SAÚDE

Covid-19: 105 mil idosos ainda não tomaram dose de reforço da vacina

Publicados

em


source
Covid-19: 105 mil idosos não tomaram dose de reforço da vacina
Governo do Estado de São Paulo

Covid-19: 105 mil idosos não tomaram dose de reforço da vacina

Ao menos 105 mil idosos a partir de 75 anos que completaram o  esquema vacinal contra a covid-19 ainda não retornaram aos postos de saúde para receber a dose de reforço, que começou a ser aplicada no dia 13 de setembro. De acordo com o painel da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), na faixa etária a partir de 80 anos, um total de 8.941 não se vacinaram e 9.622 tomaram apenas a primeira dose.

O esquema completo com as duas doses foi aplicada em 55.394 pessoas e 146.309 já tomaram a dose de reforço. Entre as pessoas de 75 a 79 anos, a estimativa é que 100% do público-alvo tenha tomado ao menos a primeira dose, sendo que 13.725 tomaram apenas a primeira dose, 49.954 tomaram as duas doses regulares e 96.414 já tomaram a dose de reforço.

Na faixa de 70 a 74 anos, a estimativa é que 8.721 pessoas não se vacinaram contra a covid-19, 4.971 receberam apenas a primeira dose, 117.125 estão com as duas doses do imunizante e 99.340 já tomaram a dose de reforço.Pelo escalonamento por idade, podem voltar hoje (13) aos postos para receber a dose de reforço as pessoas com 70 anos ou mais.

Leia Também:  Covid-19: vacina será obrigatória na Alemanha e restrições crescem

Até sábado (16), a SMS conclui o reforço nos idosos de 67 anos.Os trabalhadores da saúde que tomaram a segunda dose em fevereiro também podem se vacinar a partir de hoje, assim como as pessoas com alto grau de imunossupressão que tomaram a segunda dose na cidade do Rio de Janeiro até 31 de março.

O painel da SMS indica que 85,8% da população total do município receberam pelo menos a primeira dose da vacina contra a covid-19 e 58,5% estão com o esquema completo. Dentro do público-alvo, a partir dos 12 anos, 99,2% receberam a primeira dose e 68,3% já tomaram as duas doses ou a dose única.

Hoje, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) entrega 308.880 doses da vacina da Pfizer aos 92 municípios do estado, destinadas à segunda aplicação do esquema vacinal.

Leia Também:  Rio: Hospitais podem ter filas de até 3 horas para atender casos leves de gripe
Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Vacinas não protegem totalmente contra ômicron, mas infecção tende a ser leve

Publicados

em


source
Ômicron escapa às vacinas e não causa casos graves, diz análise
Reprodução: iG Minas Gerais

Ômicron escapa às vacinas e não causa casos graves, diz análise

Começam a surgir os primeiros dados sobre pessoas infectadas com a  variante Ômicron. Apesar de ainda serem preliminares, com número pequeno de casos, podem indicar uma tendência: há infecção por Covid mesmo para quem está vacinado, mas os casos tendem a ser leves.

Os dados vêm da província de Gauteng, epicentro da Ômicron na África do Sul, e do Reino Unido. A Agência de Segurança e Saúde britânica informou que, de um grupo de 22 casos, apenas seis não estavam vacinados e dois tinham status vacinal desconhecido. No Brasil, já se sabe que os três primeiros casos também eram pessoas com esquema vacinal completo. Nos EUA, há um caso positivo em pessoa vacinada com três doses.

De acordo com o geneticista Salmo Raskin, diretor do Laboratório Genetika, de Curitiba, já estava claro que a variante tem escape à infecção natural, ou seja, quem foi infectado previamente por outra variante da Covid não está protegido contra essa. Mas agora surgem informações sobre o status de vacinação dos pacientes.

Leia Também:  Ministério confirma cinco casos da variante Ômicron no Brasil

“Sabendo da limitação dos dados, tanto os que vêm da África do Sul quanto os da Inglaterra apontam para o mesmo lugar: também existe um escape para quem está vacinado. Aparentemente, agora que já passaram três semanas desde a detecção da Ômicron, o número de casos graves é pequeno e não houve mortes confirmadas. Então, dados preliminares sugerem que as pessoas vacinadas não vão ter uma doença grave. As coisas que vão se montando”, afirma Raskin.

Leia Também

Leia Também


Segundo o geneticista, em cerca de uma semana o cenário deve ficar mais claro:

“Devemos saber em uma semana porque vão sair os resultados de estudos laboratoriais: soros de convalescentes, anticorpos monoclonais com a Ômicron, vacinas contra a variante. As culturas virais demoram para ficar prontas e ser analisadas. Além disso, vamos ver a evolução dos casos, que geralmente se definem depois de entre 7 e 10 dias.”

Leia Também:  Variante Ômicron: Não entre em pânico com a nova variante, diz OMS
Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA