RONDONÓPOLIS

POLÍTICA NACIONAL

Senadores e juristas criticam “ativismo” do STF em debate da CTFC

Publicados

em

Em audiência pública semipresencial realizada nesta terça-feira (5), senadores e juristas criticaram o “ativismo” do Supremo Tribunal Federal (STF), por entender que a prática extrapola as atribuições constitucionais do Judiciário e interfere no princípio da separação dos poderes. O debate foi promovido pela Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC).

Presidente da CTFC, o senador Reguffe disse que considera o debate sobre ativismo judicial tema extremamente pertinente no Brasil de hoje.

— Cabe ao Judiciário também ser investigado, fiscalizado por parte dessa Comissão. Essa Comissão serve ao pais, serve ao Brasil e não pode se eximir da fiscalização e debate de quaisquer que sejam os temas da sociedade brasileira, inclusive no que diz respeito ao poder Judiciário — afirmou.

Reguffe leu ainda carta do jurista Francisco Rezek, em resposta ao convite da Comissão para participar do debate. Na carta, o ex-ministro do STF reconhece a importância da discussão sobre o ativismo judicial, mas declina do convite por entender que a participação de integrantes atuais ou ex-integrantes da Suprema Corte “não seria conveniente do ponto de vista da amplitude do debate e do alcance de suas conclusões”.

Proponente do debate, o senador Eduardo Girão destacou que o Senado, como instituição centenária, pela primeira vez oportunizou esse tipo de debate a ministros do Judiciário e juristas, em meio aos “desafios vividos pelo país”.

— É uma grita geral, as pessoas estão incomodadas, seja de direita ou de esquerda, transcende se é a favor do governo, contra o governo, estão incomodadas com arbitrariedades vindas da Suprema Corte. O STF é um pilar da nossa democracia, mas ultimamente alguns dos seus membros têm perdido a mão, abusos sucessivos que têm colocado a democracia em risco. Não é justo que se prive o governo federal de tomar decisões, e o que vemos aí é tentativa de jogar contra o pais — afirmou.

“Neoconstitucionalismo”

Advogado e jurista, Ives Gandra Martins ressaltou que a Constituição de 1988 procurou fazer o equilíbrio e harmonia dos Poderes, tendo em vista que o pais vinha de um regime de exceção em que o Poder Executivo era o superpoder, o decreto-lei governava, sem que o Congresso pudesse contestar ou se tivesse que não aprovar, teria que não aprovar por inteiro, visto que não podia apresentar emendas.

— Todo poder emanaria do povo. Dentro dessa linha tivemos exaustivamente colocadas todas as competências e atribuições dos três Poderes. Por fim, o Poder Judiciário não representa o povo, representa a lei, que não faz, e esta lei é sempre feita ou pelo Legislativo ou excepcionalmente pelo Executivo, cabendo sempre a revisão final por ato do Legislativo. Essa foi a intenção dos constituintes. Não poderia haver predominância de um Poder sobre o outro. Cada Poder teria que responder rigorosamente pelas suas competências e atribuições exaustivamente colocadas pelos constituintes. O que nós estamos vendo é uma corrente jurídica que não foi encampada pela Constituinte, que não foi encampada na Constituição, chamada de consequencialismo jurídico, neoconstitucionalismo ou jurisprudência constitucional — afirmou.

Leia Também:  Longa distância

“Atuação flexibilizada”

Advogado e ex-desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ivan Sartori destacou que “o Judiciário está a serviço do povo, o povo está acima dos Poderes e a vontade do povo é que deve prevalecer”.

— A lei pode admitir, sim, diversas interpretações, mas desde que esteja, cada interpretação dessa, de acordo com a lei. Houve avanço nessa flexibilização e o ativismo comedido ganhou força… Entretanto, o que estamos vendo agora no país, com todo o respeito que nos mereçam os ministros do Supremo, estamos vendo que o Judiciário se transformou no único poder da República que realmente tem voz e que realmente comanda o nosso povo brasileiro… Nós estamos vendo inclusive restringido e cassado o nosso direito, é uma garantia prevista na Constituição, as liberdades individuais, que inclusive são cláusulas pétreas, não podem ser modificadas por emenda constitucional, a não ser que advenha uma nova Assembleia Nacional Constituinte. Nem nas situações mais extremas e anômalas a Constituição permite que esses direitos sejam postergados, o que vemos aí é uma situação bastante difícil para o povo brasileiro, uma verdadeira ditadura. Agora por exemplo, não se pode falar das urnas, do voto auditável, uma discussão que o próprio Supremo, o próprio TSE [Tribunal Superior Eleitoral] deveria ter promovido ao povo brasileiro amplamente. Isso virou tabu para os dirigentes do TSE, isso não pode ser mais discutido — afirmou.

Impressão do voto

Advogado e escritor, Djalma Pinto disse que não existiria voto eletrônico na República sem que houvesse a permissão para impressão do voto, consagrado desde 95, conforme exigido pelo legislador. Ressaltou ainda que a Lei Geral das Eleições, criada em 1995, não revogou a exigência da impressão do voto, mas tipificou como crime, com pena de reclusão de cinco a dez anos, a tentativa de alterar a apuração ou a contagem das eleições.  Ele destacou ainda que, após sucessivas alterações na legislação, o próprio STF já reconheceu que a impressão do voto não é fonte de retrocesso e decorre de escolha de representantes eleitos. E também defendeu o cancelamento da Súmula 72 do STF, a qual permite que o ministro que votou no tribunal eleitoral, quando da apreciação do recurso no Supremo, possa votar em relação ao tema que ele apreciou na instância anterior”.

“Humor oscilante”

Desembargador do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, Fernando Carioni também apontou as “interferências do Judiciário, imiscuindo-se  em searas alheias”

Leia Também:  Aprovado projeto que facilita acesso a métodos contraceptivos; texto vai a sanção

— Preocupa-me, sim, o rumo das relações institucionais de poder onde a base e as instâncias inferiores não passam de instrumentos, a visão sistêmica e retórica, a Constituição sendo interpretada com humor oscilante e a sociedade, mandatária de todo o poder, é, como sempre, a vítima e principal e principal prejudicada. Pode parecer exagerado, o que pessoalmente não acho, acho trágico, não exagerado, mas temos hoje um estado judicial forte com Legislativo e Executivo acuados e a sociedade rendida — afirmou.

“Ativismo do Brasil”

Advogado e jurista, Wildemar Felix Assunção e Silva ressaltou que o ativismo judicial que se manifesta no Brasil não corresponde à essência desse próprio instituto jurídico.

— Infelizmente quando falamos em ativismo judicial, o modelo do qual nós assistimos na república federativa do Brasil é totalmente contrário a sua essência.

O ativismo judicial quando foi criado nos Estados Unidos e na Inglaterra, tinha o objetivo de interpretar diante de uma lacuna prevista em um caso concreto. O poder emana do povo e os legitimados para fazer as leis estão aqui, no Congresso Nacional. Portanto, não compete a nenhum juiz o dever de legislar… Eu não chamo nem ativismo judicial porque seria uma ofensa ao instituto. Eu chamo o ativismo do Brasil, porque nós não podemos simplesmente comparar a realidade que vivemos em nosso pais com a essência desse instituto maravilhoso— afirmou.

“Excessos e transbordamentos”

O senador Esperidião Amin (PP-SC) argumentou que “magistrados só chegaram a seus postos não porque foram eleitos pelo povo, mas porque senadores respaldaram a sua indicação e que, nesse momento, preferem dar entrevistas fora do país, que faltam a verdade em seu conteúdo, mas se recusam a prestar contas ao Senado, a indagações respeitosas”.

— “Eu duvido que algum país civilizado considere essa inquisição como parte do Estado democrático de direito. Quero aprender para, quem sabe, aceitar. Esta reunião vai iluminar nosso caminho futuro. Será uma lanterna na proa para indicar um caminho que nos restitua uma coisa para todos os poderes: autocontenção — acrescentou.

O senador Lasier Martins (Podemos-RS) ressaltou que “os excessos e transbordamentos dos ministros do STF fazem crescer a inquietação e suscitam preocupação com os rumos da sociedade brasileira, refém de um poder que exorbita de suas atribuições”.

O senador Styvenson Valentim (Podemos-RN), por sua vez, questionou a existência efetiva de harmonia entre os poderes. “Se existe realmente a harmonia entre os Poderes, parecer que o termo é ficção, está na Constituição e não é exercida”.

— A gente cria leis de acordo com a vontade do povo e logo ela é afastada pelo STF, por casuísmo, com observância ou sem observância da Constituição— afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Brasília: defesa de hacker da Lava-Jato relata ameças após reunião

Publicados

em

Walter Delgatti e Carla Zambelli
Reprodução: Twitter – 14/08/2022

Walter Delgatti e Carla Zambelli

Após acompanhar o hacker Walter Delgatti, conhecido como “Vermelho”, em reuniões em Brasília na semana passada, o advogado Ariovaldo Moreira registrou um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil de São Paulo alegando estar recebendo ameaças de morte.

Ariovaldo e Delgatti viajaram a convite da deputada bolsonarisa Carla Zambelli (PL-SP) , no domingo passado. Na capital federal, participaram de reuniões com integrantes da campanha do presidente Jair Bolsonaro e com o chefe do PL, Valdemar Costa Neto. Delgatti também esteve no Palácio da Alvorada para uma agenda com Jair Bolsonaro.

O plano de Zambelli, segundo ela relatou a interlocutores, era de que o hacker que ficou famoso por revelar mensagens de integrantes da Operação Lava-Jato integrasse uma equipe de consultores contratados para fiscalizar as urnas eletrônica.

A deputada, porém, se desentendeu com o advogado, a quem acusa de ter cobrado uma compensação financeira — o que o advogado nega.

O Boletim de Ocorrência relatando as ameaças foi registrado às 22h14 deste sábado, na delegacia da Polícia Civil de Araraquara, cidade onde o advogado mora. No documento, obtido pelo GLOBO, o advogado diz que, após abdicar da defesa de Delgatti, e retornar a Araraquara, “recebeu ameaças de morte envolvendo seus familiares”.

O advogado informou ao delegado de plantão que as ameaças aconteceram “após retorno de reunião com autoridades relacionadas ao governo federal em Brasília”.

As ameaças chegaram via mensagens de texto e também por meio de áudios. O destinatário se identificava, no perfil, apenas pelo nome de “morte”. Ao GLOBO, Ariovaldo disse estar assustado.

“Eu nunca fui ameaçado na minha vida. Disseram que vão matar todo mundo”, relatou o advogado, que defendeu Delgatti em outros casos, antes mesmo da Operação Spoofing vir à tona.

Leia Também:  Senadores declaram apoio a movimentos pela democracia

Procurada para comentar o caso, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo ainda não se manifestou.

Ida a Brasília Preso em 2019 na Operação Spoofing, Delgatti foi o responsável por invadir o Telegram e copiar diálogos de integrantes da Operação Lava-Jato. Conforme O GLOBO mostrou, o plano de Zambelli era que ele fosse contratado como um especialista em ataques cibernéticos pelo Instituto Voto Legal, indicado pelo PL ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para auditar as eleições em outubro — a instituição ainda aguarda o credenciamento da Corte.

Segundo ela detalhou a pessoas próximas, o principal argumento para contratá-lo era que ninguém dos partidos de esquerda iria querer contestar o trabalho do hacker que revelou a chamada “Vaza Jato”— os dados vazados contribuíram para mudar o entendimento sobre as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o que fez com que o petista retomasse os direitos políticos e pudesse concorrer neste ano.

Duas pessoas do PL confirmaram a história, antecipada na quarta-feira pelo site G1. A parlamentar não quis falar sobre o assunto, mas revelou que pagou a hospedagem de Delgatti e do advogado Ariovaldo Moreira, no hotel Phenícia, em Brasília, cujas diárias custam em torno de R$ 200. Moreira defendeu Delgatti na ação da Spoofing.

Delgatti foi à reunião com Valdemar na última terça-feira para falar justamente sobre esse trabalho que ele poderia exercer como “fiscalizador das eleições”. Já a audiência com Bolsonaro tratou de outro assunto, que é mantido em segredo.

Questionada sobre o teor dessa reunião no Alvorada, a deputada confirmou que ali foram tratadas “informações valiosas” às quais ela se recusou a revelar.

Leia Também:  Deputado David Miranda está internado em estado grave

“Isso eu não posso falar”, disse ela.

Na versão de Zambelli, Moreira pediu uma compensação financeira para que as tratativas continuassem, mas ela recusou. O advogado, por sua vez, nega qualquer pedido de dinheiro.

“Ele virou para perguntar para mim quanto valia a democracia. Eu falei a ele que a democracia não tinha preço. E ele: “mas eu queria ouvir um valor”, relatou a deputada ao GLOBO.

Ela ainda afirmou que o advogado ficou “nervosinho” com a recusa, decidiu ir embora e tentou levar o hacker com ele.

“E o Walter (Delgatti) falou: “não, eu vou ficar”. E aí ele vazou (o encontro) para a imprensa, porque ele ficou nervosinho e queria dinheiro”, completou.

Ao GLOBO, o advogado Ariovaldo Moreira negou que tivesse pedido dinheiro à deputada e a acusou de estar mentindo.

“Em momento algum foi pedido dinheiro. Pelo contrário, ela pediu que ele (Delgatti) fizesse coisas que eu achei que ele não devia fazer”.

O advogado, porém, não explicou qual foi o pedido de Zambelli.

“Eu não vou falar o que ela pedia. O que ela queria eu não ia fazer, só isso. Não pedi dinheiro em momento algum. Ela pode fazer a acusação que ela quiser. Agora, se eu queria dinheiro e o Walter ficou lá? Não é estranho isso?”, questionou ele.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA