ECONOMIA

Osasco se torna centro de tecnologia e vai abrigar iFood e Mercado Livre

Publicados

em


source
osasco
osasco

osasco


A cidade de Osasco , na região metropolitana de São Paulo , vem se destacando no setor de tecnologia . Além da Cidade de Deus do Bradesco, a cidade agora vai abrigar a sede do iFood e do Mercado Livre

Conhecida pelo cachorro-quente e pelo comércio de rua, a cidade decidiu inovar e reduzir a alíquota municipal do ISS (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza), de 3% para 2% em 2018, na gestão do prefeito Rogério Lins (Podemos). Além disso, a prefeitura passou a atender de forma personalizada as demandas de cada empresa. 


Além delas, a cidade também recebeu uma nova loja da Havan , e a Dafiti. Ambev, Track & Field e Camil são outras que instalaram algum tipo de operação na cidade nos últimos anos. 

Famosa por ser a “esquina comercial de São Paulo” e ter acesso às principais rodovias do estado, como Castello Branco, Bandeirantes e ao Rodoanel, Osasco é uma das cidades da região metropolitana cujo motor de crescimento é o setor de serviços, enquanto outras sofrem com a saída de indústrias.

Leia Também:  Dal Molin indica implantação de Centro de Cardiologia no Hospital Regional de Sorriso

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

IBGE: construção voltou a crescer em 2019, após dois anos de queda

Publicados

em


A Pesquisa Anual da Indústria da Construção (Paic) 2019, divulgada hoje (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que naquele ano o setor totalizou R$ 288 bilhões, sendo R$ 273,8 bilhões em obras e serviços de construção e R$ 14,2 bilhões em incorporações. Desse total, R$ 127,3 bilhões foram em construção de edifícios, R$ 92,8 bilhões em obras de infraestrutura e R$ 67,9 bilhões em serviços especializados.

Em 2019, o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu 1,4%, o terceiro valor positivo seguido após a retração observada em 2015 e 2016. A construção havia retraído em 2017 e 2018 e voltou a crescer em 2019, alcançando 1,5%. A criação de empregos no setor também voltou a crescer, após vários anos de queda ou estagnação.

A pesquisa identifica mudanças estruturais na indústria da construção ao longo do tempo, não fazendo relações de causalidade nem análises conjunturais. As variáveis analisadas são empregos e salários, receita, custos e despesas, valor das incorporações e tipos de obra. A série histórica traz a análise de dez anos, de 2010 a 2019.

O IBGE destaca que se em 2010 as obras de infraestrutura respondiam por 44,1% da indústria da construção, em 2019 caíram para 32,2%, passando de primeiro para o segundo lugar em valor total. A construção de edifícios assumiu a primeira posição, passando de 39,1% em 2010 para 44,2% em 2019. Essa inversão foi verificada em 2012 e se acentuou em 2015, mantendo proporções parecidas desde então. Os serviços especializados para construção vêm numa trajetória crescente, passando de 16,8% em 2010 para 23,6% em 2019.

Leia Também:  Conta de luz vai ficar 20% mais cara para cobrir rombo de R$ 1,5 bilhão

Segundo a pesquisa, a diminuição da infraestrutura pode ser associada à queda da participação do setor público, que passou de 41,4% em 2010 para 30,3% em 2019, já que o investimento necessário para o setor é muito elevado, assim como a incerteza. Essa mudança reflete também o fim do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o início da modalidade Parcerias Público-Privadas (PPP).

Ocupação e remuneração

Foram registradas 125,1 mil empresas no setor de construção em 2019, com 1,9 milhão de pessoas ocupadas, um aumento de 1,7% frente a 2018. Um total de R$ 56,8 bilhões foi pago em salários, remunerações e retiradas, o que representa 2,7% de aumento real na mesma comparação. É o primeiro resultado positivo desde 2014 para os dois indicadores.

Por outro lado, quando se compara 2019 com o ano de 2014, o número de pessoas ocupadas é 34,2% menor, e o total de salários, remunerações e retiradas caiu 41,6%, segundo o IBGE. Na comparação decenal, o porte das empresas caiu a menos da metade, indo de uma média de 32 pessoas ocupadas por empresa em 2010 para 15 em 2019. Já o salário médio mensal diminuiu de 2,6 salários mínimos para 2,3 no mesmo período.

Leia Também:  Prova de vida do INSS: veja como desbloquear o benefício

Tipo de obra

As mudanças estruturais na indústria da construção podem ser verificadas também no tipo de obra ou nos serviços realizados. Enquanto em 2010 o primeiro lugar ficava com a construção de rodovias, ferrovias, obras urbanas e obras de arte especiais, com 21%, o grupo passou para o terceiro lugar em 2019, com participação de 16,2%. O primeiro lugar foi ocupado pelas obras residenciais, que ficavam em segundo com 20,6%, e subiram para 25,7%. Serviços especializados para construção passaram de terceiro (15,4%) para segundo (19,8%).

A pesquisa destaca o aumento do crédito imobiliário e dos programas de habitação popular que ocorreram no período, além do aumento do poder de compra das famílias, que impulsionaram as obras residenciais e a aquisição da casa própria.

Edição: Graça Adjuto

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA