POLÍTICA NACIONAL

Ernesto Araújo pode ser incluído na lista de indiciados da CPI da Covid

Publicados

em


source
O ex-chanceler Ernesto Araújo
Agência Brasil

O ex-chanceler Ernesto Araújo

Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores, pode entrar na lista de indiciados da CPI da Covid. Segundo informações do colunista Jamil Chade, do UOL, senadores veem ao menos dois motivos para citá-lo no relatório final da comissão – não aderir ao Covax e utilizar a da máquina pública para promover desinformação sobre a pandemia.

Araújo pode ser citado por supostas infrações sanitárias, charlatanismo e estímulo à propagação da doença.

Após o lançamento da Covax, consórcio criado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para distribuição de vacinas, Araújo optou por deixar o Brasil fora do plano em nome de uma soberania nacional.

A ideia do chanceler era de que instituições internacionais não deveriam ser protagonistas das questões relativas à pandemia no país, temendo um suposto enfraquecimento da soberania nacional. Ao redor do mundo, havia uma ofensiva do ex-chanceler contra o que ele chama de “globalismo”.

Leia Também

Pouco tempo depois, o Brasil acabou integrando a iniciativa, mas optou por comprar o menor número de doses – de 86 milhões oferecidos pelo Covax, reservou-se apenas 43 milhões. As lideranças do país sequer participaram da primeira reunião na OMS, em abril de 2020.

Leia Também:  Alemanha supera marca de 100 mil mortes pela pandemia de Covid-19

O uso do Instituto Rio Branco e da Fundação Alexandre de Gusmão, que estão sob o comando do Itamaraty, para difundir informações duvidosas sobre a pandemia também pode pesar contra Ernesto Araújo. As entidades foram palco para eventos negacionistas, que questionavam medidas básicas que evitam o contágio pela covid-19, como o uso de máscaras e o confinamento.

Os convidados afirmavam que as medidas interferiam nas liberdades individuais dos brasileiros. As orientações científicas dadas pela OMS também eram questionadas.

Após a saída do cargo, Ernesto Araújo pediu licença remunerada de três meses. Ao fim desse período, se licenciou por um ano, sem remuneração. A expectativa no ministério é de que ele esteja se preparando para lançar uma candidatura em 2022.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

André Fonseca, cônsul do Gabão, será candidato a deputado federal

Publicados

em


source
Tinho do Povo e André Fonseca
Reprodução

Tinho do Povo e André Fonseca

André Fonseca, advogado pernambucano, cônsul do Gabão e conselheiro mundial do Likud Serbia, será candidato a deputado federal nas eleições de 2022 pelo partido Brasil 35.

Em encontro formal com o presidente do Brasil 35, Tinho do Povo, Fonseca debateu diversos assuntos, como a conjuntura política e o desenvolvimento econômico e social do Pernambuco.

“Com muita honra disputarei um mandato para deputado federal no Brasil 35”, disse ele, convidando Tinho do Povo para ser o coordenador geral de sua campanha eleitoral.

Agora, Fonseca está se reunindo com lideranças e visitando localidades do Pernambuco para traçar metas. Seu objetivo é ser uma força para o desenvolvimento do povo da terra.

Ao lado do presidente do Brasil 35, ele elogiou a montagem de chapa de deputados estaduais e federais orientados por Tinho do Povo. A dupla acredita que Fonseca tem tudo para despontar como um dos candidatos a deputado federal mais votados do Pernambuco.

Leia Também:  França decreta volta das máscaras e reforço da vacina contra covid-19

“Será uma honra ter o Dr. André Fonseca em nossa legenda. Lutaremos juntos para garantir nossas cadeiras na câmara, se Deus permitir”, declarou Tinho do Povo.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA