RONDONÓPOLIS

AGRONEGÓCIO

Famato representa pantaneiros em Audiência Pública na ALMT

Publicados

em


A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) representou os produtores rurais, com propriedades no Bioma Pantanal, na Audiência Pública de autoria do deputado estadual Gilberto Cattani, promovida na segunda-feira (29/11), na Assembleia Legislativa (ALMT). O objetivo foi discutir o “Estatuto do Pantanal e a Renovação do Pantanal Mato-grossense”.

A proposta do senador Wellington Fagundes, autor do Projeto de Lei (PL) 5.482/2020, que poderá se tornar o Estatuto do Pantanal, estabelece a definição do bioma, sua abrangência e diretrizes, compreendendo a aplicação da legislação ambiental existente, ações voltadas para garantir a sustentabilidade socioambiental e a proteção dos cursos hídricos e nascentes. Além disso, trata de políticas públicas integradas entre os estados do Pantanal, do incentivo a atividades que conservem o ecossistema e de instrumentos de planejamento territorial, como o zoneamento ecológico-econômico.

O debate contou com a participação da gestora do Núcleo Técnico da Famato, Lucélia Avi, senador Wellington Fagundes, produtores rurais pantaneiros, os presidentes de sindicatos rurais Raul Santos (Poconé) e Ida Beatriz (Cáceres), Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), as Polícias Militar Ambiental e Corpo de Bombeiros, Ministério Público Estadual (MPE), Fórum Agro e representantes de entidades do agro.

Além de Cattani, autor do debate, estiveram presentes os deputados estaduais Carlos Avallone, Dilmar Dal Bosco e Wilson Santos.

Em nome dos pantaneiros, a gestora Lucélia Avi apresentou parte da realidade vivida pelos produtores, situação do Bioma Pantanal e legislações vigentes e em discussão.  Lucélia também elencou as ações da Famato na defesa do pantaneiro que vive e trabalha no Pantanal, assim como as reuniões com equipes técnicas do Legislativo e Executivo estaduais e do Senado Federal.

Leia Também:  Mulheres mostram cada vez mais seu protagonismo com o curso de pedreiro do SENAR-SP

“O produtor rural pantaneiro conhece melhor do que ninguém a realidade do Pantanal. É ele que deve ser ouvido, é o pantaneiro que sabe como cuidar do bioma, limpar, preservar, produzir de forma sustentável e evitar que o Pantanal acabe”, discursou a gestora.

Lucélia apresentou o projeto Fazenda Pantaneira Sustentável (FPS), que começou em 2018 para auxiliar os produtores rurais a se desenvolverem economicamente na região e de forma sustentável. Ao todo, 15 propriedades rurais são assistidas pelos pesquisadores da Embrapa Pantanal e técnicos do Sistema Famato e estão localizadas nos municípios de Poconé, Cáceres, Rondonópolis, Itiquira e Barão de Melgaço. A expectativa é de que o projeto seja ampliado para mais 15 novas propriedades rurais do Pantanal.

Na oportunidade, representantes do Corpo de Bombeiros falaram sobre as queimadas, resultantes da pior seca do Pantanal nos últimos 50 anos, onde cerca de 30% do bioma foi consumido pelo fogo. Também foram apresentados os planos e ações para o uso responsável de planos de manejo, com uso do fogo, para evitar a formação e propagação de incêndios florestais.

Para a presidente do Sindicato Rural de Cáceres, Ida Beatriz, o que deve ser preservado é o produtor rural pantaneiro, porque é ele que realmente preserva o Pantanal. “O pantaneiro respira o Pantanal, lá produzimos, trabalhamos, alimentamos e somos alimentados. Queremos fazer mais pelo Pantanal, mas estamos travados nas burocracias. Precisamos ser ouvidos. O Pantaneiro tem que ter voz. O Pantanal pede socorro, nós produtores pedimos socorro. Precisamos salvar o Pantanal”, disse a presidente que também é produtora rural.   

Leia Também:  Especialistas discutem estratégia nacional de combate à degradação da terra

Raul Santos, produtor, neto e bisneto de pantaneiros, falou da dor de ver o Pantanal tratado como está. “Os pantaneiros estão vendendo suas terras, estão indo embora. Estão de mãos atadas. Todo o tempo esbarrando em legislações que não atende os anseios do Pantanal. Somos nós que vivemos e trabalhamos em terras pantaneiras, sabemos onde estão os desafios e o que precisa ser feito para salvar o Pantanal, o bioma, e tudo que há vida naquele lugar”, desabafou Raul.

O pecuarista Cristóvão Afonso da Silva reforçou o pedido de que os pantaneiros precisam ser escutados. “É preciso dar voz aos produtores pantaneiros. É preciso ouvir o pantaneiro. É ele, mais do que ninguém, que conhece a realidade do Pantanal. Não precisamos mais de leis, de projetos e de papel. Projetos de Lei já temos muitos, precisamos de ações que resolvam o problema definitivamente. E para que isso ocorra é preciso ouvir quem sente a dor da terra, a dor do Pantanal”, disse Cristóvão.

Também participaram representando a Associação de Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Amado de Oliveira, o presidente da Associação dos Criadores de Suíno de Mato Grosso (Acrismat), Itamar Canossa, presidente da Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat), Juliano Jorge, presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, e a analista de Meio Ambiente da Famato, Laura Rutz.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

Não perca o prazo: inscrições para os primeiros cursos de EAD da Embrapa Gado de Leite em 2022 terminam nesta semana

Publicados

em


Encerram-se nesta semana as inscrições para os primeiros cursos do ano na modalidade de Ensino à Distância (EAD) da Embrapa Gado de Leite. Na semana que vem, encerram-se os prazos de inscrição para outros cinco cursos (veja na tabela ao fim desta reportagem). O interessado deve ficar atento para não perder os prazos. Os cursos têm carga horária entre 30 e 40 horas, com duração média de um mês e o aluno recebe certificado ao encerramento.

As inscrições devem ser feitas no site da Embrapa (ead.cnpgl.embrapa.br) e a taxa é de R$ 39,90 por curso. Além dos temas já oferecidos, a Embrapa planeja a criação de novos cursos para o próximo ano. Dois deles, ainda sem data de realização, já estão garantidos: Controle de mastite e Planejamento e construção do centro de ordenha.

A procura por cursos no formato EAD cresceu muito com a pandemia. Em 2020, houve um aumento de 1.000% comparado à 2019. Segundo Denis Rocha, chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia, da Embrapa Gado de Leite, foram cerca de quatro mil inscritos nos cursos disponibilizados em 2021.

Leia Também:  Após publicação da LOA, Nininho destaca as conquistas de Mato Grosso

Os temas mais procurados são: Implantação, manejo e recuperação de pastagens, Produção de Leite de Qualidade e Forrageiras para a produção de leite a pasto. É comum um mesmo aluno fazer mais de um curso. Lorena Guimarães, de Seropédica – RJ, que fez todos os cursos oferecidos, aprova o modelo. Segundo ela, o diferencial do EAD da Embrapa é poder contar com um conteúdo atualizado, ministrado pelos profissionais mais qualificados de cada área. “Nós temos acesso aos analistas e pesquisadores e podemos tirar dúvidas durante as lives”, diz.

Além do conteúdo das aulas em formato de vídeos e slides, o aluno também tem a disposição atividades complementares como fóruns de discussão, exercícios e “bate-papo tira-dúvidas” em tempo real, que é a oportunidade de interação direta com os profissionais da Embrapa. “Os cursos de ensino à distância são uma ótima oportunidade de se adquirir novos conhecimentos a respeito de pecuária de leite”, afirma Lorena. Segundo ela, as aulas são preparadas por profissionais altamente reconhecidos em suas áreas de atuação e há a conveniência de o aluno ajustar o horário conforme suas necessidades. Trata-se de um excelente investimento para os alunos, recomenda Rocha.

Leia Também:  MANDIOCA/CEPEA: Oferta limitada mantém preço firme

EAD em Pecuária de leite – Calendário das primeiras turmas

Curso

Período de realização

Último dia para se inscrever

Implantação, manejo e recuperação de pastagens

25/01 a 06/03/2022

20 de janeiro

Silagem de capim para a produção de leite

26/01 a 07/03/2022

21 de janeiro

Produção de Leite de Qualidade

27/01 a 08/03/2022

24 de janeiro

Forrageiras para a produção de leite a pasto

28/01 a 09/03/2022

25 de janeiro

Silagem de Milho e de Sorgo para Gado de Leite

31/01 a 12/03/2022

26 de janeiro

Melhoramento Genético e Controle Zootécnico para a Produção de Leite

01/02 a 13/03/2022

27 de janeiro

Cria de bezerras leiteiras: estratégias para aumentar a eficiência

02/02 a 14/03/2022

28 de janeiro

Amostragem, Coleta e Transporte da Produção de Leite

03/02 a 05/03/2022

31 de janeiro

Controle Estratégico do Carrapato dos Bovinos de Leite

04/02 a 06/03/2022

01 de fevereiro

Fonte: Embrapa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA