BRASIL

Vaquinha para ajudar motoboy que sofreu racismo em SP já arrecadou R$ 100 mil

Publicados

em


source
Matheus Pires
Reprodução/redes sociais

Matheus foi humilhado após atraso na entrega de um cliente

O motoboy Matheus Pires viu sua popularidade crescer após sofrer um episódio de violência e descriminação. O vídeo, que mostra uma discussão entre o rapaz e um cliente de serviço de delivery para o qual trabalha Matheus, indignou internautas que identificaram crime de racismo cometido contra o rapaz. No vídeo, é possível ouvir o cliente dizer que o entregador teria “inveja da sua cor”. 

Após a repercussão das imagens, uma vaquinha virtual com o objetivo de oferecer suporte financeiro ao motoboy de 19 anos durante a pandemia foi criada. A adesão foi tão grande que, em apenas dois dias, a meta de R$ 65 mil já foi batida e ajustada para R$ 150 mil. Matheus, que trabalhava como social media, precisou vender o computador – seu instrumento de trabalho – para pagar as contas da casa.

Leia Também:  Criminoso mais procurado do Brasil vendia limões como disfarce

Inicialmente, a vaquinha foi criada para oferecer suporte para que o rapaz volte à profissão antiga. Com a nova meta, o objetivo é alcançar financiamento para que o rapaz invista nos estudos e na casa própria.

Além da vaquinha, Matheus também recebeu atenção redes sociais. Sua conta no Instagram, por exemplo, já cona mais de um milhão de seguidores que acompanham as conquistas recentes do rapaz. Na rede social, Matheus agradeceu o carinho e apoio dos internautas. “Não tenho palavras para agradecer”, disse.

O rapaz também recebeu uma  nova motocicleta oferecida pelo apresentador Luciano Huck, que comentou o caso nas redes sociais e disse sentir “vergonha, tristeza e revolta” diante da atitude do agressor. 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

“ONGs vagabundas” tramam contra o presidente na ONU, diz Carlos Bolsonaro

Publicados

em


source
carlos
IG – Último Segundo

Carlos Bolsonaro diz não ser ‘covarde’ e assume uso das redes do pai


O vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), atacou ONGs (Organizações Não Governamentais) em sua conta no Twitter acusando as entidades de prepararem um plano contra o seu pai durante o discurso de abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU , que ocorre hoje às 10h.


“Todas as ONGs vagabundas se organizando nas redes sociais para orquestrar panelaço contra o Presidente amanhã em seu discurso para a ONU. Este tipo de MOVIMENTO ORQUESTRADO jamais será investigado e nem será motivo de inquérito, óbvio! O líder eleito da nação é alvo!”, escreveu Carlos no Twitter.

O Brasil tradicionalmente abre a Assembleia da ONU e neste ano a expectativa é que Bolsonaro comente as ações do Brasil no combate à pandemia do novo coronavírus (sars-cov-2) e aos incêndios que ocorrem no Pantanal e na Amazônia e geram repercussão internacional. Analistas acreditam que Bolsonaro deve defender mais uma vez que o Brasil é perseguido no plano internacionla, como fez no discurso do ano passado em que também atacou o socialismo e lideranças indígenas.

Leia Também:  Secretário de Saúde do Rio de Janeiro entrega o cargo após três meses



COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA