SAÚDE

Covid-19: média de mortes atinge menor nível desde fevereiro no Brasil

Publicados

em


source
Covid-19: média de mortes atinge menor nível desde fevereiro no Brasil
Edmar Barros/Reprodução

Covid-19: média de mortes atinge menor nível desde fevereiro no Brasil

O número de mortes diárias por Covid-19 no país, segundo a média móvel de sete dias, divulgada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, chegou ontem (20) a 1.192. Esse é o menor patamar desde 27 de fevereiro, quando houve uma média de 1.178 óbitos.

De acordo com os dados da Fiocruz, as mortes também registraram quedas de 23,5% em relação a duas semanas antes e de 42,2% na comparação com um mês atrás.

A média de ontem está abaixo da metade do pico da pandemia anotado em 12 de abril deste ano, quando os óbitos diários atingiram 3.124. Apesar disso, ainda se encontra acima do número mais alto observado em 2020 (1.097 em 25 de julho daquele ano).

Casos

O número de casos, também segundo a média móvel de sete dias, chegou a 38.206 ontem, o menor nível desde 6 de janeiro (36.376).

Foram observados recuos de 21,7% em relação a 14 dias antes e 48,1% na comparação com um mês atrás.

A média móvel de sete dias é calculada pela Fiocruz através da soma dos registros do dia em questão com os seis dias anteriores e da divisão do resultado por sete.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Saúde avalia assinar contrato com empresa investigada pela CPI da Covid

Publicados

em


source
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, pondera sobre assinatura de novo contrato com empresa investigada pela CPI
Divulgação/Ministério da Saúde

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, pondera sobre assinatura de novo contrato com empresa investigada pela CPI

O Ministério da Saúde avalia realizar uma compra de preservativos femininos, no valor de R$ 15,7 milhões, com uma empresa investigada pela CPI da Covid. Trata-se da Precisa Medicamentos, suspeita de praticar irregularidades nas negociações envolvendo a vacina indiana Covaxin, um imunizante contra o novo coronavírus. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Caso a pasta federal opte por realizar a compra, será a segunda etapa de um acordo entre as partes. Isso porque, em 2020, o Ministério já havia realizado a compra de 10 milhões de preservativos.

Com atraso, a entrega foi realizada pela empresa. A Saúde informou que a demora não comprometeu o abastecimento entregue ao SUS.

Esta nova compra encontrava-se encaminhada, mas parou de tramitar em decorrência das investigações da comissão parlamentar de inquérito sobre supostas irregularidades da empresa.


Mesmo com o parecer favorável do setor técnico do Ministério, a cupula do governo Jair Bolsonaro avalia se ‘vale a pena’ o desgaste de firmar um novo contrato com uma empresa investigada e sob os holofotes dos senadores.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA