RONDONÓPOLIS

ESPORTES

Flu chega a 50 jogos na temporada e 2022 já é o ano com mais vitórias desde 2012

Publicados

em

Com números impressionantes, o Fluminense chegou a 50 jogos na temporada na última segunda-feira (01/08). Ao longo de 2022, o Tricolor venceu 32 partidas, mais do que em qualquer outro ano desde 2012, mesmo com praticamente metade do Campeonato Brasileiro e a reta final da Copa do Brasil ainda por disputar.

Com os 32 triunfos, o Fluminense ultrapassou suas campanhas de 2020 e 2021, quando somou 30 vitórias em cada um dos anos e conseguiu a classificação para a Libertadores. Dos 50 jogos, foram ainda nove empates e nove derrotas, contabilizando um aproveitamento de 70%, com 85 gols marcados. A equipe tem ao menos mais 18 jogos pela frente em 2022.

Até o momento, de acordo com levantamento do SofaScore, o Fluminense tem seu melhor aproveitamento em uma temporada desde 1977 (70%), maior percentual de vitórias desde 1977 (64%), mais gols marcados por jogo desde 2014 (1.70) e menos gols sofridos por jogo desde 1995 (0.77).

Coroando a boa temporada, o Fluminense sagrou-se campeão carioca em final contra o Flamengo e conquistou a Taça Guanabara. Além disso, ocupa o terceiro lugar na tabela de classificação do Brasileirão e está a um empate de avançar para as semifinais da Copa do Brasil.

Leia Também:  Confira classificados e os confrontos definidos na Libertadores 2022

O time do técnico Fernando Diniz vem embalado por uma sequência de 12 jogos de invencibilidade, a maior atualmente entre todos os times da Série A do Brasileiro. No início do ano, ainda sob o comando de Abel Braga, o Tricolor venceu 12 jogos seguidas e alcançou a segunda maior série de vitórias consecutivas de sua história.

Com 35 pontos, o Time de Guerreiros volta a campo neste domingo (07/08), às 16h, quando recebe o Cuiabá no Maracanã em jogo válido pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Confira o número de vitórias por temporada desde 2012

2022- 32 vitórias (em 50 jogos)
2021- 30 vitórias (em 69 jogos)
2020- 30 vitórias (em 62 jogos)
2019- 27 vitórias (em 69 jogos)
2018- 27 vitórias (em 66 jogos)
2017- 29 vitórias (em 75 jogos)
2016- 27 vitórias (em 66 jogos)
2015- 28 vitórias (em 61 jogos)
2014- 30 vitórias (em 62 jogos)
2013- 27 vitórias (em 68 jogos)
2012- 41 vitórias (em 69 jogos)

Fonte: Agência Esporte

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPORTES

Cruzeiro fica só no empate com a Chapecoense, mas sobra na liderança da série B

Publicados

em

Na tarde deste sábado (13.08), no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, o Cruzeiro pressionou e criou as melhores chances, mas ficou no empate em 1 a 1 com a Chapecoense, pela 24ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O zagueiro Lucas Oliveira foi quem marcou o gol celeste na igualdade no Distrito Federal.

Após 11 vitórias, este foi o primeiro tropeço do Cruzeiro como mandante na atual edição da Segunda Divisão. O resultado, no entanto, não altera a tabela de classificação: a Raposa segue líder absoluta, com 53 pontos – a 19 do Londrina, primeiro time fora do G4 -, e conta os dias para o acesso à Série A.

O próximo compromisso do Cruzeiro na Série B é contra o Grêmio (3° colocado, com 43 pontos). A partida válida pela 25ª rodada ocorrerá na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, às 16h do próximo domingo (21.08).

O jogo

O Cruzeiro iniciou a partida com o volume que lhe é costumeiro. A equipe de Pezzolano buscava conservar a posse de bola e agredir a Chapecoense desde o início. No entanto, aos 5 minutos, um baque: em lance de passividade da defesa após cobrança de lateral, a Raposa cedeu espaço para Felipe Ferreira finalizar de fora da área. A bola morreu nas redes de Rafael Cabral:

A postura celeste após o gol sofrido não mudou. Um cruzamento de Matheus Bidu foi desviado e quase parou nas redes. O Cruzeiro tentava transpor uma Chapecoense organizada defensivamente com as linhas mais baixas e encontrava bons passes entre essas linhas, mas pecava especialmente nos gestos técnicos no ataque.

Na metade do primeiro tempo, Pezzolano inverteu os alas, assim como na vitória de virada contra o Londrina. Bidu passou a ocupar o corredor direito, enquanto Bruno Rodrigues caiu pela esquerda. Com a mudança, o Cruzeiro passou a invadir mais a área pelo lado esquerdo, mas seguia com dificuldades para criar ocasiões claras de gol.

Leia Também:  Lula sobre PEC: 'maior distribuição de dinheiro desde o Império'

Na reta final, a Raposa se lançou ainda mais ao ataque, enquanto a Chape priorizava uma forte proteção à área. Principalmente com chegadas pelos lados e cruzamentos, o time de Pezzolano se aproximava da meta catarinense. Bruno Rodrigues era quem mais tomava iniciativa a partir do um contra um, mas não foi o suficiente para igualar o placar na etapa inicial.

Segundo tempo

No intervalo, Pezzolano promoveu uma estreia no Cruzeiro: Wesley Gasolina entrou na vaga de Matheus Bidu. Logo nos primeiros minutos, Bruno Rodrigues fez bela jogada individual pela esquerda e cruzou rasteiro. A bola atravessou a área para finalização perigosa de Gasolina, que originou um escanteio. Em seguida, mais um remate do Cruzeiro obrigou boa defesa de Saulo.

Aos 3 minutos, a pressão surtiu efeito: Oliveira aproveitou cobrança de escanteio de Chay para cabecear firme para o fundo das redes: 1 a 1. O Cruzeiro seguia com iniciativa total e, logo após o gol, voltou a forçar defesas do goleiro da Chape com um cruzamento e uma finalização de fora da área de Bruno Rodrigues.

A pressão seguia. Com cada vez mais ímpeto – e jogadores no ataque – para buscar a virada, a Raposa rondava a área do time catarinense à procura do segundo gol. O decorrer da etapa complementar, no entanto, “esfriou” as subidas celestes. Aos 23 minutos, inclusive, Bianqui obrigou bela defesa de Rafael Cabral com chute de média distância.

Nesse instante, Pezzolano atendeu aos pedidos da torcida no Mané Garrincha e colocou Edu e Rafa Silva nas vagas de Luvannor e Daniel Júnior, respectivamente. Pouco depois, Chay deixou o campo para o retorno de Willian Oliveira. As novas mexidas alteraram pouco o cenário do jogo, e o Cruzeiro seguiu com dificuldades para produzir ofensivamente – ainda que nada sofresse no aspecto defensivo.

Leia Também:  Cruzeiro fica só no empate com a Chapecoense, mas sobra na liderança da série B

Já aos 40 minutos, Rodolfo entrou na vaga de Neto Moura. Na base do “ataque total”, a Raposa lançou vários jogadores à frente em busca do gol de desempate e chegou a alcançá-lo nos acréscimos, com Bruno Rodrigues, mas o lance foi invalidado, já que o atacante empurrou a bola para as redes com a mão esquerda. O empate com a Chape foi o primeiro tropeço do Cruzeiro como mandante nesta Série B.

CRUZEIRO 1×1 CHAPECOENSE

Cruzeiro

Rafael Cabral; Zé Ivaldo, Lucas Oliveira e Eduardo Brock; Bruno Rodrigues, Machado, Neto Moura (Rodolfo) e Matheus Bidu (Wesley Gasolina); Daniel Júnior (Rafa Silva), Chay (Willian Oliveira) e Luvannor (Edu).        Técnico: Paulo Pezzolano

 

Chapecoense

Saulo; Ronei, Léo, Xandão e Fernando; Pablo Oliveira (Marcelo Freitas), Matheus Bianqui e Darlan (Frazan); Felipe Ferreira (Thomás), Alisson (Kevin) e Willian Popp (Chrystian).                                                                                 Técnico: Marcelo Cabo

Motivo: 24ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro

Data: sábado, 13 de agosto de 2022

Local: Estádio Mané Garrincha, em Brasília

Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (Fifa/DF)

Assistentes: Lucas Costa Modesto (DF) e Leila Naiara Moreira da Cruz (Fifa/DF)

VAR: Márcio Henrique de Gois (SP)

Gols: Felipe Ferreira (Chapecoense, aos 5′ do 1°T); Oliveira (Cruzeiro, aos 3′ do 2°T)

Cartões amarelos: Pablo Oliveira, Léo, Saulo (Chapecoense)

Fonte: Agência Esporte

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA