CARROS E MOTOS

Triumph anuncia a chegada da nova Bonneville T100 ao Brasil

Publicados

em


source


Modelo T100 é o primeiro da família Bonneville a ganhar atualização da fabricante inglesa de motocicletas
Divulgação

Modelo T100 é o primeiro da família Bonneville a ganhar atualização da fabricante inglesa de motocicletas

A Triumph renova aos poucos todos os modelos da família Bonneville, considerada a linha de motocicletas clássicas da marca e o primeiro a ser atualizado é o T100 que conta agora com melhor desempenho, segurança e estilo.

As mudanças começam pelo  motor bicilíndrico, de 900 cc, agora com 65 cv de potência (10 cv a mais em relação ao antigo modelo) disponível a partir das 7.400 rpm) e torque de 8,15 kgfm a 3.750 rpm – sendo que 80% desse torque está disponível entre 2.000 e 7.000 rpm, garantindo ao seu usuário uma forte aceleração sempre que necessário.

Além disso, a Bonneville T100 também ficou mais leve (4k a menos) a exemplo dos novos componentes dos freios da marca Brembo com dois pistões com ABS e do controle de tração comutável melhorando significativamente a segurança e o conforto na condução.

Leia Também:  Salão de scooter mostrará setor aquecido e a nova era da mobilidade

Parte dessa comodidade de guiar está nos novos garfos dianteiros , equipados com amortecedores de maior especificação, combinados com os amortecedores duplos traseiros.

Outras novidades estão basicamente no painel de instrumentos com a marca Bonneville , para-lama traseiro em aço e os espelhos, aro do farol e tampa do compartimento de óleo cromados. A luz traseira é totalmente de LED .

A nova Triumph Bonneville T100 está sendo lançada pelo preço de R$ 52.990, exclusivamente na cor preta. Ainda não há previsão para lançamento no mercado brasileiro dos demais modelos da família Bonneville.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Conheça o Ford Corcel, que fez muito sucesso nos anos 1960 e 1970

Publicados

em


source


Em 1968 o Corcel chegava ao mercado nacional, inicialmente na versão com quatro portas e, em 1969, com duas portas
Divulgação

Em 1968 o Corcel chegava ao mercado nacional, inicialmente na versão com quatro portas e, em 1969, com duas portas

Logo após a Ford brasileira ter adquirido a Willys Overland do Brasil , não demorou muito para lançar um carro com propostas familiares, econômico, moderno e ainda que tivesse um bom desempenho.

A Willys  e a Renault  então depois de formada a parceria, desenvolvia o projeto “M” de carro médio. Lá na França daria origem ao R12 , um carro que fez muito sucesso naquele país.

Aqui, sua carroceria ganhava um desenho diferente em relação ao irmão francês, mais adequado ao gosto do brasileiro. A plataforma e o conjunto mecânico foram projetados pela fábrica francesa, que era líder de vendas naquele país.

Desta maneira, em 1968 o Corcel chegava ao mercado nacional disputando um novo segmento com a concorrência, já que antes as únicas opções da montadora americana eram Ford Galaxie 500 e os utilitários F100.

Ford Corcel da primeira geração era baseado no Renault 12, do qual herdou uma série de componentes
Divulgação

Ford Corcel da primeira geração era baseado no Renault 12, do qual herdou uma série de componentes

O compacto de três volumes bem definido compreendia um estilo comportado, disponibilizado apenas na versão com quatro portas, motivo este que eram vistos sempre nas praças como táxi.

O espaço era consideravelmente agradável, suficiente para quatro ocupantes, porém o mesmo não podia dizer de seu motor de 1.372cm3 , ou 1,3 litro , porém era mais convidativo se for comparado ao seu concorrente direto, o Renault Gordini , com míseros 845cc , lançado no mesmo ano do exemplar da Ford.

De linhas um tanto quanto conservadoras, porém sem perder o estilo atual para os padrões da época, o Ford Corcel era uma excelente opção para quem queria conforto, economia e ao mesmo tempo um bom acabamento, longe de qualquer crítica da imprensa especializada.

Leia Também:  Fiat Fiorino 2022 chega com mudanças no visual e motor 1.4 renovado

A frente exibia faróis circulares estampadas por uma enorme grade que os envolvia. No canto direito do capô, estava localizado o logo da Ford denunciando a sua origem.

Interior era refinado para a época entre o final dos anos 60 e o início dos 70, mais do que a maioria dos rivais
Reprodução

Interior era refinado para a época entre o final dos anos 60 e o início dos 70, mais do que a maioria dos rivais

Falando nisso, o capô ainda contava com um sistema exclusivo de abertura ao contrário dos carros convencionais, justamente para evitar o destravamento do mesmo, evitando assim sérios acidentes.

Os pequenos para-choques, assim como a grade eram cromados, uma forte tendência dos veículos da época. Na traseira, destacava as lanternas formando um conjunto harmônico com o resto da carroceria.

O bocal para abastecimento estava camuflado pelo suporte da placa de licença a qual para abastecer bastava puxar a placa localizando assim a tampa do mesmo.

As pequenas rodas nas medidas 13 x 4,5 pol ( opcionais: 13 x 5 pol ) recebiam calotas parciais cromadas que combinavam com o resto do conjunto. As rodas calçavam pneus, 6,45 – 13 ( opcionais: 185/70 SR 13 ).

Internamente, os bancos possuíam um desenho que inspirava conforto para quem os visse. Nas portas prevaleciam as maçanetas internas cromadas e a manivela do acionamento dos vidros, um sinal de que naquele tempo se valorizava o acabamento interno.

O porta-malas era espaçoso, suficiente para abrigar duas grandes malas de viagem. A visibilidade era um dos grandes trunfos, graças as quatro portas e a amplo campo de visão, principalmente nas manobras.

Leia Também

Ford Corcel também tinha um certo apelo esportivo, principalmente na versão cupê, pegando a reputação do Mustang
Renato Bellote/iG

Ford Corcel também tinha um certo apelo esportivo, principalmente na versão cupê, pegando a reputação do Mustang

Com estes atributos, o compacto da Ford , logo alcançou um bom desempenho nas vendas. Só para se ter uma ideia, no primeiro mês de produção foram vendidos 4.500 carros , e perto de 50 mil já em 1969, graças a inovações tecnológicas, até então inéditas no Brasil, como, por exemplo, o circuito selado de refrigeração e coluna de direção bipartida, itens que a forte concorrência ( Renault Gordini e VW Zé do Caixão ) deixava a desejar.

Leia Também:  Auxílio Brasil de R$ 400 terá primeiro pagamento em dezembro, diz ministro

O motor de quatro cilindros posicionado longitudinalmente, fixado com cinco mancais de apoio do virabrequim tinha 1,3 litro  e apenas 68 cv  brutos de potência. Apenas para frisar o Dauphine/Gordini usava apenas três mancais, daí a razão do compacto da Ford ser mais resistente.

Porém, o desempenho do motor não era suficiente para o peso de 930 kg do Corcel de acordo com o resultados obtidos mais tarde durante testes de aceleração.

No ano de 1969, a Ford disponibilizava a versão duas portas, denominada c upê de estilo mais esportivo. O carro era basicamente o mesmo, com exceção da ausência das duas portas extras.

Com este detalhe, a visibilidade ficou um pouco afetada, devido a coluna “C” ser ligeiramente mais inclinada. Assim como a versão quatro portas, a de duas portas também era possível abaixar os vidros traseiros, conferindo mais conforto aos ocupantes.

O sucesso do Corcel na versão Cupê de duas portas foi tão grande, que na geração II, lançada em 1978 junto com a Belina – só era disponibilizado nesta configuração, abolindo de vez a versão com quatro portas.

A chegada do Corcel II

Ford Corcel II passou a ser um carro mais sofisticado que acabou passando suas qualidades para o bem cotado Del Rey
Divulgação

Ford Corcel II passou a ser um carro mais sofisticado que acabou passando suas qualidades para o bem cotado Del Rey

Em 1971 com o sucesso de vendas ( 127 mil unidades ), a Ford amplia a sua gama com a versão GT , uma proposta aos jovens da época que buscavam esportividade. As principais diferenças eram: grade dianteira e capô na cor preta fosca, teto revestido de vinil, rodas esportivas, faixas pretas laterais, faróis de longo alcance redondos.

O grande destaque ficava pela carburação dupla e coletores especiais, porém seu desempenho ainda deixava a desejar em relação a sua vocação esportiva.

Então a Ford disponibilizou um novo motor para o seu GT, passando a se chamar Corcel GT XP (extra performance ou desempenho extra).Agora o motor com 1,4 litro rendia bons 85 cv cumprindo a tarefa de 0 a 100 km/h em 17 segundos. A sua velocidade máxima ultrapassava facilmente a barreira dos 145 km/h.

Dois anos mais tarde, a linha Corcel e Belina ( lançada em 1970 ), ganhavam uma leve reestilização como grade, faróis e lanternas e capô, mas a maior mudança mesmo era o seu motor mais forte, uma heresia trazida de seu irmão mais vitaminado, o GT XP.

Em 1975 era lançado o Corcel LDO. Era o mesmo carro, porém com requintes como painel, portas e bancos monocromáticos, rodas do GT, teto de vinil e grade cromada, entre outras peculiaridades.

Assim a linha Corcel resistiu até 1977, quando a Ford já divulgava as primeiras imagens da segunda geração do modelo, ganhando a denominação “II” referindo-se a segunda reestilização que o modelo sofria.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA