RONDONÓPOLIS

ECONOMIA

Nubank tem prejuízo de US$ 45 milhões, mas destaca ‘lucro ajustado’

Publicados

em

source
Nubank tem prejuízo de US$ 45 milhões, mas volta a destacar “lucro ajustado”
Emerson Alecrim

Nubank tem prejuízo de US$ 45 milhões, mas volta a destacar “lucro ajustado”

Nesta semana, o Nubank divulgou os resultados financeiros relacionados ao seu primeiro trimestre de 2022. Os números mostram que a companhia registrou prejuízo líquido de US$ 45,1 milhões , mas lucro ajustado de US$ 10,1 milhões. Na comparação com o mesmo período de 2021, houve progresso. Apesar disso, a sensação é a de que o desempenho poderia ter sido melhor.

Em número de clientes, o Nubank fez bonito. A instituição registrou 5,7 milhões de novos usuários no primeiro trimestre de 2022. Esse número fez a base total chegar a 59,6 milhões de clientes. Na comparação ano a ano, houve um acréscimo de 22,5 milhões de usuários.

A receita nos três primeiros meses do ano ficou em US$ 877,2 milhões. É outro número impressionante, principalmente se levarmos em conta que, no primeiro trimestre de 2021, a receita registrada foi de US$ 245 milhões.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o perfil geral do Portal .

Já o lucro bruto ficou em US$ 294,1 milhões. Mas, de novo, esse é o lucro bruto. Se olharmos para o lucro líquido ajustado, que considera despesas sobre a remuneração de ações e seus efeitos tributários, o valor ficou em US$ 10,1 milhões.

Leia Também:  PEC Eleitoral: relator quer ler o parecer hoje para driblar oposição

Não é um valor muito animador para os investidores. Mas o montante é melhor do que o prejuízo líquido ajustado de US$ 13,1 milhões que o Nubank apresentou no primeiro trimestre de 2021.

Coincidência ou não, na divulgação dos resultados sobre 2021, a companhia também havia dado destaque para o lucro líquido ajustado.

Agora, se olharmos para o lucro líquido em si (que não considera os ajustes aplicados pela instituição), bom… Não houve lucro. Na verdade, a companhia encerrou o período com um prejuízo líquido de US$ 45,1 milhões, montante equivalente a R$ 224 milhões na conversão atual.

Em resumo, não foi no último trimestre que o Nubank “deu dinheiro”. Pelo menos os US$ 45,1 milhões são um valor “menos pior” do que o prejuízo de US$ 49,4 milhões registrado no primeiro trimestre de 2021.

Fundador do Nubank mantém otimismo

Alguns fatores explicam esse cenário pouco agradável. Um deles é o aspecto da inadimplência. 4,2% dos empréstimos feitos pelo Nubank no período estão com mais de 90 dias de atraso nos pagamentos. Já o índice de inadimplência entre 15 a 90 dias ficou em 3,7%.

A despeito desse e dos demais complicadores, David Vélez, fundador e CEO do Nubank, manifestou otimismo no relatório financeiro:

“Esse foi o trimestre mais forte na história do Nu. Alcançamos cerca de 60 milhões de clientes e uma taxa de atividade recorde de 78%.

(…) Nossa carteira de crédito teve expansão significativamente superior à do mercado e manteve níveis de qualidade saudáveis. Esse resultado é fruto do nosso avançado modelo de risco e de nosso portfólio de crédito disciplinado e resiliente, especialmente considerando as condições macroeconômicas atuais.”

Mas o mercado financeiro não parece concordar com o executivo. Na terça-feira (17), um dia após a divulgação dos resultados financeiros, o Nubank (NUBR33) perdeu aproximadamente US$ 1,2 bilhão em valor de mercado.

Nubank tem prejuízo de US$ 45 milhões, mas volta a destacar “lucro ajustado”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Procon-RJ autua mais 15 postos por irregularidade no ICMS

Publicados

em

ICMS: no terceiro dia de fiscalização, quinze postos são autuados por não reduzirem valor da gasolina
Divulgação

ICMS: no terceiro dia de fiscalização, quinze postos são autuados por não reduzirem valor da gasolina

Quinze postos de gasolina foram autuados pelas equipes da Secretaria de Estado de Defesa do Consumidor e do Procon Estadual, nesta quarta-feira (6), o  terceiro dia da operação que visa conferir se os estabelecimentos estão cumprindo a determinação do estado em baixar o preço dos combustíveis após a redução do ICMS . Na última sexta (1º), o governador Cláudio Castro anunciou a redução de 32% para 18% no valor do imposto.

Além disso, outros 75 tiveram o preço reduzido de acordo com o esperado, nove apresentaram preço reduzido abaixo do esperado e outros 19 adequaram preços durante a ação. O preço mais baixo encontrado pelas equipes foi de R$ 5,59, em Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio. No total, 102 postos foram fiscalizados nesta quarta (6).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Segundo o Governo do Rio, a média do preço praticado para a venda de gasolina diminuiu ainda mais se comparada com os dias anteriores. Nesta quarta (6), o valor médio cobrado foi de R$ 6,30 por litro – uma redução de R$ 1,50 em relação ao preço médio anterior à redução do ICMS. A operação, iniciada na última segunda-feira (4), é realizada e em todas as regiões do estado para garantir que a redução do ICMS sobre a gasolina e o etanol de 32% para 18% chegue até o bolso dos consumidores. Ao todo, 297 postos de combustíveis já foram fiscalizados e 110 receberam autuação por alguma irregularidade. Os fiscais constataram que 173 estavam com o valor reduzido de acordo com a nova tributação, 74 baixaram o preço abaixo da expectativa e 50 adequaram o valor durante a fiscalização.

Leia Também:  PEC Eleitoral: veja como o governo vai usar os R$ 41 bilhões

Consumidores poderão denunciar os postos que não estão cumprindo a medida. Neste caso, é imprescindível que o consumidor informe o nome e a localização do posto, com o endereço completo do estabelecimento, além de um breve relato sobre o que está denunciando. Em seguida, o relato pode ser enviado por meio dos três canais do Procon-RJ: o aplicativo, o site do órgão (www.procononline.rj.gov.br) e uma linha exclusiva para denúncia via WhatsApp (21) 98104-5445.

“Não faz sentido o estado abrir mão de uma receita importante e isso não ser revertido para o consumidor. Vamos continuar fiscalizando, checando as denúncias e garantindo que o direito do consumidor não seja ignorado”, garantiu o governador Cláudio Castro.

Desde o início da ação, o Procon-RJ já recebeu 262 denúncias sobre o preço dos combustíveis, porém apenas 107 delas foram válidas.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA