CARROS E MOTOS

Jeep Renegade Moab: o SUV a diesel mais em conta

Publicados

em


source
Jeep Renegade Moab 2021
Carlos Guimarães/iG

Jeep Renegade Moab 2021: A nova versão vem com a inscrição “Moab” nos para-lamas dianteiros e rodas de liga-leve pintadas de preto entre os destaques do visual

Embora ainda esteja bem acima das possibilidades da maioria dos brasileiros, o Jeep Renegade Moab se torna o SUV a diesel mais em conta disponível no Brasil, com preço sugerido que parte de R$  146.590. Para quem curte trilhas no meio do mato, o carro é uma boa pedida, uma vez que, além do conjunto mecânico valente, ainda tem o sistema de tração 4×4 mais completo da marca no País.

São cinco modos de condução: Auto, Snow, Sand, Mud, Rock (automático, neve, areia, lama, pedra), mais 4×4 Low, 4×4 Lock (bloqueio) e freio automático de descidas, também conhecido com HDC (Hill Descent Control), recurso que começou a ser usado pela Land Rover , na década passada. E tudo é controlado eletronicamente por um botão giratório no  console central, de maneira fácil de rápida.

Mas por que o motor turbodiesel é o mais indicado para enfrentar trilhas, ou terrenos acidentados? Em linhas gerais, porque consegue gerar uma boa dose de força em baixos regimes de rotação (importante para encarar subidas e demais obstáculos) , já que tem alta taxa de compressão (16,5: 1), commom rail (linha de combustível que distribuiu combustível para cada cilindro) e turbina de baixa inércia com rotores de cerâmica entre os principais componentes.  Na prática, são 35,7 kgfm de torque máximo a meros 1.750 rpm.

É pisar um pouco mais forte no acelerador para o carro responder com vigor, mostrando o conjunto harmonioso formado pelo motor 2.0 turbodiesel com o sistema de transmissão com caixa automática (feita pela alemã ZF) de 9 marchas. Sem dúvida, o conjunto mecânico é o grande destaque do Renegade Moab, que é baseado na versão mais em conta do SUV, a Sport. 

Leia Também:  Conheça a Lupa, startup que pretende vender carros elétricos no Brasil

Não é só nas trilhas que o Moab vai bem, no asfalto também. Vale ter certa cautela com vão livre do solo de 21,6 cm, mas há controle eletrônico de estabilidade e direção com assistência elétrica, leve nas manobras e que vai ganhando peso conforme o aumento da velocidade. O ruído característico do motor turbodiesel não chega a atrapalhar e também não há vibrações incômodas. 

Afora os ganchos para reboque nos para-choques e as rodas de liga-leve de aro 17, pintadas de preto e calçadas em pneus de uso mais voltado para o asfalto (215/60R 17), o Jeep Renegade Moab (nome do deserto deserto de Moab, que fica no estado de Utah, nos EUA, um dos paraísos dos adeptos das trilhas off-road) tem detalhes mais simples que nas demais versões a diesel do SUV, a Longitude (R$ 156.590) e a Trailhawk (R$ 168.890).

Por fora, já começa pelos faróis e lanternas sem LED. Tudo funciona com lâmpadas convencionais. Além disso, as carcaças dos retrovisores e as maçanetas das portas não vêm com pintura da mesma cor do carro e grade dianteira não conta com contornos cromados. No interior, os sinais de simplicidade começam com os bancos de tecido e com volante sem revestimento de couro, bem como pela central multimídia de 7 polegadas no lugar da de 8,4 das versões (Longitude e Trailhawk) entre as diferenças. 

Leia Também:  Michelin promete pneus 100% sustentáveis até 2050

No dia a dia, porém, são itens que não fizeram tanta falta. Além disso, o carro vem com um pacote interessante de itens de série que inclui câmera de ré, ar-condicionado digital com regulagem independente de meio em meio grau, faróis auxiliares de neblina, sensores no para-choque traseiro para ajudar nas manobras de estacionamento, banco traseiro bipartido, entre outros equipamentos.

Embora tenha aumentado um pouco de tamanho, o porta-malas do Renegade ainda continua apertado para um SUV. São apenas 320 litros, mas sem rebater os encostos dos bancos traseiros. Fazendo isso, é possível até levar uma bicicleta de aro 29, contanto que apenas os dois bancos dianteiros sejam ocupados. 

Você viu?

Conclusão

Jeep Renegade Moab 2021
Divulgação

Jeep Renegade Moab 2021

Quase sem novidades no visual desde o lançamento, há quatro anos, o Jeep Renegade continua indo bem nas vendas entre os SUVs compactos, com o segundo lugar em 2020 no segmento, atrás apenas do VW T-Cross . Uma das estratégias que têm dado certo fica por conta das versões especiais, como a Moab, que nos pareceu estar com a receita adequada.

Ficha técnica

Jeep Renegade Moab 2.0 Diesel

Preço: R$ 146.590

Motor: 2.0, quatro cilindros, turbodiesel

Potência : 170 cv a 3.750 rpm

Torque: 35,7 kgfm a 1.750 rpm

Transmissão: Automático, nove marchas, tração 4×4

Suspensão: Independente (dianteira e traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e disco sólido na traseira

Pneus: 215/60 R17

Dimensões: 4,23 m (comprimento) / 1,81 m (largura) / 1,71 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque : 60 litros

Porta-malas: 320 litros

Consumo: 10,1 km/l (cidade) /12,5 km/l (estrada)

0 a 100 km/h: 9,9 segundos

Vel. Max: 190 km/h

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

O que donos de seminovos nacionais da Ford devem fazer? Especialistas opinam

Publicados

em


source
Presente no Brasil desde 1919, Ford encerrou produção de veículos em Camaçari (BA) e Horizonte (CE)
Divulgação

Presente no Brasil desde 1919, Ford encerrou produção de veículos em Camaçari (BA) e Horizonte (CE)








A notícia de que a Ford estava fechando suas fábricas no Brasil após 101 anos produzindo veículos caiu como uma bomba na indústria automotiva no começo de 2021. Cerca de 5 mil trabalhadores perderam seus empregos, levando as cidades de Camaçari (BA) e Horizonte (CE) ao desespero. Neste cenário, milhões proprietários de veículos nacionais da Ford também ficaram assustados.

Afinal, o que donos de Ka , Ka Sedan ou EcoSport devem fazer agora que a fabricante descontinuou os modelos no Brasil? A reportagem do iG Carros consultou especialistas do mercado automotivo para entender qual é a melhor iniciativa a ser tomada nos próximos meses.

Paciência 

Paulo Garbossa, da ADK Automotive, avalia que vender o Ford nacional agora pode desvalorizar o veículo
Divulgação

Paulo Garbossa, da ADK Automotive, avalia que vender o Ford nacional agora pode desvalorizar o veículo

O consultor Paulo Roberto Garbossa, da ADK Automotive, afirmou que no primeiro momento, é natural que proprietários de carros nacionais da Ford fiquem assustados, mas ressalta que o mercado irá se ajustar em breve .

“Se o proprietário vender o carro agora, no calor do momento, pode perder dinheiro. Se esperar alguns meses, vai ver que continua inserido no mesmo mercado de antes”, afirma Garbossa à reportagem do iG.

Leia Também:  Honda CG 160 é a moto com menor depreciação no Brasil

“É preciso ter paciência para não tomar atitudes precipitadas. Você comprou o carro porque gostou. Ele te atende, e isso é o que importa”, continua o especialista. “Use o carro. Na hora que for vender, você vai se encontrar no mesmo mercado de sempre”.

Paulo Garbossa também ressalta que Ka, Ka Sedan e EcoSport continuam bem servidos de peças de reposição , independentemente de terem saído de linha. “Tome o Celta como exemplo. Ele foi descontinuado pela GM há muitos anos, mas a demanda por ele nunca caiu. No mercado, não faltam peças do Celta. Isso também acontecerá com os seminovos da Ford”, finaliza.

Você viu?

Desequilíbrio entre oferta e demanda

Esperar o impacto da notícia arrefecer para mitigar os possíveis efeitos de maior desvalorização é o ideal, diz KBB Brasil
Divulgação

Esperar o impacto da notícia arrefecer para mitigar os possíveis efeitos de maior desvalorização é o ideal, diz KBB Brasil

A KBB Brasil, analista de preços de carros novos e usados, ressalta que apesar da provável diminuição da rede de pós-venda da Ford , a companhia não vai deixar de atender seus clientes com as concessionárias que permanecerem.

“Já para quem está querendo trocar de carro, o ideal seria esperar o impacto da notícia arrefecer para mitigar os possíveis efeitos de maior desvalorização que estes modelos estariam sofrendo atualmente, já que pode haver um desequilíbrio entre a oferta e a demanda. Quanto maior for o volume de pessoas querendo vender seus carros , maior pode ser o efeito de desvalorização”, informa a KBB. 

Reserva financeira

A iniciativa de vender o Ford nacional deve levar em conta o contexto de pandemia e crise econômica, avalia a InstaCarro
Divulgação

A iniciativa de vender o Ford nacional deve levar em conta o contexto de pandemia e crise econômica, avalia a InstaCarro

A InstaCarro, plataforma que faz intermediação de vendas de carros seminovos, avalia que o proprietário deve levar em conta o momento peculiar do Brasil em 2021, com crise econômica e pandemia fora de controle . “Pensando racionalmente, o ideal seria manter o veículo ou vendê-lo para ter uma reserva financeira. Comprar outro ainda não. Isso vale para donos de Ford ou de qualquer outra marca”, diz a plataforma.

Leia Também:  Flor conta sobre seu abuso: 'gritei e ninguém me ajudou'

Os analistas de mercado da InstaCarro avaliam que o primeiro ano sem fábricas no Brasil será determinante para o andamento das operações da Ford ao longo da década . “Mesmo que tudo funcione perfeitamente e ninguém fique desamparado, os veículos usados da marca certamente cairão de preço. Não há o que fazer. Por caírem de preço, acreditamos que eles serão ainda mais procurados.”

Comportamento do mercado

Proprietários que estejam assustados costumam vender seus veículos por preços entre 10% e 20% abaixo da Tabela Fipe, diz AutoInforme
Divulgação

Proprietários que estejam assustados costumam vender seus veículos por preços entre 10% e 20% abaixo da Tabela Fipe, diz AutoInforme

Para Luiz Cipolli, analista de valor de revenda da Agência AutoInforme, a tendência é que consumidores que estejam com medo do mercado vendam seus veículos por preços entre 10% e 20% abaixo da Tabela Fipe , mas até o momento, isso não está acontecendo com proprietários de modelos Ford.

“Observando o comportamento de donos de Ka, Ka Sedan e EcoSport nos classificados online, vemos que os modelos não sofreram desvalorização além da esperada desde que a montadora saiu do Brasil ”, diz o especialista, que lembra que a depreciação do valor de modelos da Ford já era maior que a da concorrência mesmo antes da fabricante optar por deixar o país.

Sem pânico

A Ford continua presente e comprometida a honrar seus compromissos no Brasil, diz Luck Lima, da Carupi
Divulgação

A Ford continua presente e comprometida a honrar seus compromissos no Brasil, diz Luck Lima, da Carupi

Luck Lima, especialista comercial da Carupi, plataforma online de venda de veículos, diz que a Ford continua sendo referência no mercado independentemente de ter fechado suas fábricas. Vender o veículo agora pode transparecer pânico , e o consumidor pode ser passado para trás na negociação.

“A Ford continua presente e comprometida por meio de suas concessionárias e pontos de serviço a realizar as manutenções, fornecimento de peças, honrando as garantias e quaisquer outros serviços relacionados aos veículos no Brasil”, avalia o executivo.

“A Ford foi bem clara a respeito da razão estratégica de sua decisão. Se os produtos colocados no mercado, pela marca, forem consistentes com a tecnologia e performance de seus concorrentes, não há razão para uma queda na confiabilidade ou no posicionamento de marca da empresa ”, finaliza.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA