POLÍTICA NACIONAL

Comissão promove debate sobre infraestrutura e mobilidade rural; acompanhe

Publicados

em


Bruno Cecim/Agência Pará
Transporte - estradas e ruas - infraestrutura orçamento rural fazendas vicinais (rodovias rurais de terra em São Félix do Xingu-PA)
Estrada em área rural do Pará

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural promove audiência pública nesta sexta-feira (14) para debater o Projeto de Lei 1146/21, que estabelece a Política Nacional de Mobilidade Rural e Apoio à Produção — Estradas da Produção Brasileira — para assegurar a locomoção e o bem estar socioeconômico das pessoas e suas famílias, por meio de estradas vicinais que permitam a mobilidade contínua de veículos com a garantia do escoamento dos produtos de origem agrossilvopastoril.

Assista no YouTube

De acordo com o autor do projeto, deputado Christino Aureo (PP-RJ), que solicitou a realização do debate, o investimento em infraestrutura de forma mais dinâmica e eficaz se faz “extremamente necessário” para a melhora da qualidade de vida daqueles que trabalham e residem no campo.

“Além disso, como é sabido por todos, o escoamento das produções em terras brasileiras é muito ineficiente para os padrões atuais, sendo que grande parte dos problemas que impedem o melhor aproveitamento dessas produções está no péssimo estado de nossas rodovias, principalmente no que se refere às estradas vicinais”, completa.

Leia Também:  "Semipresidencialismo no Brasil criaria uma crise enorme", diz Joaquim Barbosa

Foram convidados:
– o coordenador de logística para a produção agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Carlos Alberto Nunes Batista;
– o secretário Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do Ministério do Desenvolvimento Regional, Tiago Pontes Queiroz;
– o prefeito de Rio Branco (AC), Tião Bocalom, representando a Frente Nacional dos Prefeitos (FPF);
– a assessora técnica da Comissão Nacional de Infraestrutura e Logística da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Elisangela Pereira Lopes;
– a secretária de política agrícola da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), Vânia Marques Pinto; e
– o secretário de estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento do Rio de Janeiro, Marcelo Queiroz, representando o Conselho Nacional dos Secretários de Estado de Agricultura (Conseagri).

O evento será realizado às 9 horas no plenário 6.

Da Redação – AC

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Receita Federal aponta movimentação financeira suspeita de Ciro Nogueira

Publicados

em


source
Senador Ciro Nogueira (PP-PI) aceitou o convite de Bolsonaro para ser o ministro da Casa Civil
Agência Brasil

Senador Ciro Nogueira (PP-PI) aceitou o convite de Bolsonaro para ser o ministro da Casa Civil

Escolhido para ser o  novo ministro da Casa Civil, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) é alvo de cobranças da Receita Federal que somam R$ 17 milhões, segundo documento que consta de um dos inquéritos envolvendo o parlamentar. Os autos de infração que apontam os débitos foram lavrados nos anos de 2017 e 2018. Um deles se refere ao suposto pagamento de propina de R$ 6,4 milhões pelas empresas JBS e UTC, sob investigação no Supremo Tribunal Federal (STF). Os auditores fiscais sustentam que houve omissão dos rendimentos e cobram o recolhimento dos impostos correspondentes aos cofres públicos. O outro caso está relacionado a transações financeiras envolvendo diversas empresas do senador que não foram devidamente declaradas, segundo o Fisco.

O senador contesta as multas em procedimentos, ainda não julgados, apresentados ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Procurado ontem, Nogueira não se manifestou. Alvo de investigações da Lava-Jato sobre o suposto recebimento de propina, Nogueira sempre negou ter cometido qualquer crime.

Encaminhados em agosto de 2018 à Procuradoria-Geral da República (PGR) e à Polícia Federal, os autos de infração embasaram ações de busca e apreensão, em 2019, em endereços ligados ao senador. Ao analisar as contas bancárias de Nogueira e suas empresas, o Fisco apontou, em relatório, ter encontrado uma série de depósitos em espécie sem a identificação da origem dos recursos e pagamentos de despesas com dinheiro vivo.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA