CARROS E MOTOS

Veja 5 fabricantes que desistiram de produzir carros no Brasil

Publicados

em


source

A semana começou agitada para todo o mercado nacional, que teme o início de um processo de desindustrialização do Brasil. A crise econômica e a pandemia causada pelo novo coronavírus impõem barreiras que tornam as operações no país impraticáveis.

Segundo um estudo publicado pelo IBGE, 716.000 empresas fecharam as portas no Brasil apenas nos três primeiros meses de pandemia. Este número promete se agravar em 2021, principalmente na indústria automotiva. Partindo disso, a reportagem do iG Carros relembra 5 fabricantes de veículos que já produziram no Brasil, mas optaram por encerrar as operações.

1 – Ford

Ford Ka Sedan
Divulgação

Decisão de abandonar a indústria nacional vai levar 5 mil pessoas ao desemprego

A indústria nacional ainda está digerindo a decisão da Ford de abandonar a produção nacional, declarando o fim de Ka, Ka Sedan e EcoSport. A marca fechará as fábricas de Camaçari (BA), onde os veículos eram produzidos, e a linha de motores e transmissões de Taubaté (SP).

Com o fim da produção dos modelos da Ford no Brasil, feitos por aqui por mais de 100 anos, a participação de mercado da marca deverá cair ainda mais. Considerando as vendas de automóveis e comerciais leves, a Ford ocupa hoje em dia quinta posição, com 7,14% ,atrás de Toyota (7,07%) e Renault (6,75%), segundo o balanço de 2020 da Fenabrave (Federação dos Distribuidores de Veículos). Ambas deverão ultrapassar a Ford, que corre o risco de ficar com apenas o oitavo lugar em vendas no País em poucos meses.

2 – Troller

Troller
Divulgação

Herança da Ford, Troller deverá encerrar produção ainda em 2021; governo do Ceará busca investidores para mantê-la operante

A Ford também é proprietária da Troller , montadora de veículos aventureiros sediada na cidade de Horizonte (CE). O fim da produção dos modelos está marcado para o último trimestre de 2021, afetando cerca de 470 trabalhadores.

Leia Também:  Covid-19: situação do Brasil é "particularmente preocupante", diz Opas

Segundo o colunista Victor Ximenez, do Diário do Nordeste, o governo do Ceará busca investidores para manter a fábrica da Troller em Horizonte, o que poderia garantir sua sobrevivência. A informação não foi negada pela fabricante americana.

A Troller foi fundada em 1995 pelo empresário cearense Rogério Farias, com foco na produção de veículos aventureiros. Ao longo de seus primeiros dez anos, a marca se destacou com o lançamento dos modelos RF Sport e T4, atraindo a atenção da Ford em 2007.

A Ford manteve as operações da Troller em Horizonte, mas incorporou departamentos de marketing, pós-vendas e atendimentos à fábrica de São Bernardo do Campo (SP). Este complexo também foi fechado em 2019 como parte da reestruturação global, colocando fim na vida do hatch Fiesta e da linha de caminhões.

3 – Mahindra

Mahindra
Divulgação

Após 8 anos de vendas em baixa, a Mahindra decidiu abandonar o Brasil em 2015; você já viu algum na rua?

Apesar de ser uma das maiores fabricantes de veículos da Índia, a Mahindra não foi bem sucedida em sua passagem no Brasil. A marca desembarcou por aqui em 2007, com foco na produção de SUVs, mas praticamente entrou muda e saiu calada.

Representada pelo Grupo Bramont, a Mahindra importava suas carrocerias da Índia para que os veículos fossem montados em Pouso Alegre (MG) – um estilo e produção muito comum, chamado CKD.

A grande diferença da Mahindra é que os modelos não saíam prontos de Pouso Alegre. Eles eram transportados de caminhão até Belém (PA), e de lá eram encaminhados para Manaus (AM) onde as carrocerias eram acopladas ao chassi. Por conta da crise econômica de 2015, a Mahindra decidiu interromper as importações. 

Leia Também:  FCA anuncia data de lançamento do SUV do Argo no Mercosul

4 – Willys-Overland do Brasil

Aero Willys
Divulgação

Pelé era o garoto-propaganda do Aero Willys, modelo da fabricante brasileira que deixou de existir em 1967

Eis uma fabricante clássica que não teve vida fácil no Brasil. A Willys-Overland foi fundada em 1952 na cidade de São Bernardo do Campo (SP), inicialmente vendendo o modelo importado Jeep Willys. Quatro anos depois, a marca passou a oferecer o Rural Willys, crossover que foi um verdadeiro sucesso nas ruas das grandes cidades.

Em 1959, a Willys-Overland fez um acordo com a Renault para vender os modelos da marca francesa no Brasil. O primeiro fruto da parceria foi o Willys Dauphine, lançado no mesmo ano. O Aero Willys, que teve ninguém mais, ninguém menos que Pelé como garoto-propaganda, chegou em 1960.

O Willys Interlagos chegou em 1961, feito com base no Renault Alpine. Em 1966, foi lançado o luxuoso sedã Itamaraty, uma versão mais sofisticada do Aero Willys.

A fabricante passou por uma grave crise financeira, e em 1967 a Ford assumiu o controle da Willys-Overland do Brasil. Uma curiosidade interessante é que a Willys já estava trabalhando em um novo veículo de baixo-custo para substituir o Dauphine no Brasil. A Ford finalizou o projeto, que deu origem ao Corcel.

Não é possível apontar com exatidão quando a Willys-Overland do Brasil teve seu fim. Alguns defendem que foi em 1967, quando a Ford assumiu as operações da marca. Mas os veículos da linha Aero e Jeep continuaram em produção ao longo dos anos 70, porém com o sobrenome Ford. A linha Jeep, em particular, sobreviveu até 1983.

5 – Romi

Romi-Isetta
Renato Bellote

O Romi-Isetta foi o primeiro veículo de produção nacional, antes de Fusca e Kombi; marca existe até os dias de hoje

O Isetta começou a ser produzido pelas Indústrias Romi S.A. em 1956, em Santa Bárbara d’Oeste (SP), sendo o primeiro veículo com fabricação nacional. O compacto, desenvolvido originalmente pela empresa italiana Iso Automotoveicoli, foi lançado com motor de dois tempos e uma única porta frontal.

O Isetta foi modernizado em 1959, ganhando motor de quatro tempos de origem BMW, mas as vendas não embalaram. A Romi parou de produzir o modelo em 1961, seguindo suas operações com foco em máquinas agrícolas no Brasil até os dias de hoje.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Aguardado no Brasil, Renault Kiger é revelado na Índia com motor turbo

Publicados

em


source
Renault Kiger estreia novo visual que deverá inspirar a renovação do Kwid nacional
Divulgação

Renault Kiger estreia novo visual que deverá inspirar a renovação do Kwid nacional

A Renault acaba de revelar o Kiger , novo SUV subcompacto que será posicionado abaixo de Duster e Captur. O modelo indiano é forte candidato a ser fabricado no Brasil, em São José dos Pinhais (PR), ao lado de seu correspondente da Nissan , o Magnite . Seu lançamento em nosso mercado é esperado para 2022.

Feito sobre a plataforma CMF-A do Kwid, o Kiger tem 3,99 metros de comprimento, 1,75 m de largura, 1,60 m de altura e 2,50 de distância entre-eixos. Na comparação com o Renault Sandero , o Kiger é mais curto (- 8 cm), mais largo (+ 2 cm) e tem entre-eixos menos generoso (- 9 cm). Destaque para o porta-malas de 405 litros, que supera por muito os 320 litros disponíveis no Sandero.

Por fora, o Kiger se destaca por suas linhas musculosas, que tentam neutralizar o fato do modelo ser um subcompacto. Ele lembra bastante o Kwid, apesar dos faróis estreitos com canhões de LED no para-choque dianteiro. Na traseira, as lanternas em formato de “C” acompanham o design que a Renault apresentou no Captur europeu.

Leia Também:  Volkswagen Taos chega ao Brasil no segundo trimestre de 2021

Você viu?

A Renault caprichou no interior do Kiger, que tem volante multifuncional, carregador de celular por indução, central multimídia flutuante de sete polegadas com suporte para Apple CarPlay e Android Auto sem fio, sistema de som premium Auditorium 3D Sound by Arkamy e ar-condicionado automático.

Interior do Renault Kiger indiano estreia recursos que são inéditos para o segmento dos SUVs subcompactos
Divulgação

Interior do Renault Kiger indiano estreia recursos que são inéditos para o segmento dos SUVs subcompactos

O Kiger indiano terá duas opções de motores. As versões básicas recebem motor 1.0 aspirado de 71 cv de potência e 9,6 kgfm de torque, com opção de câmbio manual ou automático, ambos de cinco velocidades. 

A partir das versão intermediária, o Kiger conta com motor 1.0 turbo de 99 cv e 16 kgfm de torque, que em um primeiro momento estará disponível apenas com câmbio manual de cinco marchas. A Renault prometeu uma versão CVT com motor turbo para outro momento. 

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA