AGRONEGÓCIO

Precocidade e alto rendimento são características de novo trigo BRS Jacana

Publicados

em


A Embrapa Soja e a Fundação Meridional lançam a cultivar de trigo BRS Jacana, no dia 17 de setembro, a partir das 8h30, durante o DIGICAMPO de Inverno 2021 que será realizado, em formato digital, no Canal da Embrapa Soja no YouTube e no canal do IDR-PR. A programação completa do evento pode ser consultada abaixo.

O BRS Jacana é um trigo da classe Pão, com grãos duros, indicados para a fabricação de farinha branca, usada tradicionalmente no pão francês.  De acordo com os pesquisadores Manoel Bassoi e Salvador Foloni, da Embrapa Soja, o BRS Jacana é uma opção rentável de trigo pão, tanto para o produtor, quanto para a indústria, pela precocidade, alto rendimento de grãos, estabilidade de produção, aliados à qualidade tecnológica. O BRS Jacana é indicado para as regiões: 1, 2 e 3 do Paraná; 1 e 2 de Santa Catarina; e 2 de São Paulo.

Bassoi, que avaliou o potencial de rendimento médio dos grãos em ensaios, nos três estados, mostra que as produtividades, no Paraná,  foram de  4.315  kg ha-1,  4.898 kg ha-1 e 3.962 kg ha-1, nas Regiões 1, 2 e 3, respectivamente. Em Santa Catarina, foram de 5.514 kg     ha-1 e 4.457 kg ha-1, nas Regiões 1 e 2, respectivamente. Na Região 2 de São Paulo foi de 5.355 kg ha-1.

Leia Também:  Região de fronteira é ponto de alerta na vigilância sanitária do Paraná

Com relação a doenças, o BRS Jacana é moderadamente resistente à ferrugem da folha e às manchas foliares. O BRS Jacana tem ciclo precoce, de 59 dias de espigamento e 95 dias de maturação. É moderadamente suscetível à germinação pré-colheita e  moderadamente resistente ao acamamento.

“O BRS Jacana entra no mercado revigorando as opções de cultivo do produtor que busca um trigo precoce. É uma cultivar que combina excelência no potencial produtivo, ampla adaptabilidade e o produtor já pode garantir sua semente para a próxima safra”, destaca a chefe de Transferência de Tecnologias da Embrapa Soja, Carina Rufino.

Para Ralf Udo Dengler, gerente executivo da Fundação Meridional, o lançamento do BRS Jacana traz mais uma grande opção ao produtor de trigo, com conceito TOP 5000 de rendimento. “Em todas as regiões de recomendação, seu elevado potencial produtivo e sua ótima estabilidade, aliados às características ideais de qualidade tecnológica, trazem ao agricultor e à indústria, uma excelente opção de trigo pão”, destaca Dengler.

Leia Também:  CUSTOS GRÃOS/CEPEA: Além de clima, pragas acentuam queda na produtividade do milho

As sementes da BRS Jacana podem ser adquiridas com a Fundação Meridional. Acesse: www.fundacaomeridional.com.br. WhatsApp: (43) 9 9923-2603 – Alana

Programação do DIGICAMPO

8h30 – 8h45: Boas-vindas dos representantes da Embrapa, IDR e Meridional
Alvadi Balbinot (Chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Soja)
Natalino Avance de Souza (Diretor-Presidente do IDR-Paraná)
Josef Pfann Filho (Diretor-Presidente da Fundação Meridional)

8h45 – 9h: Lançamento BRS Jacana
9h – 9h15: Cultivares de trigo da Embrapa
9h15 – 9h30: Cultivares de trigo do IDR-Paraná
9h30 – 09h45: Vantagens do trigo como opção de rotação de inverno
Pesquisador da Embrapa Soja José Salvador Foloni
09h45 – 10h: Perguntas dos participantes e encerramento

DIGICAMPO – Dia de Campo de Trigo
Data: 17 de setembro (sexta-feira)
Horário: 8h30 – 10h
Local: Canais da Embrapa Soja e IDR-Paraná no Youtube

Fonte: Embrapa

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

Coletânea da Embrapa reúne mais de 100 artigos na mídia sobre agricultura na Amazônia

Publicados

em


Notícias de ontem: comentários sobre a agricultura amazônica é o novo livro publicado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A obra retrata fatos e ideias que moldaram a agropecuária da região pelo prisma de 139 artigos publicados na imprensa nos últimos 50 anos.

Datados de 1968 a 2019, os textos circularam em cerca de 40 diferentes jornais, revistas e sites de notícias de expressão regional e nacional. Reeditados agora na coletânea, conferem duplo valor histórico à publicação. Ao destacar agendas de pesquisa que marcaram época, o livro resgata parte da história da divulgação científica no Brasil e do espaço dedicado a ela tanto em veículos de comunicação de massa como nos dirigidos ao segmento agrícola. 

A obra é de autoria do pesquisador Alfredo Homma, da Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA), também editor técnico da publicação, e 13 colaboradores. Ao falar sobre a importância desse lançamento, o editor ressalta o quanto a divulgação dos conhecimentos do passado sobre a agricultura amazônica é útil para o futuro da região.

“Após 50 anos, alguns temas aumentaram ou diminuiram em importância, evidenciam equívocos de interpretação ou acertos, alguns invisíveis somente identificados depois de muito tempo.  Por isso, trazer o passado para o presente pode contribuir para evitar os erros cometidos e ajudar na busca de soluções concretas com uma sociedade mais informada e preparada”, comenta Alfredo Homma.

Para acessar o livro Notícias de ontem: comentários sobre a agricultura amazônica, clique aqui.

Semelhante à visão do editor da coletânea é a do ex-chefe-geral da Embrapa Amazônia Oriental, pesquisador Adriano Venturieri, que na apresentação do livro observou: “Muitos destes artigos, a despeito de representarem relatos de um fato observado no passado, são contemporâneos e constituem problemas não resolvidos até o presente ou relatos que não tinham a dimensão que aparentavam apresentar no passado”.

Leia Também:  Região de fronteira é ponto de alerta na vigilância sanitária do Paraná

Popularização da Ciência

Entusista e praticante da popularização da ciência, tendo escrito os primeiros artigos na década de 1960 para a Gazeta Universitária durante o curso de Agronomia na Universidade Federal de Viçosa (MG), e também para o prestigiado na época Correio Agropecuário, o pesquisador Alfredo Homma afirma que a população está avida por informações científicas compreensíveis.

“Há necessidade da democratização das informações não abstratas sobre a região amazônica. Neste aspecto, o jornalismo científico tem um grande papel para informar a sociedade, de forma compreensível, sobre os problemas, as soluções e as tendências futuras”, diz ele.

O acesso que a coletânea garante aos artigos sobre a agricultura amazônica, segundo Homma, acaba aproximando o público de parte da imprensa brasileira que já garantiu ou ainda garante espaço editorial (não pago) à divulgação científica.

“Ao contrário da atualidade, em que há uma profusão de revistas agrícolas e científicas populares, na década de 1960 as revistas agrícolas estavam restritas à Coopercotia (esta distribuído pela Cooperativa Agrícola de Cotia), Dirigente Rural, Boletim da Blemco, Chácaras e Quintais e A Lavoura, como as mais consultadas. Entre os jornais agrícolas, havia o Correio Agropecuário, o Suplemento Agrícola d’O Estado de São Paulo e alguns jornais esporádicos”, conta o autor.

Assuntos em destaque

A introdução feita no livro cumpre o papel de destacar pontos que balizam importantes mudanças ocorridas na sociedade amazônica, facilitando ao leitor o entendimento do contexto em que os artigos foram escritos.

“Há dezenas de artigos sobre a questão dos desmatamentos e queimadas, política ambiental, desenvolvimento agrícola, biodiversidade, questão fundiária, imigração japonesa na Amazônia, comércio nacional e internacional, lixo urbano, entre outros. Muitos foram temas sensíveis”, lembra Homma.

O pesquisador explica que em outros artigos predominam comentários, sinergias e previsões para diversas culturas, produtos extrativos e pecuária, como açaí, arroz, babaçu, banana, castanha, jambu, juta, guaraná, madeira, malva, mandioca, pecuária, pimenta-do-reino, seringueira e soja, entre outros.

Leia Também:  Carbono Neutro traz reflexos positivos ‘de ponta a ponta’ na produção agropecuária

O conteúdo está dividido por década: 1960 (9 artigos), 1970 (14 artigos) e 1980 (3 textos). Os anos 1990 e 2000 concentram o maior número de artigos, 53 e 41 respectivamente. A década de 2010 foi contemplada com 19 artigos.

Para acessar o livro Notícias de ontem: comentários sobre a agricultura amazônica, clique aqui.

Veículos e autores da divulgação

Entre os jornais que acolheram os artigos, informa o autor Alfredo Homma, estão Diário do ParáO LiberalO Estado de São PauloFolha de São PauloFolha do Meio AmbienteA GazetaGazeta MercantilGazeta UniversitáriaJornal do BrasilJornal do ComércioJornal do Engenheiro AgrônomoCorreio Agropecuário e Rio Avícola.

O pesquisador cita as seguntes revistas e sites, entre outros: AgrocastAgrofocoAgricultura & PecuáriaA LavouraAmazônia HojeCoopercotiaDirigente RuralEcoDebateÉpocaIHU On LineOpiniõesNon Woods Forest ProductsPanorama Rural, Revista ArrozeiraRevista dos CriadoresRevista XXISeleções Reader’s DigestTerra da GenteToda Fruta e Veja.

Os artigos são assinados por Alfredo Kingo Oyama Homma, Antônio Carlos Paula Neves da Rocha, Antônio José Elias Amorim de Menezes, Arnaldo José de Conto, Carlos Augusto Mattos Santana, Célio Armando Palheta Ferreira, Eduardo Eidy Kodama, Eloisa Maria Ramos Cardoso, Fabrício Khoury Rebello, Nelson Ryosaku Kodama, Rui Abreu de Albuquerque, Rui Amorim de Carvalho, Yukihisa Ishizuka e Zander Soares de Navarro.

Fonte: Embrapa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA