POLÍTICA NACIONAL

Senado adotará medidas contra ameaça de filho de Bolsonaro à CPI, diz Omar Aziz

Publicados

em


O ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, negou omissão nas investigações de irregularidades envolvendo o governo federal. Segundo ele, a CGU dependeu de autorização judicial para investigar a atuação do lobista Marconny Faria na venda de testes e vacinas. O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), anunciou que o Senado adotará medidas contra Jair Renan Bolsonaro, filho do presidente, por ameaças à comissão.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  'Petrobras entrou no nosso radar', diz Bolsonaro sobre privatização
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Presidente do Senado defende diálogo e moderação após críticas de Bolsonaro

Publicados

em


O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, reiterou sua postura de defesa “da pacificação, da moderação e do diálogo com todos os personagens da política” durante entrevista após sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD), nesta quarta-feira (27). Ele fez a afirmação ao defender o Senado das críticas do presidente Jair Bolsonaro — que afirmou ter dificuldades para aprovar na Casa a Proposta de Emenda à Constituição 23/2021, também conhecida como PEC dos Precatórios.

Essa PEC prevê o parcelamento do pagamento de parte dos precatórios, que são dívidas do governo resultantes de decisões judiciais. A proposta ainda não chegou ao Senado, porque antes precisa ser votada na Câmara dos Deputados, o que não havia acontecido até a tarde desta quarta-feira.

Pacheco afirmou que tem “excelente diálogo” e “profundo respeito” pelo presidente da Câmara, o deputado federal Arthur Lira. E ressaltou que cada Casa legislativa tem seu próprio tempo de reflexão sobre as propostas em tramitação.

— Com todo o respeito, a Câmara dos Deputados também tem o seu tempo de aprovação. Há projetos que já aprovamos no Senado, que agora estão na Câmara, e não há da minha parte nenhuma cobrança, porque a Câmara tem o seu tempo. Nós temos que respeitar esse tempo do processo legislativo, que às vezes é um tempo que milita em favor da sociedade. É o tempo da reflexão, da ponderação, das melhorias, dos acréscimos, das supressões e das modificações.

Leia Também:  Comissão de Assuntos Econômicos adia análise do projeto de privatização dos Correios

O presidente do Senado acrescentou que as críticas não vão alterar sua busca pelo consenso:

— Sempre respeitei críticas. Obviamente, críticas que possam ser explicadas, ou que sejam injustas, serão por mim esclarecidas ou até rebatidas. Mas eu pretendo manter a minha postura de pacificação, de moderação, mantendo diálogo absoluto com todos os personagens da política, inclusive com o Palácio do Planalto.

Além disso, Pacheco condenou as tentativas de antecipar o debate eleitoral que possam atrapalhar a discussão dos problemas mais urgentes para o país.

— Vamos ter essa sabedoria de separar as coisas. A questão político-partidária de 2022 não pode interferir nas boas relações que temos de manter neste momento. O que as pessoas esperam de nós são soluções, e não há solução no Brasil que não seja a partir de uma convergência do Poder Executivo e do Poder Legislativo, que fazem as leis, executam as leis e promovem as políticas públicas.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Leia Também:  Câmara entrega Prêmio Mérito Agropecuário nesta quarta

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA