MATO GROSSO

Unemat vai traçar mapa de povos e comunidades tradicionais de Mato Grosso

Publicados

em


Povos indígenas, quilombolas, pescadores, ribeirinhos, raizeiros, povos ciganos, povos de terreiros, comunidades extrativistas, entre outras constituem a diversidade étnica e cultural de Mato Grosso. Apesar de existirem dados setorizados, ainda são poucas as informações precisas e abrangentes sobre a realidade vivida por esses povos e comunidades tradicionais: quem são, quantos são, aonde vivem, seus desafios e demandas.

O projeto Mapeamento de Povos e Comunidades Tradicionais, desenvolvido pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) em parceria com o Comitê Estadual de Povos e Comunidades Tradicionais de Mato Grosso, vai trabalhar no sentido de elaborar um mapeamento, o mais amplo possível, dos povos e comunidades tradicionais do Estado, assim como identificar seus principais problemas, reivindicações e as formas de uso e acesso aos recursos naturais.

O projeto tem o propósito de gerar subsídios para a elaboração de políticas estaduais de desenvolvimento sustentável dos povos, bem como favorecer o processo de articulação das organizações da sociedade civil, condição necessária para o fortalecimento e garantia de direitos.

“Trata-se de grupos sociais portadores de identidades étnicas, que se mobilizam e lutam para assegurar os direitos básicos de acesso a bens materiais e simbólicos, considerados necessários à reprodução da identidade coletiva”, explicou o professor do curso de Agronomia da Unemat em Cáceres, Antonio João Castrillon Fernández, coordenador do projeto e doutor em Desenvolvimento Rural.

Leia Também:  "Esse é o início da recuperação de Mato Grosso na pandemia", afirma governador

A proposta ocorre em um contexto de articulação e reconhecimento, por parte do Estado e da sociedade, dessas denominadas comunidades tradicionais. O mapeamento social é instrumento a ser apropriado pelos Povos e Comunidades Tradicionais em seus processos de lutas pela garantia de direitos.

Metodologia

O levantamento das informações para construção do mapeamento social ocorrerá em duas fases. Inicialmente, será feita pesquisa e catalogação em base de dados oficiais, de organizações da sociedade civil e relatórios de pesquisas. Na sequência será realizado um trabalho empírico, com levantamento de informações em campo. Em razão da pandemia do Coronavírus, essa etapa não ocorrerá de forma presencial nas comunidades, mas virtualmente.

Os agentes sociais, representantes de povos e comunidades sociais, são atores centrais deste processo, participam como sujeitos ativos do mapeamento. “O princípio que se tem para identificar povos é comunidades tradicionais é o princípio da autodeclararão. É a comunidade, o grupo, a identidade coletiva que se define por essa categoria”, disse Antonio Castrillon.

Ao final, serão construídos um mapa geral de povos e comunidades tradicionais identificados na pesquisa e um mapa temático por segmento social, além da publicação na forma de livro dos resultados do mapeamento social do estado de Mato Grosso. A previsão é que a pesquisa seja concluída em dezembro de 2021.

Leia Também:  Estado vistoria Baía de Chacororé e identifica intervenções para mitigar seca

Parceiros

A iniciativa é desenvolvida pela Universidade do Estado de Mato Grosso, juntamente com o Comitê Estadual de Povos e Comunidades Tradicionais, e Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos de Estado de Mato Grosso.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO

Comissão de secretários define critérios de distribuição das vacinas aos 141 municípios

Publicados

em


A Comissão Intergestores Bipartite do Estado (CIB) definiu o critério de distribuição das 126.160 mil doses de vacinas contra a Covid-19 aos 141 municípios de Mato Grosso. A Minuta de Resolução CIB será publicada nesta quarta-feira (20.01) no Diário Oficial do Estado e deverá ser seguida pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT), de acordo com as prioridades estipuladas pelo Ministério da Saúde.

A CIB é composta por membros do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde e da SES.

Dentre os grupos prioritários, estão os trabalhadores da saúde – como vacinadores da Atenção Básica, profissionais dos hospitais pactuados no Plano de Contingência Estadual de enfretamento à Covid-19, trabalhadores de institutos de longa permanência para idosos -, indígenas que vivem em aldeias, pessoas idosas acima de 60 anos e pessoas com deficiência que vivem em asilos e/ou instituição psiquiátricas.

Após a distribuição, as vacinas deverão ser armazenadas pelos municípios, respeitando as condições de armazenamento estabelecidas pela fabricante e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e com o apoio da segurança pública.

Leia Também:  Segunda-feira (18): Mato Grosso registra 200.134 casos e 4.815 óbitos por Covid-19

Veja em anexo quantas doses cada município vai receber em anexo.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA