AGRONEGÓCIO

Cultivo do coco vira possibilidade para produtores de Mato Grosso

Publicados

em


O plantio do coco vem ganhando novas regiões de cultivo. Produtores do Sudeste e Centro-Oeste do país estão explorando a cultura com a finalidade de produção de água de coco. Segundo o instrutor credenciado junto ao Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT), Rafael Reginato Ávila, o cultivo apresenta um grande potencial de exploração.

 “A cultura apresenta uma grande diversidade nas formas de comercialização. O coco é aproveitado de forma industrial através da extração do óleo utilizado na produção de cosméticos, produtos de limpeza, higiene e medicamentos. In natura com o consumo da água e na utilização no preparo de doces e também para confecção de objetos através de sua casca fibrosa”.

Ávila conta ainda que existem três principais variedades de cultivo. “O produtor pode escolher entre gigante, anã e híbrida. É importante que ele se atente aos critérios específicos como estudo do mercado local, potencial produtivo da área e necessidades do público alvo e também se sua propriedade rural atende as necessidades da cultura como solo, clima e questões hídricas”.

Leia Também:  Com Assistência Técnica e Gerencial, produtores cultivam uva no Cerrado

O treinamento ofertado pelo Senar-MT em parceria com os sindicatos rurais, possui 40 horas e tem como objetivo ensinar os participantes a fazer o cultivo do coco para consumo, processamento e comercialização, utilizando práticas atuais e de diferentes níveis tecnológicos de produção.

Ingrid Weber, 50, moradora do município de Nobres, aproveitou o curso demandado pelo Sindicato Rural de Rosário Oeste para aprender um pouco mais sobre a cultura. “Além de me interessar bastante pelo cultivo, achei uma boa oportunidade de aprendizado para investir nesse tipo de produção, que ainda falta em nossa cidade”.

A artesã acrescenta que através dos conhecimentos aprendidos no treinamento pretende realizar seu próprio plantio além de repassar as informações para vizinhos e familiares. “Em nosso município necessitamos muito de treinamentos voltados ao cultivo de culturas, até para investirmos mais na agricultura local. Após o treinamento pretendo realizar meu próprio plantio e repassar os aprendizados aos meus filhos e netos. E, caso algum vizinho precise de informações, irei auxiliar também”.

Leia Também:  Embrapa, governo de RO e produtores se unem em Projeto de melhoramento para o café
Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

Parceria entre CNA e Federação da Agricultura e Pecuária do Acre garante mais de mil cestas básicas para produtores rurais do Estado

Publicados

em


Na manhã desta terça-feira (2/3), o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Acre (FAEAC), Assuero Doca Veronez, participou de reunião na sede da Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM). O objetivo do encontro foi oficializar a entrega de 1.100 cestas básicas para auxiliar nas ações de apoio do Governo do Estado do Acre aos pequenos produtores rurais atingidos pelas enchentes.

Doação da CNA será destinada aos pequenos produtores rurais em necessidade no Acre. Foto: ASCOM

Acompanhou o presidente da FAEAC o superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar – Acre), Mauro Marcello Gomes de Oliveira, e o secretário Edivan Maciel de Azevedo, titular da Secretaria de Estado de Produção e Agronegócio (SEPA), além do representante do Sindicato das Indústrias de Produtos Alimentares do Acre (Sepal), Adalberto José Moreto, que auxiliou na compra de itens da indústria alimentícia local para as cestas doadas.

Em meio à crise no estado do Acre, que envolve, além da pandemia do coronavírus, alagação de diversos municípios, epidemia de dengue e crise migratória dos haitianos, mais de 120 mil pessoas já foram afetadas de diversas maneiras, com famílias inteiras desabrigadas e pequenos produtores rurais com prejuízos incalculáveis às suas propriedades.

Leia Também:  Prosa Rural destaca produção agroecológica na região goiana de Anápolis
Reunião contou com participação de representantes do Sistema FAEAC/Senar – AC e Governo do Estado. Foto: ASCOM

Diante deste cenário, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por decisão do presidente João Martins da Silva Junior, destinou as 1.100 cestas básicas para o Estado. O foco destas entregas são os produtores rurais que, devido ao prejuízo de suas propriedades, têm enfrentado necessidade até na alimentação. A entrega das cestas, que ficará a cargo da SEPA e da SEASDHM, terá início na próxima semana, quando serão definidas as quantidades para cada um dos 10 municípios que decretaram situação de emergência. 

(esq. pra direita) Assuero Veronez, Ana Paula Lopes Lima e Edivan Maciel de Azevedo. Foto: ASCOM

“Graças à CNA, pudemos trazer esta colaboração para ajudar com as ações do governo do Acre. Muitos produtores rurais ribeirinhos perderam suas produções e estão até com dificuldade para se alimentar. Se trata de um trabalho conjunto, incluindo nossos parceiros da Secretaria de Estado de Produção e Agricultura (SEPA), representada pelo secretário Edivan Maciel. A Federação espera conseguir minimizar a dor de quem está sofrendo neste momento de calamidade”, afirmou o presidente da FAEAC, Assuero Doca Veronez.

A secretária Ana Paula Lopes Lima, titular da SEASDHM, frisou a importância de união entre todos os setores para ajudar a população: “Essas ações são de extrema importância para apoio às vítimas, sendo que todas estas questões envolvem um grande esforço da parceria entre Governo do Estado, iniciativa privada e a sociedade civil. Estamos testemunhando grandes atos de solidariedade, recebendo doações e distribuindo para os necessitados. Nossa palavra todos os dias não poderia ser outra: gratidão”, disse Ana Paula.

Leia Também:  Sexta-feira (26): Mato Grosso registra 249.969 casos e 5.767 óbitos
Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

mato grosso

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA