ECONOMIA

Dólar cai nesta sexta, mas fecha mês com alta de 2,17%

Publicados

em


Graças a uma intervenção do Banco Central (BC), o dólar encerrou a sexta-feira (30) em queda, mas acumulou, em outubro, alta pelo terceiro mês seguido. A bolsa de valores caiu pela quarta vez na semana e encerrou o mês com o pior desempenho semanal desde o início da pandemia do novo coronavírus, em março.

O dólar comercial fechou esta sexta-feira vendido a R$ 5,737, com recuo de R$ 0,027 (-0,47%). A divisa ultrapassou a barreira de R$ 5,80 perto das 12h, forçando o Banco Central (BC) a intervir no câmbio, vendendo US$ 787 milhões das reservas internacionais à vista. Somente por volta das 13h, a cotação passou a cair, passando a operar em baixa no restante do dia.

Apesar da queda nesta sexta-feira, o dólar subiu 1,97% na semana e encerrou outubro com alta de 2,17%. Em 2020, a divisa acumula valorização de 43%.

Ações

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela cautela. Depois de uma recuperação ontem (29), o índice Ibovespa, da B3, fechou o dia com recuo de 2,72%, aos 93.952 pontos. O indicador acumulou queda de 7,22% na semana, o pior desempenho para uma semana desde março.

Leia Também:  Estados e municípios poderão pegar mais R$ 2 bi em empréstimos

O Ibovespa, que vinha numa trajetória de alta e chegou a operar acima dos 100 mil pontos na semana passada, despencou nesta semana, revertendo os ganhos recentes. Em outubro, o índice acumulou queda de 0,69%.

O avanço nos casos de covid-19 na Europa abalou os mercados globais nos últimos dias. A imposição de novas medidas de lockdown em diversos países do continente influenciou as projeções de recuperação da economia europeia.

O mercado também está sendo influenciado pelas tensões com a proximidade das eleições norte-americanas, na próxima terça-feira (3). A indefinição no resultado e a possibilidade de contestação de votos enviados pelos correios tem deixado os investidores nervosos em todo o planeta.

*Com informações da Reuters

Edição: Aline Leal

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras

Publicados

em


source

Contato Radar

undefined
Luis Neves

A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras

Neste ano, o trimotor produzido pela americana Mcdonnell Douglas, completou 30 anos. Mesmo não sendo um sucesso absoluto de vendas, o modelo fez história e chegou a operar para as principais companhias aéreas ao redor do mundo.

O Brasil foi o único operador do modelo na América Latina, que teve o trimotor voando nas cores da Varig, VASP e TAM. Em 1992, foram entregues com poucos meses de diferença os primeiros MD-11, chegando primeiro na Varig e depois na VASP.

No total a Varig chegou a operar com 28 aeronaves MD-11, sendo 26 configurados para passageiros e 2 eram cargueiros puros. A VASP por sua vez, chegou a operar com 9 aeronaves MD-11 de passageiros em sua frota.

Com passar dos anos e com a crise que afetou as duas companhias aéreas, parte da frota dos trijatos americanos deixaram o país. Porém, uma aeronave em especial teria outras oportunidades para continuar voando com a bandeira brasileira estampada em sua fuselagem.

Entregue novo em 27 de novembro de 1996 para a VASP como PP-SFD, recebeu o nome de batismo de “Nossa Senhora Aparecida”, que por quatro anos ficou atendendo as rotas internacionais da companhia. No final dos anos 90, a VASP mergulhava numa crise que anos depois colocou um fim em sua história. No dia 23 de abril de 2000, foram tomados pelo fabricante os últimos quatro MD-11 que ainda restavam na companhia, entre eles estava o SFD.

Leia Também:  Maradona: craque decreta falência e  faz fortuna após se aposentar; relembre

O que parecia ser o fim da história do trijato em terras tupiniquins era apenas um renascimento, com uma nova roupa.

O retorno da fênix

A aeronave ficou por um período nos Estados Unidos e foi matriculado como N799BA. Em 2001, a aeronave volta a ostentar a bandeira brasileira em sua fuselagem, desta vez nas cores da Varig, matriculado como PP-VQX.

Foram seis anos cruzando os céus do Brasil e do mundo nas cores da companhia, e mesmo com a proposta de receber aeronaves novas e usadas para renovação da frota, a Varig vinha apresentando balanços financeiros negativos por vários anos. Em 22 de junho de 2005, a justiça brasileira deferiu o pedido de recuperação judicial, e com dívidas chegando a 5,7 bilhões de reais, nem mesmo as propostas foram o suficiente para salvar a empresa, que chegou ao fim em 20 de agosto de 2010, quando foi decretado a falência da antiga Varig.

De casa nova…

Antes de fechar as portas de vez até ser comprada pela Gol, a Varig estava perdendo boa parte da sua frota para seus credores. Em 2006 foi a vez do VQX deixar a Varig, sendo tomado pela Boeing, que havia adquirido a Mcdonnell Douglas.

Esteja informado: clique aqui e leia mais notícias de aviação!

Em janeiro de 2007, a Boeing cedeu para TAM três MD-11 ex-Varig em regime de leasing provisório até a chegada dos primeiros Boeing 777-300ER comprados pela companhia. O retrofit das aeronaves foram feitas na Varig Engenharia e Manutenção (VEM) no Rio de Janeiro, onde o VQX, passou a possuir uma nova identidade, deixando o hangar com a matrícula PT-MSJ.

Leia Também:  Dia ensolarado e quente nesta quinta em São Paulo

Na TAM, os MD11 foram responsáveis principalmente pelas rotas para Paris e Milão.

Gradativamente, as aeronaves começaram a deixar a frota a partir de agosto de 2008, sendo substituídos pelos novos 777-300. Entretanto, o último MD-11 a deixar a frota da TAM, sendo também o último MD-11 que operou no Brasil no transporte de passageiros foi o protagonista desta história, o PT-MSJ. Seu último voo aconteceu em 12 de dezembro daquele mesmo ano, partindo de São Paulo (GRU) para Paris (CDG).

Com fim de sua jornada ostentando a bandeira brasileira por quase doze anos, o lendário MD-11 retornou para os Estados Unidos para a transformação que lhe daria mais alguns anos de vida. Em 03 de setembro de 2009, após ser transformado em carpassagepor completo, o MD-11F de número de série 48769, foi entregue ao seu atual operador, a FEDEX, onde foi matriculado como N573FE.

Atualmente, a Lufthansa Cargo é a única operando com o MD-11F para o Brasil. Seus voos regulares com transporte de cargas estão programados para ocorrer até 29 de dezembro deste ano, quando serão substituídos pelo Boeing 777-200F.

O post A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA