BRASIL

Novo serviço: saiba como reconhecer firma pela internet

Publicados

em


source
Cartórios permitem o reconhecimento de firma pela internet
Pixabay

Cartórios permitem o reconhecimento de firma pela internet

O Colégio Notarial do Brasil lançou no último dia 18 um serviço que promete facilitar a vida dos brasileiros. Agora, o reconhecimento de firma por autenticidade, antes feito só presencialmente, está disponível pela internet.

Para conseguir fazer o procedimento, é preciso ter firma aberta no cartório escolhido, e ter emitido assinatura digital – que não tem custo, no mesmo tabelionato.

Como é feito

Para realizar o reconhecimento de firma por autenticidade online, o cidadão deve escolher um Cartório de Notas na relação disponível em www.e-notariado.org.br, e as partes envolvidas devem assinar o documento original e enviá-lo à unidade pelo correio ou presencialmente.

Leia Também

Em seguida, o Tabelião agenda uma videoconferência para confirmar a identidade e capacidade civil do solicitante. Em seguida, o cidadão assina um termo de validação eletronicamente, e a firma autêntica do documento original é reconhecida.

Leia Também:  Um ano após acidente, jovem fará 3ª cirurgia de reconstrução do rosto

O Cartório então disponibiliza o documento para retirada ou para que seja entregue ao destinatário.

Por enquanto, apenas o reconhecimento de firma por autenticidade, onde o cidadão vai presencialmente ao Cartório assinar o documento diante de um Tabelião pode ser feito virtualmente.

O reconhecimento por semelhança, feito nos Cartórios, onde a assinatura é confrontada com a depositada na ficha de firma armazenada no local permanece sendo feito apenas de forma física. Em 2022, o Colégio Notarial do Brasil planeja lançar uma nova modalidade, o reconhecimento de assinatura eletrônica.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

‘Sonho era de ser jogador’, diz irmã de ciclista morto por lateral do Flamengo

Publicados

em


source
Jonatas Davi dos Santos, de 30 anos, morreu enquanto fazia entrega de comida para um aplicativo
Reprodução

Jonatas Davi dos Santos, de 30 anos, morreu enquanto fazia entrega de comida para um aplicativo

Familiares do ciclista  morto neste sábado, 4, pelo jogador de futebol Ramon Ramos, lateral do Flamengo, afirmaram que o sonho de Jônatas Davi dos Santos, de 30 anos, era ser jogador de futebol e que ele era um torcedor fanático do Flamengo. O acidente envolvendo o atleta do time carioca e o entregador de comida por aplicativo aconteceu na noite deste sábado, na Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

A irmã da vítima, Ana Cleice dos Santos, esteve na manhã deste domingo no Instituto Médico Legal (IML), no Centro do Rio, para fazer o reconhecimento do corpo junto com outros parentes. Os familiares chegaram por volta das 11h no local. Ela falou sobre a paixão do irmão pelo Flamengo.

“O sonho dele era ser jogador de futebol desde criança e torcia para o Flamengo. Ele era muito fanático pelo time”, contou ela.

Ana Cleice destacou como o seu irmão era trabalhador e buscava dar o melhor para a sua mulher, Priscila de Oliveira, e para as filhas. Jônatas deixou três crianças – duas eram fruto do relacionamento com Priscila, uma de 7 anos e outra, uma bebê de apenas 8 meses.

“Carinhoso, ele era muito de família, um garoto muito tranquilo, muito batalhador e trabalhador. Minha cunhada dependia dele porque cuida das meninas, ele era um pai de família. Perdeu a vida sendo um herói, com próprio suor dele para tentar dar uma boa alimentação e um bom estudo para as meninas. Ele lutava para dar o melhor para a família dele”, desabafou ela.

Leia Também:  Comissão aprova internet grátis para alunos com deficiência e baixa renda

Segundo os familiares, Jônatas começou a trabalhar como entregador de comida em razão da pandemia da covid-19. “Foi ajudante de pedreiro e, por conta da pandemia, foi trabalhar como entregador de lanches. A esposa dele está em estado de choque. Minha preocupação é maior é pela minhas sobrinhas. Trabalhava pegando três turnos por dia”, explicou Ana Cleice.

Leia Também

A irmã do entregador cobrou respostas do que aconteceu na noite deste sábado. A família afirmou que quer entender de fato como foram as circunstâncias para que levasse a morte de Jônatas.

“Ele trabalhava fazendo entrega de lanches e aconteceu esse acidente. Nós só queremos saber como vai ficar a situação, como aconteceu. A gente não tem exatamente a resposta que precisa. Eu só quero uma resposta de fato o que aconteceu”, disse Ana Cleice.

Atropelamento

O ciclista estava trabalhando com entrega de comida para um aplicativo quando foi atropelado na noite deste sábado. O acidente aconteceu por volta das 20h30, altura do número 10.500, na faixa da esquerda da pista lateral da Avenida das Américas, no sentido Alvorada, altura da estação BRT interlagos.

Leia Também:  Gov.Br envia mensagens para ofertar serviços públicos digitais

Jônatas chegou a ser levado para ser atendido no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, mas já deu entrada morto na unidade. O corpo do ciclista foi encaminhado para o Instituto Médico-Legal, no Centro do Rio.

Na noite deste sábado, o jogador do Flamengo prestou depoimento na 16ª DP (Barra da Tijuca) e negou ter consumido bebida alcóolica. Ele também afirmou que foi surpreendido por um ciclista que cruzou a via repentinamente na frente do seu carro – Honda Civic – e que não foi possível evitar o acidente. Após o impacto, ele parou o carro para prestar socorro e, ao perceber que Jônatas estava machucado, entrou em contato com os serviços de emergência.

O jogador afirmou que permaneceu no local até a chegada do Corpo de Bombeiros e que, após a vítima ter sido socorrida em uma ambulância, recebeu a notícia de que Jônatas não resistiu aos ferimentos. No depoimento, Ramon também informou que estava em velocidade compatível com a via, e que pouco antes do local do acidente há, inclusive, um semáforo com radar de velocidade.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA