POLÍTICA NACIONAL

Prefeito de SP nega B.O. por violência contra mulher: “Nunca agredi ninguém”

Publicados

em


source
Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo
Roda Viva – TV Cultura

Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo

prefeito da capital paulista, Ricardo Nunes (MDB), negou que tenha agredido a esposa em 2011, conforme consta em um boletim de ocorrência feito pela cônjuge, Regina Carnovale. No programa Roda Viva , da TV Cultura , Nunes disse que o episódio nunca aconteceu e que o B.O. é falso.

“Nunca agredi ninguém. Não sei mais o que falar sobre esse assunto, porque é algo que nunca ocorreu”, disse. “Eu vivo com ela, a amo, ela me ama, a gente vive super bem”.

O episódio foi revelado por reportagem do jornal Folha de S. Paulo  em outubro do ano passado, durante a campanha que elegeu Bruno Covas — cabeça da chapa que tinha Ricardo Nunes como vice-prefeito.

À época, a esposa do atual prefeito negou a violência e disse que as informações que prestara no B.O. eram falsas. Pouco depois, disse não se lembrar de ter registrado a ocorrência.

Segundo Nunes, os ‘adversários’ usam o caso para “atacar” ou “tentar diminuir” sua credibilidade.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Auxílio Brasil é tema de audiência na Câmara com ministro da Cidadania

Publicados

em


O Ministro da Cidadania, João Roma, disse hoje (21) que o Congresso Nacional e o governo federal devem buscar alternativas para viabilizar a implantação do Auxílio Brasil. O programa, criado pelo governo, é apontado como o substituto do Bolsa Família. A implementação do Auxílio Brasil depende da aprovação de propostas que estão em tramitação no Congresso, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 23/2021 dos Precatórios.

Durante audiência pública na comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados para falar sobre o auxílio emergencial, Roma disse que o programa Auxílio Brasil é de todo o estado brasileiro e que os dois poderes devem chegar a um consenso sobre as formas de seu financiamento.

“A discussão sobre valores, orçamento e o quanto isso [o programa Auxílio Brasil] pode abranger é decisão do Estado brasileiro, e devemos buscar encontrar as alternativas enquanto governo federal e Parlamento”, disse.

A PEC dos Precatórios prevê o parcelamento de dívidas do governo com credores que ganharam causas na Justiça, e a expectativa é de que gere espaço fiscal para o governo acomodar o novo programa social.

Leia Também:  Pacheco: CCJ decidirá se novo Código Eleitoral será votado a tempo para eleições de 2022

A admissibilidade da proposta foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara na semana passada, mas ainda precisa passar por uma comissão especial antes de ser votada em dois turno, no plenário.

A previsão é de que o pagamento do novo programa ocorra logo após o pagamento da sétima e última parcela do auxílio emergencial, em outubro. O novo programa social deve pagar um valor 50% acima do valor médio pago pelo Bolsa Família, que é pouco mais de R$ 190.

Auxílio emergencial

Durante a audiência, Roma disse que a participação do Congresso Nacional foi fundamental para a implantação e pagamento do auxílio emergencial. Desde suas criação, em abril de 2020, o programa atendeu mais de 68 milhões de pessoas.

“Sem dúvida nenhuma a execução do auxílio emergencial é um dos fatos mais importantes dessa legislatura. Até porque, o parlamento brasileiro protagonizou e foi fundamental para a autorização e implantação dessa ferramenta que atenuou o sofrimento e, muitas vezes, viabilizou a subsistência de milhões de brasileiros”, disse Roma.

Leia Também:  Polícia Civil realiza ciclo de palestras sobre violência contra a mulher em Claúdia

Ele também falou sobre os desafios para implementar o programa. Segundo ele, foi necessário cruzar dados de diferentes bases, como o CadÚnico e o Bolsa Família, para identificar as pessoas que tinham direito ao auxílio emergencial e que os demais beneficiários passaram a integrar a base de dados a partir do cadastramento no aplicativo disponibilizado pelo governo.

O ministro também ressaltou a celeridade com que o programa foi implementado: “o primeiro pagamento do público do CadÚnico foi seis dias após a sanção da lei e, para as pessoas do extra CadÚnico, foi 14 dias após a sanção da lei do auxilio emergencial”.

De acordo com João Roma, o estabelecimento de um calendário de pagamentos também foi fundamental para o bom andamento do programa, pois evitou a aglomeração de pessoas. 

“O calendário foi fundamental para o pagamento do auxílio, visando especialmente evitar aglomerações. Estávamos no epicentro do surgimento de uma pandemia”, disse.

Edição: Denise Griesinger

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA