CARROS E MOTOS

Dodge Dart Funerário: veja vídeo da rara perua que chama atenção

Publicados

em


source
Dodge Dart fúnebre é um clássico realmente raro e inusitado de se ver, ainda mais em perfeito estado de conservação
Renato Bellote/iG Carros

Dodge Dart fúnebre é um clássico realmente raro e inusitado de se ver, ainda mais em perfeito estado de conservação

Imagine a seguinte situação. Você está no trânsito parado de São Paulo e de repente olha para o lado e vê um carro diferente. Uma perua Dart. Mas tem algo a mais. É uma urna e algumas cortinas que denunciam que aquele é um carro fúnebre. Na matéria de hoje vamos conhecer uma das versões mais interessantes e desconhecidas do modelo no Brasil.

O Dodge Dart chegou mercado em 1969. Ele substituiu o Chrysler Esplanada com bastante sucesso trazendo todo o estilo das ruas dos Estados Unidos para o nosso trânsito. Como qualidades um estilo moderno e alinhado com o que acontecia no mercado de lá. Além disso o motor V8 que o diferenciava de um de seus concorrentes, o Chevrolet Opala .

Leia Também:  Indústria das motocicletas tem melhor desempenho desde 2015

Pode lembrar que nessa época já tínhamos o recém-lançado Ford Galaxie , que esbanjava todo o seu conforto, elegância e requinte pelas ruas brasileiras com o ronronar macio do propulsor V8 de 272 polegadas cúbicas. Mas o Dodge chegava para ser o rei, com maior motor disponível na época.

No início da década de 70 a Chrysler teve a ideia de inserir no mercado nacional uma perua. Algo que já acontecia no mercado da Austrália, com a Valiant, e poderia também ser bem aceita por aqui. Apenas 8 unidades foram feitas por uma empresa de Caxias do Sul (RS) para laboratório e testes com clientes.

Leia Também

Leia Também

Infelizmente, o projeto não evoluiu e a maior parte dos exemplares construídos acabou sendo vendido para empresas funerárias . Dentre estas restaram, pelo que me disse o proprietário, apenas duas. Uma delas é esta que estou trazendo para vocês e pertence ao mesmo dono há alguns anos.

O carro passou por um processo de restauração e retomou a tonalidade original da carroceria, o belo verde Córdoba. A combinação com interior marrom ficou excepcionalmente bela. Sei que estamos falando de um carro funerário mas isso não tira o mérito do bom gosto. Além disso ele manteve a caracterização original com as cortinas e a cruz pintada no vidro.

Leia Também:  Gabily dá show de malemolência em vídeo provocante no Instagram: “A mãe tá on!”

A primeira coisa quando guiamos diz respeito à ergonomia. Ao contrário do Dogde Dart convencional nesse caso o espaço do banco dianteiro, inteiriço, é bem restrito, já que é necessário utilizar grande parte do cumprimento do veículo para levar a urna funerária . Aliás, uma delas está no carro, o que causa surpresa aos demais motoristas. O restante vocês conferem no vídeo. Até a próxima semana!

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

VW Kombi: saiba detalhes da história da “Velha Senhora” feita no Brasil

Publicados

em


source


VW Kombi do início dos anos 50 chegou a ser importada para o Brasil, onde passou a ser fabricada em 1957
Divulgação

VW Kombi do início dos anos 50 chegou a ser importada para o Brasil, onde passou a ser fabricada em 1957

Nascida logo após a Segunda Guerra Mundial, quando as tropas britânicas deixaram a sede oficial da Volkswagen em Wolfsburg, a velha e boa Kombi fez sucesso em todos os quatro cantos do planeta, caindo definitivamente nas graças de todos.

O sucesso de tanta resistência e vitalidade da VW Kombi , comparado aos projetos mais avançados de suas concorrentes, veio a partir do esboço de um oficial inglês das forças de ocupação, seu nome era Major Ivan Hirst – encarregado na época em liderar a produção de automóveis bélicos para a Segunda Guerra Mundial.

O projeto Typ 2 (Tipo 2) só veio à tona graças a uma parceria entre Hirst, o engenheiro alemão Alfred Haesner e o Holandês Ben Pon, dono de concessionária.

Pon, certa vez ao visitar as dependências da sede da Volkswagen em Wolfsburg, na Alemanha, notou um curioso veículo batizado de Plattenwagen que tinha como finalidade transportar peças de um galpão para outro dentro da fábrica.

O empresário então pensou que seria interessante fazer a importação para a Holanda, porém Pon acabou se frustrando por não poder importar os Plattenwagen, devidos as rigorosas normas de trânsito que vigoravam naquele país.

Depois de apresentado o esboço aos Hirst e Haesner, o projeto “Tipo 2” ganhou vida no ano de 1947
Reprodução

Depois de apresentado o esboço aos Hirst e Haesner, o projeto “Tipo 2” ganhou vida no ano de 1947

Assim, o empresário Ben Pon teve a feliz ideia de desenvolver um projeto revolucionário que atendesse o mercado de utilitários. Depois de apresentado o esboço aos Hirst e Haesner, o projeto ‘ Tipo 2′  ganhou vida no ano de 1947. Foi o ‘embrião para o nascimento’ da Kombi.

Leia Também:  Ford revela nova geração da Ranger que chegará ao Brasil em 2023

Dois anos depois, o Transporte – nome de batismo da Kombi alemã – já era comercializado na Alemanha e vendido a outros países como Polônia, Estados Unidos, Dinamarca, Finlândia entre outros.

Em 1949 as primeiras Kombi eram importadas para o mercado brasileiro

Kombi sempre foi um carro bem aceito no Brasil, onde tem uma larga legião de fãs até os dias atuais
Divulgação

Kombi sempre foi um carro bem aceito no Brasil, onde tem uma larga legião de fãs até os dias atuais

O nome de batismo do Tipo 2 , Kombi , vem de Kombinationsfahrzeug , que no idioma germânico significa ‘ veículo combinado’ ou ‘ combinação do espaço para carga e passeio’ , e foi assim que o público brasileiro conheceu um dos veículos mais populares da história da indústria automobilística. Por aqui, as primeiras unidades vieram importadas no ano de 1949.

Graças ao sucesso de vendas, quatro anos mais tarde, a matriz alemã resolve instalar uma filial no Brasil, inicialmente sendo produzida pela Brasmotor, representante da americana Chrysler e proprietária da Brastemp na época. Ainda em 1953, nascia a Volkswagen do Brasil num reduzido galpão que contavam inicialmente com apenas 12 funcionários.

Leia Também

Em 1957, a empresa se instalava na cidade de São Bernardo do Campo, inaugurando a fabricação da van da VW que nesta época já contava com 100% de índice de nacionalização. Praticamente idêntica à versão alemã, a nossa Kombi contava inicialmente com motor de 1.192 cm³ e 36 cv a 3.400 rpm, contando com a velocidade máxima de 100 km/h.

As opções Luxo e Standard , além da Lotação , lançada em 1967, eram as versões mais populares. No mesmo ano eram introduzidos a versão  Pick-up e um motor de 1,5 litro (1.493 cm³) mais potente de  44 cv , além de sistema elétrico de 12 volts para toda a linha.

Curiosamente, também foram lançadas com seis portas sendo duas para cada fileira de bancos e muito rara hoje em dia e disputado por colecionadores. Essa primeira geração ficou popularmente conhecido como ‘Corujinha’ devido a sua frente estilizada que se assemelha com o animal.  

Versão picape a diesel é uma das mais raras de se encontrar e apareceu no Brasil no início dos anos 80
Divulgação

Versão picape a diesel é uma das mais raras de se encontrar e apareceu no Brasil no início dos anos 80

Em 1975 ocorreria a primeira mudança com a estreia do motor de 1.600 cc . Inicialmente a Volks pretendia fazer a reestilização completa, deixando a Kombi nacional com a porta corrediça e as três janelas grandes e cada lado.

Leia Também:  VÍDEO: terremoto de 7,5 graus atinge Peru, causa estragos e é sentido no Brasil

Aparentemente, para cortar custos, a fábrica escolheu combinar a frente (com as portas dianteiras) e a traseira (apenas as lanternas) do modelo internacional com a carroceria do modelo nacional, de 12 janelas laterais.

Em 1981, a Volkswagen iniciava as vendas da Kombi com motor de 1,5 litro movido a diesel , refrigerado a água e com um exclusivo radiador dianteiro. Este motor era o mesmo que equipava o Passat exportação e foi oferecido nas versões Pick-up , com cabine simples ou dupla (foto acima) e  Furgão.

A mudança mais profunda só chegaria em 1997, quando o modelo finalmente recebia a porta corrediça e carroceria semelhante àquela conhecida no resto do mundo, embora o teto elevado em 11 cm seja único do modelo brasileiro. Em 2005, a VW marcava a chegada da Kombi Série Prata , edição limitada que marcava o último modelo refrigerado a ar.

No ano seguinte, a Volkswagen iniciava a comercialização da veterana Kombi com nova motorização, desta vez refrigerada a água. Tratava-se do motor EA-111 de 1.4 litro , o mesmo do Fox de exportação, porém a daqui contava com tecnologia flexível que rendia até 80 cv com etanol e 78 cv com gasolina.

Volkswagen Kombi Last Edition marcou o fim da produção do utilitário no Brasil com uma série de itens exclusivos
Divulgação

Volkswagen Kombi Last Edition marcou o fim da produção do utilitário no Brasil com uma série de itens exclusivos

No final de 2007 estreava a série especial ’50 anos’ com pintura saia e blusa (branco cristal e vermelho Bonanza) e tiragem de apenas 50 exemplares. Por dentro, ganhava revestimento dos bancos em Tear LE Fendy.

Para 2013, veio a Last Edition limitada a 600 unidades, mas que mais tarde a marca acabaria dobrando a produção, deixando muitos colecionadores irritados. Esteticamente, havia a tonalidade em azul pastel e branco, bancos em vinil azul, cortinas e vários itens com a logomarca Kombi etc.

O motor 1.4 flex de até 80 cv permanenia o mesmo. Porém, o que não continuava era a sua produção encerrando uma trajetória de mais de 50 anos de história no Brasil.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA