RONDONÓPOLIS

BRASIL

Mario Frias e auxiliares vão processar revista que os chamou de milicianos

Publicados

em


source
Mario Frias
Roberto Castro/ Mtur

Mario Frias

Em publicação nas redes sociais, o secretário especial da Cultura, Mario Frias, anunciou nesta sexta-feira (15) que irá processar a revista IstoÉ após a publicação do texto “Milicianos do capitão”. Auxiliares da pasta que pertence ao Ministério do Turismo também anunciaram que vão entrar com ação judicial contra o periódico.

Frias publicou uma foto de texto e escreveu: “Processinho a caminho”. Felipe Carmona Cantera, secretário nacional de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual, que também aparece na foto da revista, disse que se tratam de “homens de bem”, pais, heróis e um capitão da polícia militar. 

O texto da IstoÉ critica a aparição pública e nas redes sociais de armas de fogo como tentativa de institucionalizar a violência e o ódio, nos moldes do que faz a milícia. 

Na matéria, são citados Mario Frias; André Porciuncula, secretário nacional de Incentivo e Fomento à Cultura; Felipe Carmona Cantera, secretário nacional de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual; e Hélio Ferraz de Oliveira, secretário especial adjunto da Cultura.

Veja:



COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Médicos de SP são proibidos pela Justiça de paralisar atividades

Publicados

em


source
Sede do Tribunal de Justiça de São Paulo
Divulgação

Sede do Tribunal de Justiça de São Paulo


Os médicos da Atenção Primária à Saúde (APS) que atuam nas unidades básicas da cidade de São Paulo foram proibidos de paralisar as atividades nesta quarta-feira (19). A categoria  havia decidido pela paralisação em assembleia realizada na última semana.

A decisão judicial foi proferida nesta terça-feira (18) pelo vice-presidente do Tribunal de Justiça do estado (TJ-SP), Guilherme Gonçalves Strenger. Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, ele acolheu um pedido da prefeitura, sob o argumento de que a greve “se afiguraria abusiva” pois poderia “causar dano irreparável ou de difícil reparação aos cidadãos, até mesmo levá-los ao óbito pela falta de atendimento”. 

O município paulista, assim como outras cidades, enfrenta uma pressão na rede de atendimento diante do crescimento de casos de coronavírus e de influenza.

Desse modo, embora reconheça que a greve é um direito social garantido pela Constituição, o desembargador pontua que o atual cenário é de “extrema excepcionalidade”, com hospitais sobrecarregados, altas taxas de ocupação e filas de espera por atendimento. Com isso, o magistrado estabeleceu uma multa diária de R$ 600 mil ao Simesp, sindicato que representa a categoria, caso eles decidam paralisar os trabalhos mesmo assim. 

Leia Também:  Feminicídio: mulher é morta a facadas pelo marido na frente dos filhos

Leia Também

Ele também marcou uma audiência de conciliação entre a entidade e a prefeitura. Representantes das duas partes deverão se reunir no próximo dia 27, de forma virtual.

Pleitos do Simesp

Um dos principais pleitos do Simesp à prefeitura e as Organizações Sociais de Saúde (OSS) que gerem as unidades básicas é a contratação imediata de mais equipes para atender pacientes com síndromes respiratórias. Mas a entidade pede também que os médicos não sejam convocaados de forma obrigatória para cumprir os plantões extras e que sejam pagas horas extras quando eles comparecerem.


Em entrevista ao iG na semana passada, a médica Vanessa Araújo, representante do sindicato, reclamou que havia um  “jogo de empurra” entre os gestores que não atediam as demandas e repassavam um para o outro a responsabilidade.

Leia Também:  Brasil: chuva e altas temperaturas marcam a previsão deste domingo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA