POLÍTICA NACIONAL

Auxílio Brasil é tema de audiência na Câmara com ministro da Cidadania

Publicados

em


O Ministro da Cidadania, João Roma, disse hoje (21) que o Congresso Nacional e o governo federal devem buscar alternativas para viabilizar a implantação do Auxílio Brasil. O programa, criado pelo governo, é apontado como o substituto do Bolsa Família. A implementação do Auxílio Brasil depende da aprovação de propostas que estão em tramitação no Congresso, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 23/2021 dos Precatórios.

Durante audiência pública na comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados para falar sobre o auxílio emergencial, Roma disse que o programa Auxílio Brasil é de todo o estado brasileiro e que os dois poderes devem chegar a um consenso sobre as formas de seu financiamento.

“A discussão sobre valores, orçamento e o quanto isso [o programa Auxílio Brasil] pode abranger é decisão do Estado brasileiro, e devemos buscar encontrar as alternativas enquanto governo federal e Parlamento”, disse.

A PEC dos Precatórios prevê o parcelamento de dívidas do governo com credores que ganharam causas na Justiça, e a expectativa é de que gere espaço fiscal para o governo acomodar o novo programa social.

Leia Também:  CPI aprova quebra de sigilos das redes sociais de Bolsonaro

A admissibilidade da proposta foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara na semana passada, mas ainda precisa passar por uma comissão especial antes de ser votada em dois turno, no plenário.

A previsão é de que o pagamento do novo programa ocorra logo após o pagamento da sétima e última parcela do auxílio emergencial, em outubro. O novo programa social deve pagar um valor 50% acima do valor médio pago pelo Bolsa Família, que é pouco mais de R$ 190.

Auxílio emergencial

Durante a audiência, Roma disse que a participação do Congresso Nacional foi fundamental para a implantação e pagamento do auxílio emergencial. Desde suas criação, em abril de 2020, o programa atendeu mais de 68 milhões de pessoas.

“Sem dúvida nenhuma a execução do auxílio emergencial é um dos fatos mais importantes dessa legislatura. Até porque, o parlamento brasileiro protagonizou e foi fundamental para a autorização e implantação dessa ferramenta que atenuou o sofrimento e, muitas vezes, viabilizou a subsistência de milhões de brasileiros”, disse Roma.

Leia Também:  Netflix anuncia 'Casamento às Cegas Brasil, O Reencontro' e anima fãs

Ele também falou sobre os desafios para implementar o programa. Segundo ele, foi necessário cruzar dados de diferentes bases, como o CadÚnico e o Bolsa Família, para identificar as pessoas que tinham direito ao auxílio emergencial e que os demais beneficiários passaram a integrar a base de dados a partir do cadastramento no aplicativo disponibilizado pelo governo.

O ministro também ressaltou a celeridade com que o programa foi implementado: “o primeiro pagamento do público do CadÚnico foi seis dias após a sanção da lei e, para as pessoas do extra CadÚnico, foi 14 dias após a sanção da lei do auxilio emergencial”.

De acordo com João Roma, o estabelecimento de um calendário de pagamentos também foi fundamental para o bom andamento do programa, pois evitou a aglomeração de pessoas. 

“O calendário foi fundamental para o pagamento do auxílio, visando especialmente evitar aglomerações. Estávamos no epicentro do surgimento de uma pandemia”, disse.

Edição: Denise Griesinger

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Filiações sob suspeita serão analisadas por comissão, diz presidente do PSDB

Publicados

em


source
Presidente do PSDB, Bruno Araújo
Reprodução/ PSDB

Presidente do PSDB, Bruno Araújo


Diante da suspeita de fraude na filiação de 92 prefeitos e vice-prefeitos ao PSDB, o presidente da legenda, Bruno Araújo, anunciou que a comissão responsável pelas prévias vai analisar caso a caso a possibilidade de participação dos políticos no pleito. O partido vive um período de eleição interna, quando deve decidir qual tucano irá representá-lo nas eleições presidenciais. 

A disputa se dá entre o governador de São Paulo, João Doria, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio.

“A comissão não irá questionar a filiação dos mandatários, mas se estão ou não habilitados a votar. Nos casos em que a comissão decida pela permissão do voto nas prévias, esses farão suas escolhas por meio do aplicativo de celular desenvolvido para a eleição”, informou o partido em nota, segundo a Folha de S. Paulo. Apesar do tom definitivo no texto, a publicação acrescenta que a decisão de Araújo ainda será submetida à executiva nacional do PSDB.

Leia Também:  Bolsonaro deixa planos de emprego de lado para dar espaço ao Auxílio Brasil

Leia Também

A suspeita surgiu na semana passada. Na ocasião, diretórios do PSDB do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia e Ceará, que hoje apoiam a escolha de Leite, acusaram o diretório paulista, que é comandado por João Doria, de  fraudar as datas de filiações desses prefeitos e vice-prefeitos.


Pela regra atualmente em vigor, apenas filiados até 31 de maio deste ano poderiam votar nas prévias. Com isso, enquanto o PSDB-SP diz que as filiações foram feitas dentro do prazo , os opositores apontam que elas foram fraudadas com data retroativa.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA