AGRONEGÓCIO

Pesquisador Adeliano Cargnin é o novo chefe-geral da Embrapa Uva e Vinho

Publicados

em


O pesquisador Adeliano Cargnin é o novo chefe-geral da Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves, RS). O mandato será de dois anos, prorrogável pelo mesmo período por mais duas vezes, por decisão da Diretoria da Embrapa, podendo chegar a seis anos no total. A data da cerimônia de transmissão e posse, que acontecerá em formato virtual, ainda será marcada pelo Gabinete do Presidente da Embrapa, mas o pesquisador já passa a exercer oficialmente o cargo a partir do primeiro dia de maio de 2021.

Desde janeiro de 2018, Cargnin estava à frente da Chefia de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Embrapa Uva e Vinho. Ele substitui o chefe-geral da Unidade, José Fernando da Silva Protas, que, a pedido da Diretoria Nacional da Embrapa, ocupou o cargo  interinamente desde março de 2019. Protas retorna para as suas atividades como pesquisador na área de Socioeconomia, após mais de quatorze anos em cargos de gestão na Unidade.

Integrando a equipe de gestão, o pesquisador João Caetano Fioravanço  assume  a Chefia de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, e seguem na chefia Marcos Botton, à frente da Transferência de Tecnologia, e Joelsio José Lazzarotto, na Administração.

Leia Também:  Embrapa Rondônia abre inscrições de clones e propriedades para a Rede de Avaliação de clones de café

Trajetória  e perfil

Adeliano Cargnin possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Pelotas (2003), mestrado em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (2005) e doutorado em Genética e Melhoramento pela Universidade Federal de Viçosa (2007). Ingressou  na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária em abril de 2007, como pesquisador na Embrapa Cerrados (DF), na área de  Recursos Genéticos e Melhoramento Vegetal.

Já em seu primeiro ano de empresa estava envolvido na gestão. Além de integrar o comitê gestor  e a vice-liderança do Projeto de Agroenergia, foi supervisor substituto do Núcleo de Produção de P&D em produção vegetal e membro substituto  do Comitê Técnico Interno (CTI), estrutura tanto deliberativa como consultiva, que acompanha a correta condução de todos os projetos, desde a concepção até a apresentação de resultados.

Em junho de 2010, foi transferido para a Embrapa Trigo (Passo Fundo – RS). Na unidade assumiu a liderança e a gestão do projeto em Rede “Bancos Ativos de Germoplasma de Cereais”, além de atuar diretamente em projetos de melhoramento genético de trigo e  também ser membro do Comitê Técnico Interno (CTI).

Desde 2014 está atuando na Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves – RS). Liderou o projeto Seleção de clones de variedades viníferas visando maior qualidade dos vinhos de Indicações Geográficas, que já está na fase II. Em janeiro de 2018 assumiu a Chefia de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Leia Também:  Terceiro vídeo da campanha morango com selo Brasil Certificado foca na sustentabilidade e na produção consciente

Saiba mais sobre o pesquisador Adeliano Cargnin acessando seu currículo Lattes.

Sobre a Embrapa Uva e Vinho:

A Embrapa Uva e Vinho é uma unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Sua sede está localizada no município de Bento Gonçalves, RS, principal região produtora de uvas e vinhos do Brasil, onde estão os setores administrativos, de transferência de tecnologia e de pesquisa. Conta ainda com duas estações experimentais: de Fruticultura de Clima Temperado, em Vacaria, RS, região dos Campos de Cima da Serra e de Viticultura Tropical, em Jales, SP. A Unidade conta com um quadro de pessoal composto por 144 colaboradores com capacitação e experiência em diferentes áreas do conhecimento, dedicados à pesquisa, desenvolvimento e inovação, das cadeias produtivas da vitivinicultura e das fruteiras de clima temperado.

Fonte: Embrapa

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

Publicação aborda perdas na colheita mecanizada de feijão

Publicados

em


A Embrapa Arroz e  Feijão lançou o “Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 57”, que discute as várias formas de colheita mecanizada do grão, com destaque para a redução de perdas na operação. Intitulada: “Desempenho de ceifadoras, recolhedoras trilhadoras e colhedoras automotrizes na colheita do feijão comum na região do cerrado”, a publicação apresenta resultados de experimentos acerca da colheita mecanizada de cultivares com tipos de plantas distintos e em diferentes regiões produtoras de feijão nas épocas de plantio das águas, da seca e de inverno. O documento é voltado a técnicos, agricultores, estudantes e pesquisadores interessados no tema.

Para acessar a publicação, clique aqui.

Fonte: Embrapa

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  FRANGO/CEPEA: Com vendas interna e externa aquecidas, preços sobem
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA