AGRONEGÓCIO

PR destina R$ 10 mi para subvenção ao seguro rural

Publicados

em


O governo estadual, por meio da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab), destinou R$ 10 milhões para a subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) do Estado, por meio da Resolução 28, de 19 de março de 2021. Segundo o documento, as modalidades passíveis de subvenção ao longo de 2021 são seguros agrícola, pecuário, aquícola e florestais. Na agricultura, estão inclusas as culturas de abacaxi, algodão, alho, arroz, batata, café, cebola, cevada, feijão, tomate, ameixa, caqui, figo, goiaba, kiwi, laranja, maçã, melancia, morango, nectarina, pera, pêssego, tangerina, uva, floresta cultivada, milho segunda safra e trigo sequeiro.

“Há vários anos, o Paraná tem um volume de recursos para subvenção ao prêmio do seguro rural, além dos recursos federais, com o objetivo de aumentar o número de contratações, reduzindo o custo dos produtores e criando uma cultura de gestão de riscos. O programa nacional é um pouco mais abrangente, enquanto o estadual compreende culturas mais específicas, como as frutas”, destaca Jefrey Albers, coordenador do Departamento Técnico e Econômico (DTE) da FAEP.

Leia Também:  SUÍNOS/CEPEA: Vendas se aquecem, e alta de preço supera os 20% em algumas praças

A opção pelo programa estadual (e/ou federal) deve ser feita obrigatoriamente no momento da contratação do seguro. Em seguida, a seguradora vai avaliar a proposta para aprovação. Não há prazo determinado para a resposta.

“A maioria das seguradoras contrata o seguro e cobra do produtor só a parte do prêmio que lhe compete, cobrando dos governos os valores das subvenções. Se algo der errado e não sair a subvenção é que a seguradora cobra do produtor o valor correspondente”, explica Albers. “Mas também é possível cobrar o prêmio integral do produtor e, ao sair a subvenção, a seguradora devolver o valor”, acrescenta.

Para o exercício de 2021, o percentual máximo de valor do prêmio é de 20% ou R$ 4,4 mil por cultura ou espécie animal, ou R$ 8,8 mil por ano civil. “Se o prêmio original for R$ 25 mil, considerando a subvenção de 20%, seriam R$ 5 mil. Mas o limite é de R$ 4,4 mil. Então, a subvenção será aproximadamente 17%. Para um prêmio de R$ 20 mil, 20% são R$ 4 mil, então o produtor consegue contratar uma subvenção integral de 20%”, exemplifica Albers.

Leia Também:  Prosa Rural - Cuidados para melhorar a qualidade da farinha de mandioca
Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

Foco na produção de alimentos saudáveis em sistemas sustentáveis

Publicados

em


Comemorando 46 anos de atuação, a Embrapa Pecuária Sul, sediada em Bagé (RS), está propondo um novo modelo de atuação, pautado pela produção de alimentos saudáveis a partir de sistemas sustentáveis. Dessa forma, as ações de pesquisa e desenvolvimento, de inovação e de transferência de tecnologia estão focadas em sistemas pecuários de produção, integrados ou não com a agricultura, baseadas na capacidade de garantir, ao mesmo tempo, sustentabilidade no uso dos recursos naturais, rentabilidade às cadeias produtivas e saudabilidade de produtos.

Para explicar melhor esse conceito e as linhas de atuação, conversamos com o Chefe-geral da Embrapa Pecuária Sul, Fernando Flores Cardoso. Pesquisador na área de melhoramento genético animal, o dirigente que assumiu a gestão no final do ano passado e aborda também a contribuição da instituição no desenvolvimento da pecuária e os desafios futuros.

Pergunta – Nesses 46 anos da Embrapa Pecuária Sul, o que destacaria de contribuições para a atividade pecuária brasileira?

Fernando Cardoso – Foram muitas as contribuições nesse período. Vale destacar a disseminação da mescla cornichão, trevo-branco e azevém, como base forrageira para produção animal, principalmente durante o inverno e a primavera, como uma grande alternativa nutricional. Inclusive essa oferta permitiu as primeiras produções de novilhos precoces.  Outra grande contribuição foi o desenvolvimento de raças sintéticas taurinas. Nesse caso, a raça Brangus é um bom exemplo, já que hoje é uma das mais criadas no país e também das que mais crescem. Outra linha de pesquisa que foi muito importante durante esse tempo está relacionada ao controle estratégico de endo e ectoparasitas.

Mais recentemente temos focado na produção de cultivares de forrageiras que apoiam o desenvolvimento animal, como, por exemplo, o capim-sudão BRS Estribo, que já é plantado em mais de meio milhão de hectares anualmente. Temos investido ainda no desenvolvimento de novos produtos cárneos, com o objetivo de agregar valor às cadeias produtivas, assim como estamos contribuindo com pesquisas e tecnologias de manejo e melhoramento do campo nativo.

Em relação ao melhoramento animal, fomos responsáveis pelo programa PampaPlus, das raças de Hereford e Braford, desenvolvido em parceria com a associação das raças. Ainda nessa área, participamos do Promebo e, há mais de duas décadas, realizamos provas de avaliação a campo de diferentes raças. A Embrapa Pecuária Sul tem também se destacado, nacional e internacionalmente, no uso da genômica para a seleção de animais com resistência do carrapato, combinando sanidade e melhoramento animal.

P – O Sr. assumiu a chefia do centro há pouco mais de seis meses com uma nova proposta, que é produzir alimentos saudáveis em sistemas sustentáveis. Pode explicar um pouco mais esse conceito?

Leia Também:  Exportações do agro somam US$ 13,9 bilhões em maio

FC – O nosso desafio é focar na produção de alimentos saudáveis, a partir de sistemas sustentáveis. Nesse sentido, vamos continuar pesquisando e trabalhando com contribuições em diferentes áreas, como melhoramento genético, sanidade e também com outros componentes do sistema. O objetivo é trazer mais eficiência ao sistema, aumentando a produtividade e reduzindo as emissões de gases de efeito estufa por unidade animal produzida. Com isso, queremos contribuir para esse grande desafio, que é reduzir o impacto da produção de alimentos no clima.

P – De que forma a pesquisa pode contribuir para chegar a esses objetivos?

FC – A produção de alimentos em sistemas integrados é uma grande oportunidade para trazer rentabilidade ao produtor e, ao mesmo tempo, conservar o ambiente. Então é necessário organizar as culturas no tempo, no espaço e também em um arranjo funcional no qual uma atividade beneficie a outra. Por exemplo, a pecuária acelera a ciclagem de nutrientes para a lavoura e a rotação de culturas com o uso de animais também contribui para a redução de plantas invasoras e da necessidade do uso de químicos. Nesse arranjo estamos incluindo trazer também a pecuária de precisão e agricultura 4.0, ou seja, o uso da tecnologia da informação para melhorar os processos, para ser mais preciso nos tratos culturais, nas adubações, no manejo dos animais. Essa seria uma das formas de buscar rentabilidade econômica com sustentabilidade ambiental. Pretendemos contribuir também com o desenvolvimento de novos produtos cárneos e demonstrar a funcionalidade desses produtos para a saúde humana, que tanto agreguem valor a partes menos nobres da carcaça como também sejam feitos com características que melhorem a saudabilidade da carne. São alguns dos desafios que temos pela frente, buscando sempre tecnologias que proporcionem sistemas mais sustentáveis.

P – Muito se tem falado do papel da pecuária na emissão de gases de efeito estufa. Quais as formas de mitigar essas emissões?

FC – Quanto à emissão de gases, diretamente relacionada com os efeitos do clima, estamos trabalhando com o objetivo de ter animais mais eficientes. Nesse sentido, realizamos provas a acampo, como a Prova de Eficiência Alimentar, para identificar os reprodutores que transmitem essa característica de eficiência para sua progênie. Com isso, os animais vão emitir menos gases e produzir mais carne durante o ciclo produtivo. Outro ponto importante é um melhor manejo das pastagens, sejam nativas ou cultivadas, para permitir o sequestro de carbono. Então, a incorporação desse carbono no solo e uma redução das emissões pelos animais, faz com que o balanço de carbono possa ser favorável para a produção de alimentos. Entendemos que isso é perfeitamente possível, tendo todos os componentes da atividade mais eficientes e um melhor arranjo nos sistemas.

Leia Também:  SUÍNOS/CEPEA: Vendas se aquecem, e alta de preço supera os 20% em algumas praças

P – Há alguns anos estamos presenciando na metade Sul do Rio Grande do Sul um enorme crescimento na produção de grãos, especialmente com a soja. É possível conciliar a produção do grão com a pecuária de uma forma sustentável e rentável?

FC – Acreditamos que o crescimento da atividade agrícola na região é positivo e uma enorme oportunidade para a intensificação sustentável da pecuária. Nossas parcerias com instituições e produtores, como a Farsul e a Fetag, vão no sentido de posicionar a pecuária dentro de sistemas eficientes de produção, sejam eles integrados ou não com as lavouras e florestas, de acordo com as vocações dos territórios e dos produtores. Que não seja apenas uma substituição da pecuária pela soja ou por outras culturas, como a vitivinicultura, a olivicultura, ou ainda a lavoura de arroz, tradicional na região. Mas sim uma integração funcional, resultando em sistemas integrados, em que realmente se busque a forma mais sustentável de produzir e a geração de riqueza, permitindo que mais tecnologias sejam incorporadas pelo setor produtivo.

P – A Embrapa, assim como outros órgãos federais, tem sofrido com a diminuição do orçamento a cada ano por parte do governo.  De que forma é possível manter a pesquisa e a inovação diante dessa realidade?

FC – O nosso enfoque é baseado na inovação aberta, com a participação dos produtores com recursos, como seus conhecimentos técnicos, com suas experiências, junto aos pesquisadores no desenvolvimento das soluções tecnológicas para os principais gargalos do setor produtivo. Dessa forma, a gente consegue acelerar a incorporação das novidades nos sistemas de produção. Trabalhamos prioritariamente com redes de produtores, porque aumentamos a capilaridade da difusão das tecnologias, com um enfoque territorial. Então, articulando os agentes do território, envolvidos em toda a cadeia produtiva, fica mais fácil que as soluções tecnológicas geradas pela pesquisa sejam efetivamente incorporadas no setor produtivo e que tragam desenvolvimento, maior renda, mais qualidade de vida e que também contribuam para a preservação do ambiente. Nesse sentido, a nossa expectativa é que a Embrapa Pecuária Sul migre de uma unidade que tem sido referência em pecuária (bovinos de corte, bovinos de leite e ovinos), para ser uma unidade de referência em sistemas integrados de produção, envolvendo pecuária, lavouras e também florestas.

Fonte: Embrapa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA