POLÍTICA NACIONAL

Wellington Fagundes apresenta relatório parcial da comissão da covid-19

Publicados

em


O senador Wellington Fagundes (PL-MT) apresentou nesta segunda-feira (3) o relatório parcial da comissão temporária do Senado que acompanha as questões relacionadas à pandemia (CTCOVID19). No documento, o parlamentar faz um resumo das 15 audiências públicas promovidas pelo colegiado e destaca os principais assuntos debatidos desde a instalação dos trabalhos, em março deste ano.

Um dos temas mais explorados, segundo o relator, foi a vacinação — desde os acordos para compra de vacinas até o ritmo de imunização da população. A comissão discutiu ainda a possibilidade de compra de vacinas pela iniciativa privada e as dificuldades dos estados no enfrentamento da pandemia.

Outro assunto destacado por Wellington Fagundes no relatório parcial são as medidas de restrição adotadas por estados e municípios para promover o distanciamento social. No documento, o relator resgata ainda os debates sobre problemas no abastecimento de oxigênio medicinal e medicamentos para intubação, além da necessidade de ampliação de leitos para pacientes com formas graves da covid-19.

A CTCOVID19 também ouviu especialistas sobre as medidas econômicas adotadas para a proteção do emprego e da subsistência da população. O relator sublinhou também temas como as ações de comunicação do governo federal no combate à pandemia, o licenciamento compulsório de vacinas e medicamentos e a transferência de tecnologia para a produção de imunizantes no Brasil, entre outros.

Leia Também:  Senado vai analisar projeto com novas regras para o licenciamento ambiental

A comissão deve encerrar os trabalhos até o dia 30 de junho. Até lá, o senador Wellington Fagundes deve divulgar uma versão do relatório com “conclusões definitivas” sobre o assunto. “Ainda não é possível apresentar conclusões definitivas sobre os temas levantados, mesmo porque a pandemia continua e nada sugere que se encerrará no curto prazo. Ao contrário, o número de casos e mortes, bem como o ritmo da imunização da população brasileira, apontam em sentido contrário. Por isso, é necessário continuar acompanhando o desdobramento dos acontecimentos e monitorar as ações governamentais de combate à covid-19”, destaca no relatório.

O relator pontua que, mesmo antes da conclusão dos trabalhos, a CTCOVID19 tem apresentado resultados concretos. “A comissão e seus membros têm tomado ações urgentes durante o curso dos trabalhos, a exemplo da apresentação do projeto de lei (PL) 1.343/2021, para facilitar a adaptação de plantas industriais de saúde animal para a produção de vacinas, que já foi aprovado pelo Plenário do Senado e aguarda a revisão da Câmara dos Deputados”, destacou Wellington Fagundes. 

Leia Também:  Morre o prefeito de São Paulo, Bruno Covas

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Morre o prefeito de São Paulo, Bruno Covas

Publicados

em


O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, morreu às 8h20 deste domingo (16), em decorrência do câncer da transição esôfago-gástrica e complicações do tratamento. O velório será fechado, com a presença apenas para a família, mas haverá também uma cerimônia na prefeitura.

Licenciado do cargo no início deste mês, Bruno Covas estava em tratamento no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista.

Filho de Pedro Lopes e Renata Covas Lopes e pai do jovem Tomás Covas, Bruno nasceu em Santos, no litoral paulista, no dia 7 de abril de 1980, e foi advogado, economista e político brasileiro.

Mudou-se para a capital paulista em 1995 e, dois anos depois, filiou-se ao PSDB, seguindo os passos do avô, o ex-governador Mário Covas (1930-2001), sua grande inspiração e influência política . No partido, chegou a ser presidente estadual e nacional da Juventude do PSDB e ocupou cargos na Executiva Estadual.

Sua carreira na política começou em 2004, quando se candidatou a vice-prefeito de sua cidade natal. Dois anos depois, foi eleito deputado estadual na Assembleia Legislativa de São Paulo e reeleito para o mesmo cargo e m 2010, com mais de 239 mil votos, sendo o mais votado d aquele ano.

Leia Também:  Mobilização mundial por uso de bicicleta para ir ao trabalho ocorre nesta sexta

No ano seguinte, assumiu a Secretaria Estadual do Meio Ambiente no governo de Geraldo Alckmin, permanecendo no cargo até 2014, quando foi eleito deputado federal para o mandato 2015-2019.

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA