BRASIL

Bolsonaro rebate arcebispo e volta a defender armamento da população

Publicados

em


source
Presidente fez declaração durante sua live tradicional
Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Presidente fez declaração durante sua live tradicional

presidente Jair Bolsonaro rebateu, na manhã desta quarta-feira, a crítica feita pelo arcebispo de Aparecida, dom Orlando Brandes, ao armamento civil defendido pelo governo federal. Em visita a Miracatu (SP), segundo o G1, Bolsonaro disse que respeitava a opinião do religioso, mas que antes “somente os marginais, os bandidos é que tinham arma de fogo” no Brasil.

Bolsonaro, no entanto, negou que Brandes tenha criticado a pauta do armamento da população.

“Ele não falou, ele é uma pessoa educada. Não íamos discutir abertamente isso aí, até porque eu não tinha microfone, não tinha como discutir, era apenas ele nesse assunto. Respeitio os bisos e respeito a todos que tenham a posição diferente da minha”, afirmou o presidente.

Em comemoração à data da padroeira do Brasil, o arcebipo rezou a principal missa do dia no Santuário Nacional de Aparecida, cidade a 176 quilômetros de São Paulo. Na homilia da missa das 9h, Brandes declarou que “para ser pátria amada não pode ser pátria armada” nem com “mentiras e fake news”.

“Para ser pátria amada seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos irmãos construindo a grande família brasileira”, afirmou o religioso durante o sermão.

Leia Também:  Multidão se reúne em funerária de Goiás para aguardar ressureição de pastor

Questionado por jornalistas se o sermão era um recado para Bolsonaro, que defende o armamento da população, Brandes disse que o sermão era uma mensagem “para todos os brasileiros”.

Bolsonaro viajou a Miracatu, no Vale do Ribeira, região mais pobre do estado de São Paulo, para a uma cerimônia de entrega de títulos de propriedade rural. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o secretário especial de Assuntos Fundiários, Nabhan Garcia, e o presidente do Incra, Geraldo Melo Filho, estiveram presentes.

Leia Também

Leia Também

Em discurso no evento, o presidente também afirmou que o ex-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU) André Mendonça será “brevemente” o mais novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), segundo o jornal “Valor Econômico”. Assim como Bolsonaro, Mendonça também cresceu no Vale do Ribeira.

Leia Também

“Se Eldorado tem um presidente, se Deus quiser, brevemente, Miracatu terá um ministro do Supremo Tribunal Federal. À família de Miracatu, à família de André Mendonça, meus cumprimentos por esse homem extremamente competente, capaz e inteligente. E dentro do meu compromisso, um evangélico para o STF”, declarou.

Indicado à Suprema Corte, Mendonça espera por sua sabatina no Senado há três meses. O evento depende do agendamento por parte do senador Davi Alcolumbre, presidente da Comissão de Constituição e Justiça.

Leia Também:  Flamengo finaliza a preparação para o jogo de volta contra o Athletico-PR, pela Copa do Brasil

Vacinação

Mais cedo, Bolsonaro afirmou, em entrevista à rádio “JovemPan”, que não vai se vacinar contra a Covid-19. Anteriormente, ele havia dito que seria o último brasileiro a se imunizar.

“No tocante à vacina, eu decidi não tomar mais a vacina. Eu estou vendo novos estudos, eu estou com a minha imunização lá em cima. Para que vou tomar a vacina? Seria a mesma coisa de jogar na loteria R$ 10 para ganhar R$ 2. Não tem cabimento isso daí”, disse.

A vacinação é a principal solução contra a pandemia de coronavírus pela qual o planeta passa desde março de 2020 e é recomendada por cientistas do mundo inteiro. O Brasil tem colhido frutos da vacinação avançada. No fim de setembro, por exemplo, 94% dos hospitalizados por Covid-19 no Hospital Ronaldo Gazolla, no Rio, não tinham tomado nenhuma dose da vacina. Com metade da população vacinada, a cidade tinha na semana passada o menor número de internados em 15 meses.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Caso Maurício Souza: Bolsonaro afirma que hoje ‘tudo é homofobia’

Publicados

em


source
Caso Maurício Souza: Bolsonaro afirma que hoje 'tudo é homofobia'
Reprodução

Caso Maurício Souza: Bolsonaro afirma que hoje ‘tudo é homofobia’

O presidente  Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a causar polêmica e criticou, nesta quarta-feira (27), o afastamento do  jogador de vôlei Maurício Souza do Minas Clube após declarações de cunho homofóbico. “Impressionante, né? Tudo é homofobia, tudo é feminismo”, disse Bolsonaro, enquanto aguardava uma entrevista à TV Jovem Pan.

O jogador usou as redes sociais para criticar o anúncio da DC sobre o novo personagem do Super-Homem ser bissexual. A postagem de cunho homofóbico gerou muita repercussão negativa para o atleta, o clube e os patrocinadores do time. 

Quase uma semana após a publicação, o  Minas veio a público e defendeu que “todos os atletas federados à agremiação têm liberdade para se expressar livremente em suas redes sociais”. A equipe ainda reiterou que não aceita manifestações homofóbicas ou racistas.

Por conta da pressão do público e dos patrocinadores, Maurício Souza pediu desculpas em relação à postagem. O atleta estava afastado do clube.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA