MATO GROSSO

Delegacia de Entorpecentes aumenta em 38,4% número de inquéritos instaurados em investigações sobre tráfico

Publicados

em


Com a atuação cada vez mais forte no combate ao tráfico de drogas, a Delegacia Repressão a Entorpecentes (DRE) da Polícia Civil, aumentou em mais de 38% o número de inquéritos instaurados em 2020 em comparação ao ano anterior. Neste ano, já são mais de mil inquéritos instaurados que resultaram em grandes apreensões, prisões e outros procedimentos relacionados ao comércio de entorpecentes.

Os números de investigações e instauração de inquéritos policiais na especializada tiveram um aumento significativo, sendo na quinta-feira (19.11) instaurado o inquérito policial nº. 1.005, do ano de 2020. Na mesma data de 2019, foram instaurados 726 inquéritos policiais, havendo, portando, um aumento de 38,4%.

Em relação à conclusão de inquéritos policiais, a especializada também apresentou números expressivos concluindo mais inquéritos do que instaurou no ano de 2020 – são até o momento 1.062 inquéritos policiais. No ano de 2019 foram concluídos no mesmo período 767 inquéritos policiais, resultando em um aumento de 40,9 %.

A metodologia de trabalho da DRE é dividida em duas vertentes de combate ao tráfico de drogas, uma que objetiva o enfrentamento ao tráfico interestadual, envolvendo grandes carregamentos de entorpecentes vindos do Estado de Mato Grosso do Sul (MS) e da fronteira com a Bolívia.

Leia Também:  Workshop online debaterá abordagem da mídia em crimes de violência contra a mulher

O segundo foco visa o combate ao “tráfico formiguinha” que abastece as bocas de fumo enraizadas nos bairros da baixada cuiabana e Várzea Grande, o qual também fomenta outros tipos de delitos como roubo, homicídio, furto e latrocínio, e traz a sensação de insegurança às comunidades.

De acordo com o delegado titular da DRE, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, a unidade recebe todas as ocorrências relacionadas ao porte e ao tráfico de substâncias entorpecentes de Cuiabá e Várzea Grande e ainda possui circunscrição concorrente em todo o estado de Mato Grosso, realizando investigações nas mais diversas regiões do nosso Estado.

‘Durante o período de pandemia do coronavírus foi percebida uma redução em grande parte das incidências criminais, porém este fato não ocorreu em relação ao tráfico de drogas, que tem aumentado consideravelmente”, destacou o delegado.

O delegado ressaltou ainda que todo resultado da delegacia se deve a união e empenho dos policiais civis, escrivães e investigadores, da especializada. “Mesmo nesse período de isolamento, e com o efetivo reduzido, as equipes não mediram esforços para estar nas ruas, investigando, identificando e prendendo envolvidos com o tráfico de drogas”, disse o delegado.

Leia Também:  Detran-MT retoma ações educativas com palestras sobre segurança no trânsito

Aumento da produção

A Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes foi reativada em 19 de dezembro de 2008, mas passou a atuar de fato no início de 2009 com intuito de fortalecer as ações repressivas, de combate ao tráfico de drogas, considerado uma das bases da criminalidade.

Desde a reativação da Especializada até hoje o número de procedimentos policiais vem gradativamente crescendo. Atualmente, a DRE está adaptada a integração do Geia com o sistema PJe,  fazendo 100% dos procedimentos de forma digital, o que trouxe grandes benefícios aos trabalhos desenvolvidos na unidade.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO

PGE pede investigação criminal contra “Fake News” de que Governo fecharia 300 escolas

Publicados

em


A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) pediu que a Polícia Judiciária Civil investigue criminalmente a divulgação de notícias falsas de que a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) iria fechar 300 escolas. O pedido foi encaminhado nesta quarta-feira (25.11).

As “Fake News” tiveram início por mensagens de Whatsapp, porém passaram a circular em veículos de comunicação, o que conforme o documento da PGE, “são capazes de causar pânico e medo na população mato-grossense”.

A PGE destaca no pedido que a divulgação das notícias falsas não pode passar despercebida pela Polícia Civil e que a apuração deve colher elementos de provas que possam demonstrar o “cometimento, em tese, de crime ou contravenção penal de disseminação dolosa de conteúdo sabidamente falso”.

“Em razão disso tudo, esta Procuradoria do Estado solicita a abertura de investigação criminal para apuração dos fatos acima descritos, que, a depender dos elementos de provas a serem colhidos, por intermédio inclusive da quebra de sigilos diversos com autorização judicial – se se mostrar necessária ou conveniente -, poderão eventualmente (se assim vierem a indicar tais elementos de provas) demonstrar o cometimento, em tese, de crime ou contravenção penal de disseminação dolosa de conteúdo sabidamente falso, com alguma finalidade espúria, buscando produzir pânico na população ou, ainda, mesmo que indiretamente, influenciar em questões eleitorais (CP, arts. 139 ou 299; ou Lei de Contravenções Penais, art. 41)”.

Leia Também:  Corpo de Bombeiros Militar de MT recebe visita do comandante da 13ª Brigada de Infantaria Motorizada

A Seduc informou que, ao contrário do que falam as “Fake News”, o trabalho realizado no momento é de reorganização das salas ociosas em que não há alunos e com infraestrutura física precária.

O objetivo da secretaria é oferecer uma melhor estrutura física aos estudantes e profissionais da educação e, consequentemente, criar um ambiente favorável em que seja possível a melhoria do Ideb.

A PGE anexou no requerimento matérias jornalísticas da Secretaria Adjunta de Comunicação que comprovam que o Estado nunca pretendeu fechar 300 escolas, conforme asseverou o secretário de Estado de Educação, Alan Porto.

Confira a íntegra da representação abaixo

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA