MATO GROSSO

Inteligência e integração do inquérito eletrônico ao Pje chama atenção de polícias civis de outros estados

Publicados

em


A troca de experiências, principalmente nas áreas de inteligência e tecnologia da informação desenvolvidas pela Polícia Civil de Mato Grosso, motivou a visita de uma equipe da Polícia Civil de Santa Catarina, realizada nesta semana, na sede da Diretoria Geral em Cuiabá. 

Três delegados de Santa Catarina, entre eles o gerente de Planejamento, Gustavo Madeira da Silveira, o gerente de Inteligência, Diego Gonçalves de Azevedo, e o assessor do delegado-geral, Daniel Sá Fortes Régis, vieram ao estado estreitar laços profissionais, troca de experiências de gestão e de boas práticas executadas em Mato Grosso. 

A equipe foi recepcionada pelo diretor de Inteligência, Juliano Silva de Carvalho, que apresentou o setor, as dinâmicas de sistemas de inteligência, rotina de trabalho e ferramentas investigativas. 

A delegação catarinense conheceu a Coordenadoria de Tecnologia de Informação (COTI) da Polícia Civil de Mato Grosso, e os trabalhos desenvolvidos no setor, como o sistema GEIA, controle de dados e as ferramentas e funcionamento do inquérito digital integrado.

Sistemas de gestão 

Outras projetos em desenvolvimento no Centro Tecnológico da PJC-MT também foram apresentados, como assinatura digital, biometria e a ferramenta de integração facial utilizada como um motor de pesquisa, através do armazenamento fotográfico, e bastante útil no trabalho investigativo. 

A ferramenta em fase de implantação através do intercâmbio de informações e parcerias com outros estados, pode se tornar ainda mais ampla, uma vez que contará com um banco de dados maior.

O gerente de desenvolvimento da COTI, Ricardo Rodrigues Barcelar, disse que, a Polícia Civil de Santa Catarina está em fase de desenvolvimento de um sistema de inquérito eletrônico que ainda não atende a decisão dos Tribunais de Justiça de integração ao PJe.

“Mato Grosso é um dos primeiros estados a fazer esta integração e por isso, outras unidades da federação tem buscado o modelo desenvolvido pela Polícia Civil estadual. Na visita, apresentamos nosso modelo de inquérito digital, o sistema GEIA e o de controle de dados disponibilizados aos gestores, além de apresentar algumas soluções, que servem como proposta de integração com demais estados para banco de dados”, disse Ricardo. 

Leia Também:  Estudante do Campo supera adversidades e consegue 940 pontos na redação do Enem

Troca de experiências

Segundo o diretor de Inteligência, Juliano Carvalho, durante a visita foi apresentado aos delegados não só as metodologias de trabalho desenvolvidas pela Polícia Civil de Mato Grosso, mas o pioneirismo em diversos setores de investigação, tecnologia, normatização e expertise na redução à criminalidade.

“Foi uma troca de informações extremamente ampla, em que foi demonstrado que mesmo em um estado com dimensões muito grandes como Mato Grosso é possível, mediante a repressão qualificada em diversos setores e frentes de trabalho, nos colocarmos em posição de colaboradores para instituições parceiras, que vem conhecer o nosso trabalho, trocar informações e boas práticas”, argumentou Juliano. 

O gerente de Inteligência da Polícia Civil de Santa Catarina, Diego Gonçalves de Azevedo, disse que a Polícia Civil do estado está passando por uma reestruturação no setor de Inteligência e um dos focos da visita era verificar a organização desenvolvida da Polícia Civil de Mato Grosso, em todos os aspectos como gerências, coordenadorias, contra-análise, operações de inteligências, inteligência estratégica e laboratório de lavagem de dinheiro.

“As informações e expertises que foram passadas vão acrescentar muito ao nosso trabalho e a nossa reestruturação. A Polícia Civil de Mato Grosso está de parabéns, pois mostrou um avanço gigantesco, tanto na parte de inteligência como de tecnologia da informação. Conheço muitas inteligências do país, mas posso dizer que Mato Grosso está realmente tendo um papel de destaque frente a outras Polícias Civis”, disse.

Leia Também:  Hospitais das Forças Armadas têm 85% de leitos vazios e não atende civis

Segundo o gerente de Planejamento da polícia catarinense, desde 2019 a equipe está visitando estados da federação para verificar como é a implementação de inquéritos digitais, com objetivo de levar novas ideias para a agência de tecnologia do estado. 

“Posso dizer que o inquérito digital da Polícia Civil de MT é o mais avançado em termos de Brasil e por isso, uma nova visita será realizada por nosso gerente de tecnologia da informação para pegar mais informações para implementação no sistema de integração desenvolvido no nosso estado”, destacou Gustavo Madeira. 

Outros estados e instituições

Desde a conclusão da integração do inquérito digital da Polícia Civil mato-grossense ao sistema do PJe, em setembro de 2020, as polícias civis do País tem procurado o estado para conhecer a forma como a integração foi desenvolvida. 

O Maranhão foi o primeiro estado a procurar a Coordenadoria de Tecnologia da Informação, enviando dois analistas de sistemas a Mato Grosso que conheceram o setor e pegaram informações e detalhes de como foi feito o trabalho no estado. A mesma situação ocorreu com o estado de Rondônia, que enviou um delegado para conhecer o Centro Tecnológico e conhecer como foi implantado o sistema de integração. 

A Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) também troca informações com a Coordenadoria de Tecnologia de Informação, uma vez que tem uma demanda grande de integração do Procedimento Policial eletrônico (PPe), buscando conhecimento junto ao estado. 

Dentro do estado, o Ministério Público de Mato Grosso, que tem uma integração parcial com o Pje, também buscou a Polícia Civil para saber como foi desenvolvido o sistema e a implantação.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO

Recursos do Nota MT garantem atividades e salários de professores de instituição em Várzea Grande

Publicados

em


O Centro de Promoção Humana Emanuel (CENPHRE) foi criado em 2004, pelas missionárias Maria Tereza Urbano e Maristela Arbués Nery e por um grupo de voluntários, para atender crianças e famílias que se encontravam em situação de extrema pobreza e abandono, na Vila São João em Várzea Grande. Segundo a missionária Maristela, a ideia se deu após Irmã Maria Tereza fazer uma visita na cidade, comparecer a um enterro de uma criança na Vila São João e ver a realidade das crianças e famílias que ali viviam.

“A gente já havia feito esse trabalho semelhante no Vale do Araguaia, com ajuda às famílias que foi muito promissor. Pela nossa experiência, com mais de 30 anos de vida missionária trabalhando na área social com crianças e famílias, nós já tínhamos uma noção de como era”, afirma.

Ao longo dos anos, mãos e corações se juntaram graças a uma rede de colaboradores, voluntários e parceiros contribuíram para a construção de sua sede e manutenção dos seus projetos e programas. Em 2017, com a parceria do Instituto Canopus, a instituição que também era conhecida por Associação Varzeagrandense Madre Tereza de Calcutá, passou a ser denominado CENPHRE Canopus.

Hoje, o CENPHRE Canopus é uma das instituições cadastradas pela Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc) para participar do programa Nota MT, que sorteia valores para consumidores e beneficia entidades através das indicações dos contemplados. No total, participando de outros sorteios a entidade recebeu o valor de R$ 30,5 mil.

De acordo com a coordenadora geral, Cristiane Almeida, a Nota MT auxiliou na manutenção das atividades para as crianças e famílias, principalmente na pandemia. “A gente teve um processo de entrega de alimentos feitos aqui na instituição. Eles vinham buscar e levavam para casa, já que antes se alimentavam aqui no período em que estavam em atividades”, declara a coordenadora.

Leia Também:  "Fatura dos cilindros chegou" aponta Faissal ao denunciar tributação indevida pela Energisa

Cristiane ainda ressalta que um dos pontos fortes do Nota MT é que os valores repassados para as entidades não são destinados para despesas pré-determinadas, o que colaborou para manter as atividades e salários de professores, instrutores e colaboradores da entidade.

“Apesar do período delicado que estamos vivendo, nós não tivemos demissões. Nós fizemos todo um processo de antecipação das férias, pois sabíamos da importância e não era justo dispensá-los em um momento difícil como esse. Além disso, um sonho realizado e conquistado com os repasses do Nota MT foi a colocação do sistema de energia solar na entidade”, afirma.

O CENPHRE Canopus trabalha com três eixos: educação, proteção social e saúde. A faixa etária atendida são crianças a partir dos 6 aos 14 anos, com atividades voltadas para o esporte, teatro, informática e danças, como balé e danças urbanas.

A entidade está atendendo no modo online e presencial 30% de seus alunos, seguindo as exigências sanitárias. Aqueles que não possuem internet em casa, buscam as suas atividades da sede da entidade.

Cristiane Almeida, ainda conta que o eixo da educação é trabalhado em conjunto com as escolas e famílias, porque uma das exigências da entidade é que seus alunos tenham bom desempenho escolar.

Antes da pandemia, a entidade contava também com voluntários nas áreas da Psicologia e Terapias Integrativas, mas as ações tiveram que ser interrompidas. Para a missionária Maristela, eles ajudavam no processo de cuidado com a saúde das crianças e equilíbrio emocional, com o uso de florais e massagens.

Leia Também:  Estudante do Campo supera adversidades e consegue 940 pontos na redação do Enem

Atualmente, a unidade da Vila São João atende cerca de 125 famílias, somando um total de 150 crianças. Porém, a entidade também dá suporte para o Projeto Belém, do bairro São Simão, em Várzea Grande.

A coordenadora reitera a importância do Nota MT para a sociedade mato-grossense e pede para que a população faça o cadastro porque é um programa de sucesso e que beneficia muitas entidades no Estado de Mato Grosso. 

“A gente espera que o programa continue, pois nós fazemos a propaganda de corpo a corpo. Sempre estamos pedindo para que as pessoas se cadastrem no Nota MT e indiquem a CENPHRE como beneficiária. Isso é necessário para fazer a diferença. Às vezes você não para tirar do seu bolso, mas que meios que o Estado está fazendo para ajudar as entidades? E esse é um exemplo”.

Cadastro de Entidades

As instituições e/ou associações interessadas em fazer parte do banco de dados, ou atualizar informações, devem mandar um e-mail para o endereço: [email protected]/ colocar no título “Atualização Cadastral – Nome da entidade” ou acessar a página virtual da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc).

Outras duas opções: ligar no telefone (65) 3613-5726 ou ainda procurar a Secretaria, no setor Cidadania e Inclusão Socioprodutiva, e atualizar pessoalmente. O endereço da Setasc é Rua Júlio Domingos de Campos, nº 100, Centro Político Administrativo (CPA), em Cuiabá.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA