POLÍTICA NACIONAL

Deputados manifestam repúdio por assassinato de homem negro em supermercado

Publicados

em


Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados
89ª Reunião técnica por Videoconferência - Acompanhamento dos ensaios clínicos da vacina Coronavac no Brasil. Dep. Perpétua Almeida(PCdoB - AC)
Perpétua Almeida ressaltou o elevado grau de violência mostrado no vídeo da agressão

Deputados de diversos partidos manifestaram repúdio pela morte de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos que foi espancado por seguranças em um supermercado da rede Carrefour, em Porto Alegre (RS). Por meio de suas redes sociais, os parlamentares lamentaram o episódio, ocorrido na noite de quinta-feira (19), véspera do Dia da Consciência Negra (20 de novembro).

“O assassinato de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, na véspera do #DiaDaConscienciaNegra, nos lembra que, no nosso país, a luta antirracista ainda tem um longo caminho pela frente. Minha solidariedade aos amigos e familiares de Beto. A nossa luta agora é por justiça!”, disse a deputada Tabata Amaral (PDT-SP).

“Num país como o Brasil, forjado na escravidão, onde a cada 23 minutos uma pessoa negra é morta, precisamos dar um fim nessa estrutura genocida e racista, nesse ciclo que há séculos mata e cria abismos sociais nesse país”, disse o líder da Minoria, deputado José Guimarães (PT-CE).

A líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), também manifestou repúdio. “Se você não se indignar com esse vídeo [o registro da agressão], é porque já morreu por dentro! Na véspera do Dia da Consciência Negra, João Alberto foi espancado e morto por seguranças do Carrefour em Porto Alegre! O crime? Ele era negro! Racismo mata!”

Usando a hashtag “VidasNegrasImportam”, o líder do MDB, deputado Baleia Rossi (MDB-SP), afirmou: “que Deus conforte a família da vítima dessa atrocidade. Todas as autoridades do País precisamos nos manifestar contra isso e tomar mais atitudes”.

Leia Também:  Morte de negro em supermercado gaúcho gera protestos entre senadores

O líder do PSDB, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), também lamentou o episódio de violência. “O Dia da Consciência Negra amanheceu com as imagens brutais de um negro sendo espancado até a morte em um supermercado de Porto Alegre. Um crime bárbaro, que nos causa indignação, revolta e mostra que, infelizmente, ainda existe racismo em nosso país. É inaceitável qualquer tipo de violência, ainda mais se for motivada por discriminação racial”, disse.

Racismo estrutural
O líder do PDT, deputado Wolney Queiroz (PDT-PE), citou a necessidade de combate ao racismo estrutural: “Dia da Consciência Negra e mais uma notícia da triste realidade desse racismo estrutural que ainda assola o Brasil: João, assassinado por seguranças do #Carrefour. Negros são 75,7% dos brasileiros assassinados em 2018. Todos juntos na luta antirracista #VidasNegrasImportam”.

O líder do Novo, deputado Paulo Ganime (Novo-RJ), classificou o episódio como “brutal e covarde”. “Absurda a morte de João Alberto Silveira Freitas. Atitude brutal e covarde que aconteceu no Carrefour de Porto Alegre. Não é a primeira vez que fatos absurdos acontecem nas dependências da rede francesa. Uma vez pode ser erro individual, duas vezes pode ser coincidência, mas 4?”, questionou.

A deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS) criticou a fala do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que afirmou não haver racismo no País. “O vice-presidente Hamilton Mourão disse hoje que racismo não existe no Brasil. Hoje, Dia da Consciência Negra e em que o Brasil se revolta com a morte de um homem negro a chutes e pontapés no Carrefour.”

“Quando se ouve que não há racismo no Brasil, devemos observar de onde vem a afirmação, se de alguma fonte ignorante, ou de alguém interessado na manutenção desse flagelo, resultado de uma escravidão ainda não superada e a perpetuação da ideologia da casa-grande”, disse o líder do PT, deputado Enio Verri (PT-PR).

Leia Também:  Projeto anula regra do Contran que limita a 3.500 kg peso de carro com reboque na categoria B

O líder do PSB, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que o racismo “não só existe, como mata”. “Um governo que nega as mazelas estruturais de nossa sociedade a empurra para o abismo. É isso o que vemos o tempo todo. Basta.”

“As cenas que vimos em vídeo ontem em Porto Alegre revoltam e reforçam a sociedade doente que vivemos, de um racismo estrutural. É preciso colocar um fim nessa triste realidade. A luta antirracista precisa ser de todos. Justiça e respeito!”, disse o líder da oposição, deputado André Figueiredo (PDT-CE).

Investigação
O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, deputado Helder Salomão (PT-ES), pediu urgência na investigação do caso e a punição dos envolvidos. “É um homicídio trágico em um quadro sistêmico e intolerável. As imagens que circulam nas redes sociais são nítidas e mostram a absoluta desproporcionalidade nas agressões e indicam até mesmo a prática de tortura”, declarou.

O deputado lembrou que os dois agressores de João Alberto Silveira Freitas foram presos em flagrante. “Um deles é policial militar e foi levado para um presídio militar. O outro é segurança da loja e está em um prédio da Polícia Civil. Um deles não tem o registro nacional para atuar na profissão, mas a polícia não informou qual dos dois. Ambos são funcionários de uma empresa terceirizada.”

Helder Salomão lembrou ainda que João Beto, como era conhecido a vítima, era soldador de portões e que deixa mulher e uma enteada.

Da Redação
Edição – Pierre Triboli

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Lewandowski cobra Lava-Jato por não liberar provas para a defesa de Lula

Publicados

em


source
Ex-presidente Lula
Reprodução

Ex-presidente Lula

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal ) Ricardo Lewandowski cobrou nesta terça-feira (24) explicações do Ministério Público Federal por não ter disponibilizado à defesa do ex-presidente Lula os documentos de delação e de correspondências da Lava Jato com outros países em que ele é citado.

A autorização havia sido feita na segunda-feira da semana passada (16) pelo ministro, e não foi cumprida até hoje. Lewandowski advertiu o MPF:

“Reafirmo – como se isso ainda fosse necessário – que esta Suprema Corte emitiu uma determinação clara e direta para que o Juízo de origem assegurasse ao reclamante amplo, incondicional – e não fragmentado e seletivo – acesso a todos os dados e informes constantes dos autos e seus anexos ou apensos, salvo aqueles envolvendo diligências em andamento, as quais, convém sublinhar, já não mais existem”, disse.

Leia Também:  Dia Nacional do Doador de Sangue é celebrado nesta quarta-feira

Por conta do não acesso às provas, os advogados do petista pediram a paralisação da ação penal,  em que Lula é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro, sob alegação de não ter recebido toda a documentação dos autos do processo. Contudo, Lewandowski negou o pedido.

Ainda na nota, Lewandowski se mostrou indignado pelo fato de membros de um instância ‘inferior’ não respeitar uma decisão do STF, a ‘mais alta corte’ do país:

“Não deixa de causar espécie – considerado o elevado discernimento intelectual e preparo técnico que o exercício de funções judicantes e ministeriais pressupõe – o ostensivo descumprimento de determinações claras e diretas emanadas da mais alta Corte de Justiça do País, por parte de autoridades que ocupam tais cargos em instâncias inferiores. Esse fato reveste-se da maior gravidade, quando mais não seja porque coloca em risco as próprias bases sobre as quais se assenta o Estado Democrático de Direito”.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA