RONDONÓPOLIS

AGRONEGÓCIO

Pesquisa que permite a identificação de animais por meio de imagens recebe diversas premiações

Publicados

em


O trabalho de pesquisa “Sistema para reconhecimento de bovinos da raça pantaneira baseado em rede neural convoluciona”, desenvolvido pelo bolsista Fabrício Weber, com orientação do pesquisador da Embrapa Pantanal Urbano de Abreu, vem recebendo diversos prêmios na área acadêmica nos últimos anos, entre eles:  melhor dissertação de mestrado, no ano de 2020, no programa de Zootecnia na UEMS; melhor dissertação de mestrado, no ano de 2020, nos três programas de mestrado/doutorado de universidades de Mato Grosso do Sul (UEMS, UFGD e UFMS) e Prêmio TAL–PG, da UEMS de melhor dissertação – Edição 2021.

O trabalho consistiu na proposição de um método de identificação não invasivo para o reconhecimento dos bovinos, por meio das redes neurais convolucionais (CNN) – rede específica para processamento e análise de imagens, ou seja uma ferramenta da visão computacional. Para este experimento, foram mobilizados 51 animais da raça, de idades variadas e ambos os sexos. As imagens que formam o conjunto de dados foram coletadas no Núcleo de Conservação de Bovinos Pantaneiros de Aquidauana (Nubopan), na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Leia Também:  Plano Estadual de Segurança Rural será desenvolvido no Espírito Santo

O Autor explica que a proposta foi desenvolver método apoiado por visão computacional e algoritmos de aprendizado de máquinas com o intuito de permitir a identificação individual e rastreabilidade de bovinos em sistemas extensivos registrando o histórico, desde seu nascimento até o seu abate. “Além da identificação e caracterização dos bovinos pantaneiros, esta é uma nova tecnologia que permite trazer mais bem-estar aos animais, bem como facilita a identificação e no futuro um resgate de bovinos pantaneiros, sem que para isso seja necessário o manejo dos animais, a implantação de brincos ou ainda a marcação a ferro”, detalha Fabricio.

O pesquisador da Embrapa Ubano Abreu conta que para a pesquisa foram utilizadas imagens capturadas por meio de vídeos por quatro câmeras de monitoramento. “Depois foram extraídas imagens de determinados quadros que continham o objeto de interesse: o dorso, o perfil, a lateral e a face de cada bovino. Na etapa de classificação foram comparados três modelos conhecidos na literatura de aprendizagem profunda: InceptionResNetV2, Resnet-50 e DenseNet201. Os resultados indicam que os modelos avaliados podem apoiar pesquisadores e pecuaristas no reconhecimento de bovinos Pantaneiros”, explica o pesquisador

Leia Também:  Morre pesquisador Fábio Galvani, da Embrapa Pantanal

 “É desejável que pecuaristas implantem novas formas de gestão e que façam uso da rastreabilidade como ferramenta dentro do processo de padronização do sistema de produção, permitindo maior qualidade e produtividade do rebanho, alcançando novos e competitivos mercados”, completa Urbano.  Ainda segundo os autores, a próxima etapa será pesquisar os algoritmos que permitam desenvolver a mesma técnica para a identificação por imagens de gado Nelore.

Fonte: Embrapa

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

Comunicado sobre apodrecimento de grãos e vagens de soja na safra 2021/2022 na região do médio-norte de Mato Grosso

Publicados

em


A Embrapa Agrossilvipastoril e a Embrapa Soja acabam de divulgar um comunicado técnico sobre o apodrecimento de vagens de soja, na safra 2021/2022. O apodrecimento de grãos e vagens em estádio final de formação em lavouras de soja vem sendo observado com maior frequência em algumas regiões brasileiras, desde a safra 2019/2020, em especial na região do médio-norte do estado de Mato Grosso, causando redução significativa de produtividade em lavouras com alto potencial produtivo, principalmente nas primeiras semeaduras. Confira abaixo o comunicado completo ou clique aqui para baixar o pdf.
 

Comunicado sobre apodrecimento de grãos e vagens de soja na safra 2021/2022 na região do médio-norte de Mato Grosso*

O apodrecimento de grãos e vagens em estádio final de formação em lavouras de soja vem sendo observado com maior frequência em algumas regiões brasileiras desde a safra 2019/2020, em especial na região do médio-norte do estado de Mato Grosso, causando redução significativa de produtividade em lavouras com alto potencial produtivo, principalmente nas primeiras semeaduras. 
Em visitas realizadas nas lavouras da região, observou-se diferença entre as cultivares quanto à intensidade de apodrecimento de grãos e vagens, identificando-se algumas cultivares sem o problema ou com menor incidência. 
Observou-se resposta da aplicação de fungicidas, que amenizam, mas não resolvem o problema, com variação entre os diferentes programas aplicados pelos produtores. Muitas lavouras com apodrecimento de grãos e vagens são expostas a aplicações regulares de fungicidas e apresentam boa sanidade foliar. O apodrecimento pode ocorrer em toda a planta, mas com maior intensidade nos terços médio e inferior e se inicia na fase final de enchimento de grãos, próximo à maturação fisiológica. 
Em estudos preliminares, constatou-se que os grãos dentro das vagens deterioradas apresentavam elevados índices de enrugamento, resultantes da exposição das plantas às condições de elevadas temperaturas (acima de 30 ºC) durante a fase de enchimento de grãos. Esse enrugamento normalmente é mais intenso sob déficit hídrico, mas pode também ocorrer em condições normais de disponibilidade hídrica. O enrugamento afeta drasticamente a qualidade dos grãos e das sementes e propicia a infecção secundária por Phomopsis spp., o que pode propiciar o apodrecimento das vagens, principalmente em situações de ocorrência de chuvas frequentes em pré-colheita. Sabe-se que a expressão do enrugamento de grãos tem grande influência genética. Supõe-se que as cultivares que estão apresentando esse problema possam ser mais suscetíveis à sua expressão. 
Além de Phomopsis, em análises realizadas em vagens e grãos com e sem sintomas, foram encontrados outros fungos já descritos há muito tempo na cultura, como Fusarium, Colletotrichum e Cercospora, além de bactérias. 
Esses fungos normalmente estão presentes de forma latente nos tecidos da soja, podendo ser obtidos de diversas partes da planta e em diferentes estádios fenológicos. A sua proliferação, causando o apodrecimento dos tecidos antes da maturação, provavelmente está ocorrendo pela combinação de diversos fatores, como estresses abióticos, suscetibilidade da cultivar e condições de ambiente favorável. 
Amostras coletadas em áreas com e sem o problema estão sendo analisadas, e os isolados de fungos infectantes estão sendo obtidos. Estão sendo investigados o efeito da nutrição das plantas na ocorrência de apodrecimento de vagens e grãos, bem como a observação das relações entre o teor de lignina e do enrugamento dos grãos com o apodrecimento de grãos e vagens. 
A Embrapa vem colaborando na busca de respostas ao problema e se coloca à disposição para parceria com outras instituições e empresas, principalmente da região, para traçar linhas de pesquisa que possam contribuir na identificação da(s) causa(s) e de estratégias de manejo para contornar o problema.

Leia Também:  PDL que aprova cooperação em pesquisa militar entre Brasil e EUA será analisado pelo Senado

Embrapa Agrossilvipastoril 
Embrapa Soja
___________________________
*Comunicado publicado originalmente em 21/01/2022 e atualizado em 24/01/2021.

Fonte: Embrapa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA