CARROS E MOTOS

Conheça 5 carros que foram ignorados pelo mercado sob vários aspectos

Publicados

em


source

Quando um automóvel é pensado para ser lançado, há uma série de desafios como pesquisa de campo, processo de homologação, nome que será dado, fabricação dos modelos pré-série, testes e mais testes até chegar nas concessionárias, serviços de pós-venda etc. No entanto, nem sempre algumas dessas etapas é compreendida com sucesso.

Por outro lado, às vezes, a concorrente é a principal vilã oferecendo muito mais vantagem em relação ao custo-benefício, e pode colocar tudo a perder fazendo com que a rival tenha que anunciar o fim da produção do seu produto.

Seja como for, é sabido que para que um carro obtenha sucesso , é preciso que todo o investimento e o número de vendas compensem para a fabricante. Do contrário, o fim da produção será certeiro.

Confira cinco exemplos de carros que não tiveram o sucesso merecido.

Você viu?

1 – BMW 507

BMW 507: roadster que acabou servindo de inspiração para os modernos Z3 e  Z8, quase fez a marca alemã falir
Divulgação

BMW 507: roadster que acabou servindo de inspiração para os modernos Z3 e Z8, quase fez a marca alemã falir

Através da ideia do importador de carros europeus nos EUA Max Hoffman, a BMW fez um roadster de linhas elegantes, bem construído e motor do sedã 502, um V8 de 3,2 litros e bons 150 cv.

Leia Também:  TBT do Amor: Adriane Galisteu e Roberto Justus foram casados por apenas 8 meses

Nascia em 1955 o 507 que apesar dos atributos, os altos custos na produção fizeram o preço dobrar. Por US$ 10.500, o 507 quase levou a BMW à falência e apesar da meta de vender 5 mil carros, só vendeu 252 até o fim da sua produção, em 1959.

2 – LAMBORGHINI SILHOUETTE

Lamborghini Silhouette: acabou tendo dificuldades para entrar no mercado norte-americano e  terminou esquecido
Divulgação

Lamborghini Silhouette: acabou tendo dificuldades para entrar no mercado norte-americano e terminou esquecido

 O Urraco, primeiro Lamborghini com motor V8 teve baixa aceitação e por conta do orçamento enxuto devido à crise do petróleo dos anos 70, a empresa optou por mexê-lo, dando novo nome em 1976: Silhouette.

Mais potente (260 cv) o esportivo tinha tudo para alavancar as vendas e obter ótimos lucros à Lamborghini não fosse a verba para a certificação do seu maior mercado, o dos EUA. Apenas 52 deles foram fabricados até 1979.

3 – FORD MERKUR XR4Ti

Ford Merkur XR4 TI: era uma versão mais simples do Sierra XR4 para ser vendido nos EUA. Tinha versão automática e manual
Divulgação

Ford Merkur XR4 TI: era uma versão mais simples do Sierra XR4 para ser vendido nos EUA. Tinha versão automática e manual

Este cupê foi originado do Sierra que sempre teve boa aceitação na Europa. Equipado com motor turbo de 2,3 litros feito no Brasil, o Merkur XR4Ti foi importado para os EUA, entre 1985 e 1989, mas custava tão caro quanto um Audi ou BMW (30.000 dólares).

Leia Também:  Pix Cobrança: serviço de boletos começa a funcionar hoje; conheça

Porém o fator decisivo para o seu fim no comércio norte-americano foi a exigência do governo dos EUA para adicionar o airbag para os modelos dos EUA uma vez que estes não eram requisitos para modelos europeus. Podeia vir com câmbio manual de cinco marchas, ou automático de três.

4 – CITROËN XM

Citroën XM: chegou a ser vendido no Brasil no início dos anos 90 com suspensão hidropneumática
Divulgação

Citroën XM: chegou a ser vendido no Brasil no início dos anos 90 com suspensão hidropneumática

O design bastante futurista e ousado para a época, além da tecnologia embarcada foram pontos positivos para o Citroën XM , lançado na França em 1989. Uma de suas características principais foi a suspensão hidropneumática patenteada pela Citroën, uma exclusividade da fabricante, fruto de décadas de pesquisas nessa área.

Vendeu até que bem no início, mas problemas crônicos de suspensão e a falta de mão de obra qualificada o queimou em vários países.

5 – Volkswagen SP1 e SP2

VW SP2: hoje em dia, passou a ter alto valor. Mas apensar do estilo arrojado para a época, fica devendo melhor desempenho
Divulgação

VW SP2: hoje em dia, passou a ter alto valor. Mas apensar do estilo arrojado para a época, fica devendo melhor desempenho


De 1972, logo o SP1 1.600 saiu de linha por conta da baixa potência (65 cv). A solução vem em 1973 com o SP2 com um 1700 cm³ e 75 cv, mas a falta de desempenho continuava o assombrando com piadas à sigla “SP” de “Sem Potência”.

Tentaram o SP3, na verdade um SP2 com um motor 1.6 dianteiro refrigerado a água (AP), de 96 cv e carburação de corpo duplo , “emprestado” do Passat TS, mas no final os custos para viabilização da produção altos demais deram fim ao projeto.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Ford Ranger Black e Chevrolet Equinox:  picape é melhor que SUV médio?

Publicados

em


source
Ford Ranger Black e Chevrolet Equinox:  picape com pegada urbana tem porte maior e se mostra mais valente nos obstáculos
Cauê Lira

Ford Ranger Black e Chevrolet Equinox: picape com pegada urbana tem porte maior e se mostra mais valente nos obstáculos

Até que não foi má ideia da Ford em lançar uma versão da Ranger com apelo urbano, suspensão ajustada para manter a picape mais confortável, apenas com tração 4×2 e equipamentos geralmente encontrados em SUVs médios.

Estamos falando da versão Black, que faz parte da linha 2022 e tem preço sugerido de R$ 183.490. É apenas um pouco menos que os R$ 189.900 do Chevrolet Equinox Premier , recheado de itens de série. A seguir, vamos analisar os prós e contras de cada um deles.

De um lado, a Ranger Black pode enfrentar terrenos acidentados com valentia, tem sobra de espaço, força do motor turbodiesel e autonomia bem maior para viajar com a família (904 km na estrada, ante 605 km, pelo Inmetro).

Do outro, o Equinox é mais prático no dia a dia(pelo porte menor), tem um nível de sofisticação que a picape da Ford não tem e se mostra mais ágil, tanto nas acelerações quanto nas curvas, já que conta com relação entre peso e potência mais favorável (9,7 kg/cv ante 15,7 kg/cv).

Foto: Cauê Lira

Foto: Carlos Guimarães/iG

Foto: Carlos Guimarães/iG

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Leia Também:  Fiat Toro Volcano 2022: campeã de vendas se fortalece de olho nos rivais

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Andando na Ranger Black dá mesmo para notar que a Ford adotou um ajuste diferente da suspensão , que a faz passar fácil por qualquer valeta, buraco, ou qualquer outro obstáculo urbano, com distância livre do solo de 23,5 cv, ante apenas 16 cm do SUV Equinox , que costuma raspar a parte de baixo da frente até mesmo em algumas lombadas e rampas de acesso a condomínios e shoppings.

O problema é que a picape é mais difícil de manobrar e não cabe em qualquer vaga, embora venha com câmera de ré e sensores no para-choque traseiro.

O nível de ruído a bordo do Chevrolet Equinox é menor, ajudado pelo eficiente motor 1.5 turbo , movido apenas a gasolina, capaz de gerar 172 cv e bons 27,8 kgfm de torque a ainda baixos 2.500 rpm, que funciona com câmbio de seis marchas, assim como na Ranger .

Por sua vez, a picape tem um 2.2 turbodiesel , de 160 cv e respeitáveis 39,3 kgfm a meros 1.600 rpm. Com tração traseira, o Ford se sai bem em aclives e pisos escorregadios, mas exige cautela em trechos sinuosos, mesmo com controle eletrônico de estabilidade .

Você viu?

Se o assunto é agilidade , tanto no trânsito urbano quando na estrada, por ser bem mais leve (1.633 kg ante 2.032 kg), o Equinox transfere menos peso de um lado para o outro e se mostra mais fácil de ser controlado ao volante, inclusive na hora de frear. A maior leveza do GM ajuda a acelerar de 0 a 100 km/h em 9,2 segundos, bem antes dos 15 segundos do Ford, conforme dados das fabricantes.

Portanto, se agilidade e uma dinâmica mais próxima do que pode ser chamar de esportivo é fundamental para você, o GM atende melhor. Entretanto, por ser uma picape média, a Ranger é mais valente em pisos irregulares sem deixar de ter certo conforto em viagens com asfalto liso com um pouco mais de economia de combustível. Pelo Inmetro, o Ford faz 9,3 km/l na cidade e 11,3 km/l da estrada de diesel, ante 9,1 km/l e 10,8 km/l de gasolina, respectivamente, do Chevrolet .

Embora tenham diferenças, os dois modelos vêm bem equipados. Entre os destaques do Ford há chamada de assistência de emergência , partida remota (pela chave), ar-condicionado bizone, mostrador digital e configurável no cluster, aplicativo capaz de destravar o carro (entre outras funções) e central multimídia com tela sensível ao toque compatível com Apple Car Play e Android Auto.

Leia Também:  TBT do Amor: Adriane Galisteu e Roberto Justus foram casados por apenas 8 meses

No SUV da GM, há mais itens de segurança e sofisticação extra, como carregador do celular por indução , alerta de trafego cruzado traseiro, sistema de frenagem de emergência, freio de estacionamento elétrico, entre outros. Com 3,22 metros de entre-eixos (ante 2,73 m do GM), a picape da Ford leva cinco ocupantes com mais folga e pode carregar bagagem. Vão até 1.180 litros na caçamba , conta 468 litros no porta-malas do SUV, com direito até a abertura e fechamento automático da tampa.

Conclusão

Vai depender da necessidade de cada um para saber se é melhor escolher a picape ou o SUV . De qualquer forma, a versão Black da Ranger é interessante pela relação entre custo e benefício e por causa da pegada mais urbana, o que não é tão fácil de encontrar em modelo do segmento.

E o Equinox é um legítimo utilitário esportivo , bem equipado e com conjunto bem acertado. Só que, com a chegada do novo Compass turboflex e do VW Taos, no mês que vem, vai ficar mais apagado no terreno dos SUVs médios, pelo menos até receber mudanças mais significativas, o que está previsto apenas para 2022.

Fichas técnicas

Chevrolet Equinox Premier

Motor: 1.5, quatro cilindros, turbo, gasolina

Potência (cv): 172 a 5.600 rpm

Torque (kgfm): 28,8,7 a 2.500 rpm

Transmissão:  Automático, 6 marchas, tração integral

Suspensão:Independente (dianteira) e multibraço (traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira

Dimensões: 4,65 m (comprimento) / 1,84 m (largura) / 1,70 m (altura), 2,73 m (entre-eixos)

Tanque : 56 litros

Caçamba: 468 litros

Consumo: 9,1 km/l (cidade) /10,8 km/l (estrada) com diesel

0 a 100 km/h: 9,2 segundos 

Vel. Max: 196 km/h

Ford Ranger Black 2.2

Motor: 2.2, quatro cilindros, diesel

Potência: 160 cv a 3.200 rpm

Torque: 39,3 kgfm a 1.600 rpm

Transmissão:  Automático, 6 marchas, tração dianteira

Suspensão:Independente (dianteira) e eixo rígido (traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira

Pneus: 265/65 R17 

Dimensões: 5,35 m (comprimento) / 1,86 m (largura) / 1,63 m (altura), 3,22 m (entre-eixos)

Tanque : 80 litros

Caçamba: 1.180 litros

Pneus: 225/60 R18 

Consumo: 9,6 km/l (cidade) /11,3 km/l (estrada) com diesel

0 a 100 km/h: 15 segundos 

Vel. Max: 164 km/h


Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA