade de doses é que mesmo a OMS [Organização Mundial da Saúde] tem dificuldade de entregar as doses que se comprometeu conosco e nem por isso nós ficamos criticando a OMS.”

Leia Também:  Senado vai analisar projeto que cria Dia Nacional da Criança Traqueostomizada

Queiroga acrescentou que o Brasil tem um trabalho diuturno para ter mais vacinas. Ele disse que, nesse sentido, o país é o quinto que mais distribui doses. “O Brasil está indo bem na campanha de vacinação. Poderia ir melhor? Claro que sim, se tivéssemos mais doses”, ressaltou.

Marcelo Queiroga destacou ainda que a curva epidemiológica brasileira em relação não só a óbitos como internações hospitalares vem tendo queda e, por isso, incentivou outras medidas. “Nós precisamos, além da vacinação, de incentivar as medidas não farmacológicas, como uso de máscaras e distanciamento social.”

O ministro destacou que o momento é de união e citou ações do governo como o pagamento do auxílio emergencial. “Vamos construir juntos um cenário que permita resgatar a saúde pública e devolver as condições econômicas no nosso país”, afirmou.

Pesquisa

O município de Botucatu tem cerca de 150 mil habitantes, dos quais 106 mil são maiores de 18 anos. Pelo projeto de vacinação em massa, todos esses receberão imunização contra a covid-19, e os casos positivos na regiã, serão sequenciados. A expectativa é saber a efetividade da vacina produzida pela Fiocruz contra todas as cepas que circulam na cidade.

Leia Também:  Projeto cria cadastro nacional para caminhoneiros e prevê benefícios

Além da efetividade contra as variantes, o estudo servirá para comparar o quão eficiente foi a vacinação em massa em relação aos demais municípios da região. Botucatu abriga uma unidade do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) e, por isso, tornou-se um polo de referência na região.

O estudo terá duração estimada de oito meses. O período incluiu a aplicação das duas doses – com intervalo de 90 dias – e o acompanhamento da população imunizada.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA