BRASIL

Covid-19 agravou crise sanitária e novas favelas surgiram no Brasil

Publicados

em


source
Covid-19 expôs crise sanitária e novas favelas surgiram no Brasil
Fernando Frazão/ Agência Brasil – 7.4.14

Covid-19 expôs crise sanitária e novas favelas surgiram no Brasil

A epidemia do novo coronavírus  (Sars-Cov-2) exigiu isolamento e distanciamento social, com os funcionários longe das empresas e cada vez menos demandas, muitos foram demitidos. Como consequência, muitos brasileiros se viram desempregados e sem renda. Entre escolher pagar o aluguel ou alimentar os filhos, muitos se viram obrigados a deixar suas casas e ocupar espaços nas favelas.

Há quatro meses um estacionamento informal para caminhões no Jardim Julieta, em São Paulo, transformou-se em símbolo da devastação que a pandemia de Covid-19 provocou no Brasil. Mais do que isso, a nova comunidade é exemplo do descaso do governo com famílias sem renda em meio a uma crise da saúde.

Priscila Tomás da Silva, 35 anos, é uma das que teve que construir um barraco na nova favela na zona norte de São Paulo. Com um filho pequeno e 8 membros na família, ela explicou à AFP que se viu incapaz de conseguir pagar um aluguel de R$500 mensais. “Meu marido, que é o único que trabalha, foi mandado embora. A gente não tem como pagar o aluguel porque tem seis filhos também. Ficou difícil e aí a gente veio pra cá”, disse.

Leia Também:  Mais de 170 servidores da Presidência contraíram Covid-19

CRISE SANITÁRIA

No Jardim Julieta as condições são precárias. O que se vê são becos sem pavimentação sendo ocupados por barracos feitos de madeirite, placas de compensado de madeira e telhados improvisados com lonas de plástico. A maioria das casas não tem banheiro.

Em meio a uma pandemia, cerca de 700 famílias que habitam a nova favela enfrentam o desafio de manter uma higiene adequada e o distanciamento social . É inegável a situação de vulnerabilidade das favelas ao novo coronavírus.

Coordenador de políticas urbanas do Observatório das Favelas, o arquiteto Lino Teixeira afirmou à AFP que historicamente as pandemias empurram os pobres para as periferias e influenciam a formação de políticas de remoção . “No Rio de Janeiro, a própria formação da favela está ligada a um conjunto de epidemias urbanas, desde a febre amarela até a gripe espanhola, a varíola, depois o sarampo”, diz.

Sem ter para onde ir, os moradores da favela do Jardim Julieta agora enfrentam outro desafio: as autoridades já emitiram uma ordem de despejo e o prazo vence em 7 de agosto.

DESIGUALDADE

Os mais pobres, que sempre foram os mais afetados economicamente, estão sentindo com ainda mais força os efeitos da pandemia no estado de São Paulo, epicentro da Covid-19 no Brasil , com quase 25% das mais de 90 mil mortes registradas no país .

Leia Também:  Ministério da Saúde atualiza informações sobre covid-19

Os trabalhadores informais foram extremamente prejudicados com o isolamento e as medidas impostas pela quarentena, que os impediu de exercer suas funções. Com uma renda reduzida, se não zerada, muitos desses profissionais – diaristas, ajudantes de pedreiro, microempreendedores etc – se viram incapazes de continuar pagando o valor de seus aluguéis. 

Joyce Pinto, 27 anos, e o marido Gilmar Chaves, 29 anos, chegaram a ser ameaçados pelo proprietário da casa que habitavam quando não conseguiram pagar pelo aluguel. O casal, não conseguiu manter a renda durante a quarentena e a filha de dois anos perdeu a vaga na creche. A entrevista foi dada à AFP.

Para esses casos, países ao redor do mundo suspenderam ordens de despejo de inquilinos, no entanto, no Brasil a situação foi diferente. O presidente Jair Bolsonaro vetou uma lei similar em julho e como resultado vimos a formação de uma nova favela na capital de São Paulo. Segundo o Observatório de Remoções, um grupo de defesa do direito à moradia, mais de 2.500 famílias foram despejadas ou ameaçadas de despejo durante a pandemia.

Novos sem-teto também passaram a ocupar prédios no centro de São Paulo e o MTST chegou a promover a Marcha Contra os Despejos e Pela Moradia , que foi repreendida com bombas de gás.


COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Eleições infectadas: até que ponto a Covid-19 vai influenciar o voto em 2020

Publicados

em


source
urna eleitoral
Agência Brasil

Eleições estão marcadas para os dias 15 e 29 de novembro.

A pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2) afetou as eleições municipais de 2020 . Um dos principais impactos foi o adiamento do pleito, que estava marcado para outubro e foi adiado para os dias 15 e 29 de novembro deste ano. Entretanto, a Covid-19 poderá impactar diretamente o resultado da votação.

Segundo Luiz Roberto de Farias, cientista político e professor da ECA-USP e da Universidade Metodista, a pandemia e as ações dos prefeitos no combate a Covid-19 irão influenciar a opinião da população e, consequentemente, a eleição ou reeleição dos candidatos.

“Certamente o combate à pandemia é hoje uma bandeira importante por se tratar do ponto-chave nos noticiários e nas conversas.”, diz Luiz, que completa explicando como os políticos poderão usar a pandemia para se reelegerem:

“Cada um vai construir uma narrativa em torno de sua epopéia no combate à doença, e deverá trazer números que possam mostrar esses bons resultados, tanto em termos de cura quanto de recuperação de empregos, atendimento social”, afirma.

Leia Também:  Ministério da Saúde atualiza informações sobre covid-19

Luiz diz ainda que o êxito dos candidatos que buscam a reeleição pode estar atrelado ao discurso e às narrativas que os políticos adotarem nas campanhas.

“As reeleições também vão passar pela predisposição das pessoas a acreditar no discurso – sério e científico ou especulador e irresponsável – de cada candidato. A capacidade de o prefeito conseguir associar o seu nome a medidas populares como o Auxílio Emergencial , por exemplo, pode ser muito positiva nas urnas, por mais que nada tenha a ver com o poder municipal”, explica.

Fake news e influência

O docente diz também que o uso de robôs na disseminação de notícias falsas sobre o novo coronavírus vai aumentar o número de eleitores que acreditem em informações negacionistas sobre a pandemia, facilitando possíveis manipulações.

Jair Bolsonaro
O Antagonista

Bolsonaro mostrou posicionamento negacionista durante a pandemia de Covid-19.

“Por conta do uso de robôs na disseminação de informações falsas, cresce o grupo de pessoas que acreditam em informações negacionistas. Mas é claro que o discurso pode ser bem formatado e mostrar aparências que não correspondam à verdade.”, diz Luiz, que completa:

Leia Também:  Suspeito de estuprar os sobrinhos de 3 e 5 anos é preso

“O eleitor deverá checar – como sempre deveria fazer – o discurso com os atos ao longo do processo, informando-se por meio da imprensa e não por redes sociais digitais. Ainda assim, muitos procurarão um viés de confirmação para defender o seu candidato, o que é um erro enorme”.

Influência de Bolsonaro

Luiz diz ainda que a postura de Bolsonaro frente à pandemia visa criar uma cortina de fumaça e manipular pessoas conduzidas “por blocos, sem reflexão ou crítica”. Ele também afirma que partidos apoiadores do presidente e de sua postura deverão conseguir votos nas eleições.

“A maior parte da população, acredito, não será levada por esse tipo de enviesamento. Todavia, o governo deve conquistar um número significativo de prefeituras em todo o país, mesmo que hoje não haja clareza sobre vínculos a partidos, pois ao longo desse período do governo federal já houve vários acordos e rupturas com partidos políticos.”, concluiu.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLÍCIA

FAMOSOS

MAIS LIDAS DA SEMANA