RONDONÓPOLIS

BRASIL

‘Sonho era de ser jogador’, diz irmã de ciclista morto por lateral do Flamengo

Publicados

em


source
Jonatas Davi dos Santos, de 30 anos, morreu enquanto fazia entrega de comida para um aplicativo
Reprodução

Jonatas Davi dos Santos, de 30 anos, morreu enquanto fazia entrega de comida para um aplicativo

Familiares do ciclista  morto neste sábado, 4, pelo jogador de futebol Ramon Ramos, lateral do Flamengo, afirmaram que o sonho de Jônatas Davi dos Santos, de 30 anos, era ser jogador de futebol e que ele era um torcedor fanático do Flamengo. O acidente envolvendo o atleta do time carioca e o entregador de comida por aplicativo aconteceu na noite deste sábado, na Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

A irmã da vítima, Ana Cleice dos Santos, esteve na manhã deste domingo no Instituto Médico Legal (IML), no Centro do Rio, para fazer o reconhecimento do corpo junto com outros parentes. Os familiares chegaram por volta das 11h no local. Ela falou sobre a paixão do irmão pelo Flamengo.

“O sonho dele era ser jogador de futebol desde criança e torcia para o Flamengo. Ele era muito fanático pelo time”, contou ela.

Ana Cleice destacou como o seu irmão era trabalhador e buscava dar o melhor para a sua mulher, Priscila de Oliveira, e para as filhas. Jônatas deixou três crianças – duas eram fruto do relacionamento com Priscila, uma de 7 anos e outra, uma bebê de apenas 8 meses.

“Carinhoso, ele era muito de família, um garoto muito tranquilo, muito batalhador e trabalhador. Minha cunhada dependia dele porque cuida das meninas, ele era um pai de família. Perdeu a vida sendo um herói, com próprio suor dele para tentar dar uma boa alimentação e um bom estudo para as meninas. Ele lutava para dar o melhor para a família dele”, desabafou ela.

Leia Também:  Ouro Preto: 80 famílias são evacuadas por risco de deslizamento

Segundo os familiares, Jônatas começou a trabalhar como entregador de comida em razão da pandemia da covid-19. “Foi ajudante de pedreiro e, por conta da pandemia, foi trabalhar como entregador de lanches. A esposa dele está em estado de choque. Minha preocupação é maior é pela minhas sobrinhas. Trabalhava pegando três turnos por dia”, explicou Ana Cleice.

Leia Também

A irmã do entregador cobrou respostas do que aconteceu na noite deste sábado. A família afirmou que quer entender de fato como foram as circunstâncias para que levasse a morte de Jônatas.

“Ele trabalhava fazendo entrega de lanches e aconteceu esse acidente. Nós só queremos saber como vai ficar a situação, como aconteceu. A gente não tem exatamente a resposta que precisa. Eu só quero uma resposta de fato o que aconteceu”, disse Ana Cleice.

Atropelamento

O ciclista estava trabalhando com entrega de comida para um aplicativo quando foi atropelado na noite deste sábado. O acidente aconteceu por volta das 20h30, altura do número 10.500, na faixa da esquerda da pista lateral da Avenida das Américas, no sentido Alvorada, altura da estação BRT interlagos.

Leia Também:  Fuvest aplica neste domingo a primeira prova da segunda fase

Jônatas chegou a ser levado para ser atendido no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, mas já deu entrada morto na unidade. O corpo do ciclista foi encaminhado para o Instituto Médico-Legal, no Centro do Rio.

Na noite deste sábado, o jogador do Flamengo prestou depoimento na 16ª DP (Barra da Tijuca) e negou ter consumido bebida alcóolica. Ele também afirmou que foi surpreendido por um ciclista que cruzou a via repentinamente na frente do seu carro – Honda Civic – e que não foi possível evitar o acidente. Após o impacto, ele parou o carro para prestar socorro e, ao perceber que Jônatas estava machucado, entrou em contato com os serviços de emergência.

O jogador afirmou que permaneceu no local até a chegada do Corpo de Bombeiros e que, após a vítima ter sido socorrida em uma ambulância, recebeu a notícia de que Jônatas não resistiu aos ferimentos. No depoimento, Ramon também informou que estava em velocidade compatível com a via, e que pouco antes do local do acidente há, inclusive, um semáforo com radar de velocidade.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Médicos de SP são proibidos pela Justiça de paralisar atividades

Publicados

em


source
Sede do Tribunal de Justiça de São Paulo
Divulgação

Sede do Tribunal de Justiça de São Paulo


Os médicos da Atenção Primária à Saúde (APS) que atuam nas unidades básicas da cidade de São Paulo foram proibidos de paralisar as atividades nesta quarta-feira (19). A categoria  havia decidido pela paralisação em assembleia realizada na última semana.

A decisão judicial foi proferida nesta terça-feira (18) pelo vice-presidente do Tribunal de Justiça do estado (TJ-SP), Guilherme Gonçalves Strenger. Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, ele acolheu um pedido da prefeitura, sob o argumento de que a greve “se afiguraria abusiva” pois poderia “causar dano irreparável ou de difícil reparação aos cidadãos, até mesmo levá-los ao óbito pela falta de atendimento”. 

O município paulista, assim como outras cidades, enfrenta uma pressão na rede de atendimento diante do crescimento de casos de coronavírus e de influenza.

Desse modo, embora reconheça que a greve é um direito social garantido pela Constituição, o desembargador pontua que o atual cenário é de “extrema excepcionalidade”, com hospitais sobrecarregados, altas taxas de ocupação e filas de espera por atendimento. Com isso, o magistrado estabeleceu uma multa diária de R$ 600 mil ao Simesp, sindicato que representa a categoria, caso eles decidam paralisar os trabalhos mesmo assim. 

Leia Também:  Suspeitos fogem de blitz e morrem após troca de tiros com policiais

Leia Também

Ele também marcou uma audiência de conciliação entre a entidade e a prefeitura. Representantes das duas partes deverão se reunir no próximo dia 27, de forma virtual.

Pleitos do Simesp

Um dos principais pleitos do Simesp à prefeitura e as Organizações Sociais de Saúde (OSS) que gerem as unidades básicas é a contratação imediata de mais equipes para atender pacientes com síndromes respiratórias. Mas a entidade pede também que os médicos não sejam convocaados de forma obrigatória para cumprir os plantões extras e que sejam pagas horas extras quando eles comparecerem.


Em entrevista ao iG na semana passada, a médica Vanessa Araújo, representante do sindicato, reclamou que havia um  “jogo de empurra” entre os gestores que não atediam as demandas e repassavam um para o outro a responsabilidade.

Leia Também:  Capitólio possui 500 áreas em risco iminente, diz ministro do Turismo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA