SAÚDE

Erro de dosagem pode acelerar aprovação da vacina de Oxford

Publicados

em


source
Erro de dosagem se transforma em golpe de sorte para vacina de Oxford
Foto: Divulgação

Erro de dosagem se transforma em golpe de sorte para vacina de Oxford

Um erro de dosagem pode acelerar a aprovação da vacina de Oxford, como é conhecido o imunizante contra a covid-19 desenvolvido pelo laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, da Inglaterra.

Nesta segunda-feira (23), a AstraZeneca afirmou que o imunizante pode ter 90% de eficácia se administrada em meia dose seguida por dose completa um mês depois.

“A razão de termos tido uma meia dose foi o acaso”, disse Mene Pangalos, chefe de pesquisa, à Reuters. Um grupo maior que havia recebido duas doses completas, tal como planejado, demonstrou um índice de eficácia de 62%, o que levou a uma eficácia geral de 70% nos dois padrões de dosagem.

Leia Também:  Ministério da Saúde conclui distribuição do 1º lote da CoronaVac

De acordo com a reportagem da Reuters, na época em que a farmacêutica estava iniciando sua parceria com Oxford, no final de abril, pesquisadores universitários estavam administrando doses a participantes de testes no Reino Unido.

Logo eles perceberam que efeitos colaterais esperados, como fadiga, dores de cabeça ou nos braços, estavam mais brandos do que o esperado, disse ele. “Então voltamos e verificamos. E descobrimos que eles haviam administrado a dose da vacina pela metade”, explicou Pangalos.

O pesquisador acrescentou que a empresa decidiu continuar com a meia dose e administrar a vacina de reforço de uma dose total no momento programado, resultando na eficácia maior, de cerca de 90%, o que pode ajudar o imunizante a ter o seu uso aprovado em vários países do mundo, incluindo o Brasil.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Fiocruz admite possível atraso na produção da vacina

Publicados

em


A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) admitiu que poderá haver atraso na produção da vacina contra a covid-19 causado pela falta do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA). Em nota divulgada nesta terça-feira (19), a Fiocruz explicou que ainda aguarda a confirmação do insumo-base para a fabricação das vacinas.

“Embora ainda dentro do prazo contratual em janeiro, a não confirmação até a presente data de envio do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) poderá ter impacto sobre o cronograma de produção inicialmente previsto de liberação dos primeiros lotes entre 8 e 12 de fevereiro”, informou a Fiocruz.

Segundo a fundação, o cronograma de produção será detalhado assim que a data de chegada do insumo estiver confirmada. “Ainda que sejam necessários ajustes no início do cronograma de produção inicialmente pactuado, a Fiocruz segue com o compromisso de entregar 50 milhões de doses até abril deste ano, 100,4 milhões até julho e mais 110 milhões ao longo do segundo semestre, totalizando 210,4 milhões de vacinas em 2021”, diz a nota.

A Fiocruz produz a vacina em conjunto com a AstraZeneca.

Leia Também:  Fiocruz admite possível atraso na produção da vacina

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA