MATO GROSSO

Em colação de grau virtual, aluno da Seciteci conta que foi aprovado em dois concursos

Publicados

em


“O curso foi extremamente importante pra mim, foi um divisor de águas na minha vida, por causa dele passei em dois concursos”, disse o aluno William Tavares Bezerra, de 34 anos, ao se formar no curso Técnico em Edificações promovido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Seciteci), por meio da Escola Técnica Estadual (ETE) de Barra do Garças (a 520 km de Cuiabá).

Durante a colação de grau virtual o aluno contou que após anos sem estudar, voltou a se dedicar aos livros por causa da oportunidade de fazer o curso na ETE. E desde então ele que decidiu investir mais tempo e dedicação aos estudos.

“Agradeço a Seciteci por esta oportunidade, pois como eu já atuo na área como pedreiro, então eu tive uma motivação a mais pra estudar e foi assim que eu consegui passar nestes concursos na minha área, estou muito feliz e pretendo continuar focado nos estudos”, diz.

Além de William, outros 12 alunos participaram da colação de grau que precisou se realizada virtualmente, pois devido à pandemia da Covid-19, alguns eventos presenciais estão suspensos no município, então a ETE buscou uma alternativa para concluir as formalidades necessárias, realizando o evento de forma remota, para dar andamento à entrega de diplomas.

Leia Também:  Estado realiza testagem em massa de recuperandos de Cuiabá e Várzea Grande

A diretora da ETE, Veronica Silveira Vasconcelos Luz, ressalta que mesmo neste momento de pandemia, as unidades tem se esforçado para dar andamento aos protocolos escolares, pois a conclusão destes cursos facilita o ingresso dos alunos ao mercado de trabalho.

“Muito de nossos alunos já atuam na área, com essa conquista com certeza terão mais oportunidades para suas vidas. É uma imensa alegria realizar esta colação, temos a sensação de ter mais uma missão cumprida”, falou.

Segundo a diretora o evento virtual não diminuiu a emoção do momento e foi uma oportunidade de manter a aproximação, ainda que virtual, dos estudantes.

“Foi tudo diferente, mesmo sendo virtual estávamos muito unidos e com os corações gratos e alegres por este momento”, ressaltou.

O evento virtual contou com a participação do superintendente de Educação Profissional e Superior da Seciteci, Aryeh Hessel Craveiro e também da coordenadora de Educação Profissional e tecnológica da Seciteci, Ana Flavia Derze Soares.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO

Onça solta no Pantanal após se recuperar de ferimentos causados por incêndios florestais será monitorada por até 400 dias

Publicados

em


A onça pintada que foi solta no Pantanal depois de se recuperar dos ferimentos causados por incêndios florestais será monitorada por rádio-colar com GPS que permitirá o acompanhamento de sua readaptação. O controle do animal, chamado de Ousado, será realizado pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio).

A partir do rádio-colar será possível monitorar sua localização e saber o seu comportamento, explica o analista ambiental do ICMBio Ronaldo Morato.

“Nossa maior preocupação é saber se o Ousado terá sucesso na sua readaptação, se está caçando, se alimentando, aonde está indo. Ele poderá ficar com o colar por até 400 dias, após esse tempo ele cai sozinho. Será interessante pois poderemos avaliar o comportamento do animal também no período após as queimadas “, afirma Morato.

Ousado foi solto no mesmo local em que foi resgatado, no Parque Estadual Encontro das Águas, no Pantanal, depois de passar mais de um mês em recuperação no Instituto Nex, em Goiás. O animal foi encontrado com algumas queimaduras, ferido e desidratado. No instituto ele recebeu tratamento com ozônio e lazer terapia e foi constatado que não teve perda de função de seus membros o que permitiu ser solto novamente na natureza.

Leia Também:  Hackers invadem conta do Instagram do ator Oscar Magrini

De acordo com a coordenadora de Fauna e Recursos Pesqueiros da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Neusa Arenhart, por ser um animal territorialista a soltura no mesmo local em que foi encontrado e onde já tem seu espaço demarcado faz com que ele não precise invadir o espaço de outros animais para buscar alimentos, o que facilita o processo.

Participaram da soltura: Secretaria de Estado de Meio Ambiente, por meio da Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros e Comitê Estadual de Gestão do Fogo, Corpo de Bombeiros, Instituto Chico Mendes (ICMBio), Ibama, Ampara Animal, ONG Panthera, Instituto Nex, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e o pesquisador Wladimir Domingues da Universidade De Maringá.

 

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA